Near Miss Materno: vivência dos enfermeiros obstetras em maternidades de referência

Caroline Lima dos Reis, Catarine Albuquerque Santana, Lourivânia Oliveira Melo Prado, Maria Inês Brandão Bocardi, Max Oliveira Menezes, Rosemar Barbosa Mendes

Resumo


Near Miss Materno (NMM) é definido como uma mulher que quase morreu, mas sobreviveu à complicações que ocorreram durante a gravidez, parto ou até 42 dias após o fim da gestação. Nesse contexto, ressalta-se que a assistência de enfermagem para essas mulheres é complexa e, como tal, comporta inúmeras necessidades para o desenvolvimento do cuidado. A dinâmica entre os profissionais, a condição dos pacientes e a utilização de inúmeras tecnologias demandam da enfermagem conhecimentos de ordens diversas, potencializando a assistência prestada e maximizando processos efetivos de trabalho e cuidado. Esse estudo objetiva caracterizar a caracterizar a vivência do Near Miss Materno por enfermeiros obstetras atuantes nas maternidades de referência de Aracaju/Sergipe. Trata-se de um estudo exploratório, descritivo com abordagem quantitativa. Adotou-se uma amostra não probabilística intencional, a qual foi composta por 25 enfermeiros obstetras das maternidades de referência em Aracaju/SE. Os dados foram analisados de forma descritiva e analítica por meio do R-project (versão 3.4.2). A caracterização socioprofissional dos enfermeiros foi caracterizado por predomínio de idade entre 30 a 39 anos em início de carreira profissional, desenvolvimento de 40 a 60 horas semanais de trabalho e vínculo celetista. As situações de NMM foram vivenciadas por 76% desses profissionais, 56% tiveram sentimentos positivos frente a assistência desenvolvida. Os voluntários possuem vivência sobre NMM decorrente da prática profissional. No entanto, é preciso educação continuada, aumentar produção científica e exploração da temática na matriz curricular da pós-graduação.


Palavras-chave


Enfermagem; Enfermeiros Obstetras; Morbidade; Near Miss; Saúde Materna

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, P.G; CARVALHO, G.M; OLIVEIRA, L.R. Obstetrical nursing: discovering advantages and difficulties faced by specialists in this area. Revis. O Mundo da Saúde. v.32; n. 4, p. 458-465. São Paulo, 2008. Disponível em < https://www.saocamilo-sp.br/pdf/mundo_saude/65/07_Enfermagem_baixa.pdf> Acesso em: 25/06/2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha. Diário Oficial [da] União, Brasília, DF, 27 jun. 2011. Seção 1, p. 109. Disponível em < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1459_24_06_2011.html> Acesso em: 16/07/2017.

BRASIL. ONU. (Org.). Mortalidade materna cai 55% no Brasil, aponta relatório sobre Objetivos do Milênio. 2014.

BRASIL. Uma análise da situação de saúde e a vigilância da Saúde da Mulher. Ministério da Saúde, Brasília, DF 2012.

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Dispõe sobre a atuação de Enfermeiros na assistência às gestantes, parturientes e puérperas. Resolução Cofen nº 477/2015. Brasília - Distrito Federal, 2015. Disponível em < http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-04772015_30967.html> Acesso em 23/08/2017.

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Normatiza a atuação e a responsabilidade do Enfermeiro, Enfermeiro Obstetra e Obstetriz na assistência às gestantes, parturientes, puérperas e recém-nascidos os Serviços de Obstetrícia, Centros de Parto Normal e/ou Casas de Parto e outros locais onde ocorra essa assistência; estabelece critérios para registro de títulos de Enfermeiro Obstetra e Obstetriz no âmbito do Sistema Cofen/Conselhos Regionais de Enfermagem, e dá outras providências. Resolução COFEN nº 0516/2016. Brasília- Distrito Federal. p. 1-7, 2016. Disponível em < http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-05162016_41989.html> Acesso em: 23/08/2017.

DALRI, R.C.M.B; SILVA, L.A; MENDES, A.M.O.C; ROBAZZI, M.L.C.C. Carga horária de trabalho dos enfermeiros e sua relação com as reações fisiológicas do estresse. Rev. Latino-Am. Enfermagem. v.22; n.6, p. 959-965. nov.-dez, 2014. Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/rlae/v22n6/pt_0104-1169-rlae-22-06-00959.pdf> Acesso em: 13/05/2017.

DIAS, M.A.B; DOMINGUES, R.M.S.M; SCHILITHZ, A.O.C; PEREIRA, M.N; DINIZ, C.S.G; BRUM, I.R;MARTINS, A.L; FILHA, M.M.T; GAMA, S.G.N; LEAL, M.C. Incidência do Near Miss materno no parto e pós-parto hospitalar: dados da pesquisa Nascer no Brasil. Cad. Saúde Pública. v.30, p.169-S181, Rio de Janeiro. 2014. Disponível em < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2014001300022 > Acesso em: 27/05/2017.

ESSER, M.A.M.S; MAMEDE, F.V; MAMEDE, M.V. The profile of nursing professionals working in maternity wards in Londrina, PR. Rev. Eletr. Enf. v. 14; n.1, p. 133-141. Jan-mar, 2012. Disponível em: https://www.fen.ufg.br/fen_revista/v14/n1/pdf/v14n1a15.pdf Acesso em 23/03/2017.

FEITOSA, M.C; LEITE, I.R.L; SILVA, S.R.F. Demanda de intervenções de enfermagem a pacientes sob cuidados intensivos: NAS - Nursing Activities Score. Esc Anna Nery. v.16, n.4, p.682- 688, out-dez. 2012. Disponível em < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452012000400006> cesso em: 14/08/2017.

FLETCHER, R.H.; FLETCHER, S.W. Epidemiologia clínica: elementos essenciais. 4. ed., Porto Alegre: Artes Médicas, 2007.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002.

GALVÃO, L.P.L; PEREIRA, F.A; MENDONÇA, C.M.M; MENEZES, F.E.F; GÓIS, K.A.N; RIBEIRO JR; R.F; GURGEL, R.Q. The prevalence of severe maternal morbidity and Near Miss and associatedfactors in Sergipe, Northeast Brazil. BMC Pregnancy and Childbirth. 2014. Disponível em < https://bmcpregnancychildbirth.biomedcentral.com/articles/10.1186/1471-2393-14-25> Acesso em: 08/08/2017.

GARDENAL, C.L.C; PARREIRA, I; ALMEIDA, J.M; PEREIRA, V.M. Perfil das enfermeiras que atuam na assistência à gestante, parturiente e puérpera, em instituições de Sorocaba/São Paulo (1999). Rev. Latino-am Enfermagem. Julho-agosto, v.10, n.4, p. 478-84, 2002. Disponível em < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692002000400003&lng=en&nrm=iso&tlng=pt > Acesso em: 06/07/2017.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. - 4. ed. - São Paulo: Atlas, 2007.

INSTITUTO BRASILEIRO GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo 2010. Disponível em Acesso em 23/02/2017.

LIMA, M.F.G; PEQUENO, A.M.C; RODRIGUES, D.P; CARNEIRO, C; MORAIS, A.P.P; NEGREIROS, F.D.S. Desenvolvendo competências no ensino em enfermagem obstétrica: aproximações entre teoria e prática. Rev Bras Enferm. v.70, n 5, p.1110-6, 2017. Disponível em < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-71672017000501054&script=sci_arttext&tlng=pt > Acesso em: 23/09/2017.

LUZ, A.G; OSIS, M.J.D; RIBEIRO, M; CECATTI, J.G; AMARAL, E. Impact of a nationwide study for surveillance of maternal near-miss on the quality of care provided by participating centers: a quantitative and qualitative approach. BMC Pregnancy and Childbirth. 2014. Disponível em< https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4234017/ > Acesso em: 09/08/2017.

MASSAROLI, R; MARTINI, J.G; MASSAROLI, A; LAZZARI, D.D; OLIVEIRA, S.N; CANEVER, B.P. Trabalho de enfermagem em unidade de terapia intensiva e sua interface com a sistematização da assistência. Esc. Anna Nery. v.19 n.2, abr-jun, Rio de Janeiro. 2015. Disponível em < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452015000200252 > Acesso em: 25/07/2017.

MORAIS, M.P, MARTINS, J.T; GALDINO, M.J.Q; ROBAZZI, M.L.C.C; TREVISAN, G.S Nurses’s work satisfaction in a university hospital. Rev Enferm UFSM. V.6, n.1; p.1-9. Jan/Mar. 2016. Disponível em< https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/17766/pdf > Acesso em: 05/09/2017.

NARDELLO, D.M; GUIMARÃES, A.M.D.N; BARRETO, I.D.C; GURGEL, R.Q; RIBEIRO, E.R.O; GOIS, C.F.L.. Óbitos fetais e neonatais de filhos de pacientes classificadas com near miss. Rev Bras Enferm. v. 70, n.1, p.104-11, jan-fev, 2017. Disponível em < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672017000100104&lng=en&nrm=iso&tlng=pt >. Acesso em: 03/07/2017.

NASCIMENTO, J.M.J; SANTOS, A.A.P; SILVA, F.C.L; SILVA, R.C; LAURINDO, J.A.C; CERQUEIRA, G.S. Os desafios encontrados pelo profissional de enfermagem durante a assistência prestada numa maternidade pública. EFDeportes.com Revista Digital. Buenos Aires, v19, n.195, agosto de 2014. Disponível em: < http://www.efdeportes.com/efd195/profissional-de-enfermagem-numa-maternidade-publica.htm >. Acesso em: 25/08/2017

OLIVEIRA, E.M; SPIRI, W.C. Dimensão pessoal do processo de trabalho para enfermeiras de Unidades de Terapia Intensiva. Acta Paul Enferm. v.24, n.4, p.550-555, 2011. Disponível em < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-21002011000400016> Acesso em: 03/07/2017.

OLIVEIRA, L. C; COSTA , A. A. Maternal near miss in the intensive care unit: clinical and epidemiological aspects. Rev Bras Ter Intensiva, v. 27, n. 3, p. 220-7,2015. Disponível em < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4592115/> Acesso em: 23/04/2017.

OLIVEIRA, L.C; COSTA, A.A.R. Fetal and neonatal deaths among cases of maternal near miss. Rev Assoc Med Bras. v. 59, n.5, p. 487 – 494. 2013. Disponível em: Acesso em: 23/04/2017.

OUD , L. Epidemiology of Pregnancy Associated ICU Utilization in Texas: 2001 - 2010. J Clin Med Res, v. 9, n.2, p. 143-53, 2017. Disponível em < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5215018/> Acesso em: 03/10/2017.

ROSENDO, T.M.S.S; RONCALLI, A.G. Prevalência e fatores associados ao Near Miss Materno: inquérito populacional em uma capital do Nordeste Brasileiro. Ciência & Saúde Coletiva. v.20, n.4, p.1295-1304. 2015. Disponível em < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232015000401295&lng=en&nrm=iso&tlng=pt> Acesso em: 27/03/2017.

RUDEY, E.L; CORTEZ, L.E.R; YAMAGUCHI, M.U. Identificação de near miss materno em unidade de terapia intensiva. Revista Saúde e Pesquisa. v. 10, n. 1, p. 145-155, jan./abr. 2017. Disponível em < http://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/saudpesq/article/view/5813/3015> Acesso em: 14/06/2017.

SERGIPE. Maternidade Nossa Senhora de Lourdes registrou mais de 16 mil atendimentos no ano passado. Disponível em: < http://www.agencia.se.gov.br/noticias/saude/maternidade-nossa-senhora-de-lourdes-registrou-mais-de-16-mil-atendimentos-no-ano-passado >. Acesso em: 02/03/2017.

SILVEIRA, R.S; FUNCK, C.R; LUNARDI, V.L; AVILA, L.I; LUNARDI FILHO, W.D; VIDAL, D.A.S. Percepção dos trabalhadores de enfermagem acerca da satisfação no contexto do trabalho na UTI. Enferm Foco. v.3; n.2, p.93-96, 2012. Disponível em http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/262 . Acesso em: 23/03/2017.

TUNÇALP, O; HINDIN, M.J; SOUZA, J.P; CHOU, D; SAY, L. The prevalence of maternal Near Miss: a systematic review. BJOG. v.119, p. 653–661. 2012. Disponível em: < https://obgyn.onlinelibrary.wiley.com/doi/pdf/10.1111/j.1471-0528.2012.03294.x >. Acesso em: 23/02/2017

VILLELA, L.C.M; GALASTRO, E.P; FREITAS, M.E.A; SANTOS, M.S.G; NOTARO, K.A.M. Tempo de atuação do profissional enfermeiro – Minas Gerais. Enfermagem em Foco. v.2; n.4, p248-250. 2011. Disponível em < http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/194> Acesso em: 30/05/2017.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Trends in maternal mortality: 1990–2008. 2010. Disponível em: < https://www.unfpa.org/sites/default/files/pub-pdf/trends_matmortality90-08.pdf> Acesso em: 28/02/2017.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. World Health Statistics 2009. Disponível em < http://www.who.int/whosis/whostat/EN_WHS09_Full.pdf?ua=1 > . Acesso em: 04/05/2017.




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2018.33236

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em: