Perfil epidemiológico, clínico e laboratorial do exame citopatológico realizado em Espinosa, Minas Gerais, durante o ano de 2014

Patrick Leonardo Nogueira da Silva

Resumo


Objetivou-se investigar o perfil epidemiológico, clínico e laboratorial do exame citopatológico cérvico-vaginal realizado no município de Espinosa. Trata-se de um estudo descritivo, exploratório, retrospectivo, documental, com abordagem quantitativa, sendo a amostra composta por dados do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS) referente a 135 coletas citopatológicas realizadas no ano de 2014. O tratamento dos dados se deu por meio de análise estatística univariada. Observou-se que 72,5% foram coletadas em um intervalo de 0-10 dias. Em 77%, o intervalo para a conclusão dos resultados foi estabelecido entre 11-20 dias. O tempo do exame foi de 0-30 dias (75,5%). Quanto à cor/raça, todos os registros não apresentavam esta informação. O intervalo etário mais prevalente foi de 40-49 anos (32,4%). O tempo do último exame preventivo foi de um ano (49,6%). Todas as amostrasencontravam-sesatisfatórias à análise. Em 58,5%, os resultados entrados estavam dentro da normalidade. Portanto, os resultados das amostras coletadas atendem satisfatoriamente ao perfil de prevenção do câncer de colo uterinonas mulheres, porém há falhas no preenchimento dos dados na ficha de coleta por parte do profissional.


Palavras-chave


Neoplasias do colo do útero; Promoção da saúde; Testes diagnósticos de rotina; Teste de Papanicolaou

Texto completo:

PDF

Referências


BAIRROS, F. S.; MENEGHEL, S. N.; DIAS-DA-COSTA, J. S.; BASSANI, D. G.; MENEZES, A. M. B.; GIGANTE, D. P.; OLINTO, M. T. A. Racial inequalities in access to women's health care in southern Brazil. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 27, n. 12, p. 2364-2372, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v27n12/08.pdf

BRASIL. Ministério da Saúde. Portal Brasil. Ministério da Saúde amplia faixa etária para rastreamento do câncer de colo de útero. Brasília: MS, 2011a. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/saude/2011/07/ministerio-da-saude-amplia-faixa-etaria-para-rastreamento-do-cancer-de-colo-de-utero

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer. Coordenação Geral de Ações Estratégicas. Divisão de Apoio à Rede de Atenção Oncológica. Diretrizes brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero. Rio de Janeiro: INCA, 2011b. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/inca/rastreamento_cancer_colo_utero.pdf

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Cadernos de atenção básica: controle dos canceres do colo do útero e da mama. Brasília: MS, 2013. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/controle_canceres_colo_utero_2013.pdf

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer. Papanicolau (exame preventivo de colo de útero). Rio de Janeiro: INCA, 2015a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde. Sistema de Informação da Atenção Básica. Cadastramento familiar – Brasil: mulheres de 15 a maiores de 60 anos de Espinosa, Minas Gerais. Brasília: DATASUS, 2015b.

DISCACCIATI, M. G.; BARBOZA, B. M. S.; ZEFERINO, L. C. Por que a prevalência de resultados citopatológicos do rastreamento do câncer do colo do útero pode variar significativamente entre duas regiões do Brasil? Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. Rio de Janeiro, v. 36, n. 5, p. 192-197, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbgo/v36n5/0100-7203-rbgo-36-05-00192.pdf

FARIAS, A. C. B.; BARBIERI, A. R. Seguimento do câncer de colo de útero: estudo da continuidade da assistência à paciente em uma região de saúde. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. Rio de Janeiro, v. 20, n. 4, p. 1-9, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v20n4/1414-8145-ean-20-04-20160096.pdf

GONÇALVES, C. V.; QUINTANA, S. M.; MARCOLIN, A. C.; DUARTE, G.; COSTA, J. S. D.; KARAM, F.; BIANCHI, M. S. Microinvasive carcinoma of the uterine cervix in a 14-year-old adolescent: case report and literature review. São Paulo Medical Journal. São Paulo, v. 127, n. 2, p. 105-107, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/spmj/v127n2/a10v1272.pdf

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Infográficos: dados gerais do município de Espinosa, Minas Gerais. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.

MELO, M. C. S. C.; VILELA, F.; SALIMENA, A. M. O.; SOUZA, I. E. O. O enfermeiro na prevenção do câncer do colo do útero: o cotidiano da atenção primária. Revista Brasileira de Cancerologia. Rio de Janeiro, v. 58, n. 3, p. 389-398, 2012. Disponível em: http://www1.inca.gov.br/rbc/n_58/v03/pdf/08_artigo_enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria.pdf

RIBEIRO, L.; BASTOS, R. R.; VIEIRA, M. T.; RIBEIRO, L. C.; TEIXEIRA, M. T. B.; LEITE, I. C. G. Rastreamento oportunístico versus perdas de oportunidade: não realização do exame de Papanicolaou entre mulheres que frequentaram o pré-natal. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 32, n. 6, p. 1-13, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v32n6/1678-4464-csp-32-06-e00001415.pdf

SILVA, D. S. M.; SILVA, A. M. N.; BRITO, L. M. O.; GOMES, S. R. L.; NASCIMENTO, M. D. S. B.; CHEIN, M. B. C. Rastreamento do câncer do colo do útero no Estado do Maranhão, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 19, n. 4, p. 1163-1170, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v19n4/1413-8123-csc-19-04-01163.pdf




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2018.32949

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em:

 


A partir da 7ª edição da Revista SUSTINERE (V.4, Nº2, 2016), todos os trabalhos das colunas Artigos, Comportamento e Ambiente, e Ensaios, são submetidos a um exame de confiabilidade através dos serviços do iThenticate, cujos relatórios são analisados pelos editores, para a aprovação da publicação destes.