Concepções de Docentes sobre o uso de Metodologias Ativas da Aprendizagem: Um Enfoque na Formação de Enfermeiros

Gésica Kelly da Silva Oliveira, Kátia Calligaris Rodrigues, Maria Aparecida de Oliveira Freitas

Resumo


As vertiginosas mudanças na conjuntura social têm posto em reflexão, de maneira contundente, os aspectos relacionados a formação profissional em enfermagem. Assim, esta discussão surge mediante a necessidade de considerar os fatores que são próprios do trabalho em saúde, tais como a relação intrínseca entre as atividades práticas e a teoria, o cuidado holístico, crítico e humanizado, visto que estes elementos são essenciais para o apropriado exercício profissional. Este trabalho objetivou investigar a percepção dos docentes do curso de graduação em enfermagem sobre a utilização e contribuição das metodologias ativas da aprendizagem no processo de formação e desenvolvimento do profissional enfermeiro. Trata-se de um estudo de natureza qualitativa de caráter exploratório-descritivo, que foi realizado com docentes de um Centro Universitário do Agreste Pernambucano. Os dados foram coletados por meio de entrevista semiestruturada, para apreciação dos dados obtidos foi
realizada análise de conteúdo, seguindo o referencial teórico proposto por  Minayo. Os resultados demonstraram que os docentes compreendem a relevância das metodologias ativas para a formação em enfermagem, entretanto evidenciamos não haver um planejamento de um ensino ativo, pelo professor, demonstrando afinidade com a transmissão de conteúdos, o que sinaliza a importância da atitude reflexiva constante no campo da docência em enfermagem.


Palavras-chave


Educação Superior; Enfermagem; Aprendizagem Ativa.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Rute M.L. Estratégias de Ensino Aprendizagem no Contexto do Curso de Graduação em Enfermagem. 2014. Dissertação (Mestrado profissional em Ensino na Saúde). Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2014.

ANASTASIOU, Lea G. C.; ALVES, Leonir P. Estratégias de ensinagem. ln: Anastasiou, L.G.C; Alves, L. P. Processos de ensinagem na universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula.5ed.Joenville: SC. Unlville, 2005.Cap.3

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 3, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001: Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Enfermagem. Disponível em Acesso em 20/03/2016.

BERBEL, Neuzi A. N. As metodologias Ativas e a da Autonomia de Estudantes. Semina: Ciências sociais e humanas, Londrina, v. 32, n.1, p. 25-40, 2011.

CECCIM, Ricardo B; FEUERWERKER, Laura C.M. O quadrilátero da formação para a área da saúde: Ensino. Gestão, Atenção e Controle social. PHYSIS: Revista Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, V.14, n.1, p.41-64, 2004. Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/physis/v14n1/v14n1a04.pdf> Acesso em: 28.04.2016.

CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artmed Editora, 2000.

COSTA, Raphael R.O. et al. O uso da simulação no contexto da educação e formação em saúde e enfermagem: uma reflexão acadêmica. Revista espaço para a saúde, Londrina, v. 16, n. 1, p. 59-65, 2015.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 33ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

FERNANDEZ, Alicia. Os Idiomas do Aprendente. São Paulo: Editora Artmed, 2001.

LAZZARI, Daniele D. et al. Estratégias de Ensino do Cuidado de Enfermagem: um olhar sobre as tendências pedagógicas. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, n.32, v.4, p.688-94, 2011.

LEITÃO, Selma. Argumentação e desenvolvimento do pensamento reflexivo. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v.20, n.3, p. 454-462, 2007. Disponível em < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-79722007000300013> Acesso em: 01.05.2017.

LIBÂNEO, José C. Democratização da escola pública: A pedagogia crítico social dos conteúdos. 23 ed. São Paulo: Loyola, 2009.

LUCCHESE, Roselma; VERA, Ivânia; PEREIRA, Wilza R. As políticas públicas de saúde – SUS - como referência para o processo ensino-aprendizagem do enfermeiro. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 12, n.3, p.562-6, 2010. Disponível em < https://www.fen.ufg.br/revista/v12/n3/v12n3a21.htm> Acesso em 12.06.2017.

MARCHETI, Ana P.C. Aula expositiva, seminários e projeto no ensino de engenharia: Um estudo exploratório utilizando a teoria das inteligências múltiplas. 2001. Dissertação (Mestrado em engenharia de produção) – Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

MELO, Tiago O. et al. O olhar do docente acerca dos alunos que trabalham inseridos nas metodologias ativas da aprendizagem. Revista da Faculdade Ciências Médicas de Sorocaba, Sorocaba, v.16, n.3, p.134-138, 2014.

MENEGAZ, Jouhanna C. Práticas do bom professor de enfermagem, medicina e odontologia na percepção de estudantes. 2012. 169f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem). Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis,2012.

MESQUITA, Simone K.C. Abordagens pedagógicas na formação de enfermeiros: compreensão de docentes de enfermagem. 2012. Dissertação (Mestrado em enfermagem) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2012.

MINAYO, Maria C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2001.

MITRE, Sandra M. et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.13, n.2, p.2133-2144, 2008.

PARANHOS, Vania D; MENDES, Maria M.R. Currículo por competência e metodologia ativa: percepção de estudantes de enfermagem. Revista Latino Americana de Enfermagem, Brasília, v.18, n.1, 2010. Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/rlae/v18n1/pt_17.pdf> Acesso em: 06.01.2017.

SEVERO, Ivan R.M.; KASSEBOEHMER, Ana C. Motivação dos alunos: reflexões sobre o perfil motivacional e a percepção dos professores. Ensino de Química em foco, São Paulo, v.39, n. 1 p,75-82, 2017. Disponível em Acesso em: 01.05.2017.

SILVA, Rudval S. et al. Estudo de caso como uma estratégia de ensino na graduação:

Percepção dos graduandos em enfermagem. Revista Cuidarte, Colômbia, v. 5, n. 1, p. 606-612, 2014. Disponível em < http://www.scielo.org.co/scielo.php?pid=S2216-09732014000100004&script=sci_abstract&tlng=pt> Acesso em: 15.07.2017.

SOUZA, Francislê N; BEZERRA, Anna C. Do ensino ativo à aprendizagem ativa: o papel da investigação na formação do professor do futuro. Revista de Investigación Universitaria, v.2, n.1, p.11-26, 2013.

SOUZA, Alba R.B; SARTORIB, Ademilde S; ROESLERC, Jucimara. Mediação pedagógica na educação a distância: entre enunciados teóricos e práticas construídas. Revista Diálogo Educação, Curitiba, v. 8, n. 24, p. 327-339, 2008.

WATERKEMPER, Roberta; PRADO, Marta L. Estratégias de ensino-aprendizagem em cursos de graduação em Enfermagem. Av.enferm., Bogotá , v. 29, n. 2, p. 234-246, 2011. Disponível em . Acesso em: 08.06. 2017.




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2018.36366

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em:

 


A partir da 7ª edição da Revista SUSTINERE (V.4, Nº2, 2016), todos os trabalhos das colunas Artigos, Comportamento e Ambiente, e Ensaios, são submetidos a um exame de confiabilidade através dos serviços do iThenticate, cujos relatórios são analisados pelos editores, para a aprovação da publicação destes.