A educação permanente em saúde no serviço de atendimento móvel de urgência

Andrielly Barros Silva, Gabriel Miranda Lopes, Kamila Maria Penna Batista, Mônica Cristina da Silva Castro

Resumo


A Educação Permanente é uma estratégia Política Nacional implantada pelo Ministério da Saúde em 2004, visando a capacitação dos profissionais nos serviços de saúde. Esta pesquisa teve como objetivo, identificar por meio da literatura, as atividades relacionadas à Educação Permanente em Saúde que o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência desenvolve no âmbito da prática assistencial. Trata-se de uma Revisão Integrativa da Literatura com recorte temporal de 2012 a 2017 e busca de artigos nas bases de dados da Biblioteca Virtual em Saúde por meio de periódicos na Scientific Electronic Library Online – SCIELO, Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde - LILACS, Base de dados de enfermagem - BDENF e Literatura Internacional em Ciências da Saúde - MEDLINE. Na análise dos dados emergiram três categorias temáticas, sendo apresentadas nos resultados: a primeira categoria - a importância da educação permanente em saúde nos serviços de saúde. Segunda categoria - as estratégias e atividades de educação permanente em saúde. E a terceira categoria - a percepção dos profissionais sobre o processo de educação permanente no Serviço Móvel de Urgência. Obtém-se como resultado a falta de conhecimentos dos profissionais sobre Educação Permanente em Saúde e a importância de conhecer, incorporar e desenvolver atividades voltadas para aperfeiçoamento dos serviços móveis de urgência. Conclui-se que este instrumento é de grande valia para todos os profissionais por gerar mudanças no processo de trabalho dos setores e assim obter uma melhora nas práticas de saúde oferecidas a população diante da realidade local.


Palavras-chave


Educação; Capacitação; Serviços Médicos de Emergência; Aprendizagem.

Texto completo:

PDF

Referências


BOTELHO, L. L. R.; CUNHA, C. C. A.; MACEDO, M., O método da revisão integrativa nos estudos organizacionais. Belo Horizonte: Gestão e Sociedade, 2011. v. 5, n. 11, p. 121-136, mai/ago. Disponível em: . Acesso em: 23 set. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Constituição (2004). Portaria nº 198, de 13 de fevereiro de 2004. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde Como Estratégia do Sistema Único de Saúde. Disponível em: . Acesso em: 11 abr. 2017.

______. Ministério da Saúde. Constituição (2007). Portaria nº 1.996, de 20 de agosto de 2007. Dispõe sobre as diretrizes para a implementação da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Disponível em: . Acesso em: 11 abr. 2017.

______. Ministério da Saúde. Constituição (2003). Portaria nº 1.864, de 29 de setembro de 2003. Componente Pré-hospitalar Móvel da Política Nacional de Atenção às Urgências. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2017.

______. Ministério da Saúde. Constituição (2012). Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Conselho Nacional de Saúde. Brasil. Disponível em: . Acesso em: 16 abr. 2017.

______. Ministério da Saúde. Cartilhas da política nacional de humanização acolhimento nas práticas de produção de saúde / Secretaria de Atenção à Saúde, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. – 2. ed. 5. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2010. Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2017.

______. Ministério da Saúde. O que é o SAMU 192? / Portal da Saúde. Brasília, 2014. Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2017

_____. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.010, De 21 De Maio De 2012. Redefine as diretrizes para a implantação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192) e sua Central de Regulação das Urgências, componente da Rede de Atenção às Urgências. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt1010_21_05_2012.html>. Acesso em: 05 jan. 2018.

BARBOSA, M. R. Educação continuada em enfermagem e a qualidade de assistência. Mestrado em enfermagem. Guarulhos, SP, Brasil: UnG, 2014. Disponível em: < http://tede.ung.br/bitstream/123456789/529/1/Marli+Reinaldo+Barbosa.pdf>. Acesso em: 05 jan. 2018.

CARVALHO, T. G. S.; ALMEIDA, A. M. B.; BEZERRA, M. I. C., Percepção dos profissionais de saúde da atenção primária sobre educação permanente em saúde. Ceará, Brasil: Sanare, Sobral. 2016 - V.15 n.02, p.94-103, Jun./Dez. Disponível em: . Acesso em: 10 out 2017.

CELEDÔNIO, R. M.; JORGE, M. S. B.; SANTOS, D. C. M.; FREITAS, C. H. A., AQUINO, F. O. T. P., Políticas de educação permanente e formação em saúde: uma análise documental*. Fortaleza, Ceará, Brasil: Rev Rene, 2012. 13(5):1100-10. Disponível em: . Acesso em: 18 set 2017.

COELHO, G.M.P.; ABIB, S.C.V.; LIMA, K.S.B.; MENDES, R.N.C.; SANTOS, R.A.A.; BARROS, A.G, Educação permanente em saúde: experiência dos profissionais do serviço de atendimento móvel de urgência. Brasil: Enferm. Foco, 2013. 4(3,4) 161 – 163. Disponível em: . Acesso em: 06 nov 2017.

EL HETTI, L. B.; BERNARDES, A.; GABRIEL, C. S.; FORTUNA, C. M.; MAZIERO, V. G., Educação permanente/continuada como estratégias de gestão no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. Ribeirão Preto, SP, Brasil: Rev. Eletr. Enf. [Internet], 2013. out/dez;15(4):973-82. Disponível em: . Acesso em: 10 out 2017.

FARAH, B. F., Processo de Trabalho em Enfermagem. Juiz de Fora/MG, Universidade Federal De Juiz De Fora - Faculdade De Enfermagem, 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 fev 2018.

GALVÃO, C. M.; SAWADA, N. O.; TREVIZAN, M. A. Revisão sistemática: recurso que proporciona a incorporação das evidências na prática da enfermagem. Ribeirão Preto, SP, Brasil: Revista Latino-Americana de Enfermagem, 2004. v. 12, n. 3, p. 549-56. Disponível em: . Acesso em: 10 out 2017.

LAPROVITA, D.; FERNANDES F. C.; ALMEIDA L.P; CORVINO, M. P. F.; CORTEZ, E. A.; BRAGA, A. L.S., Educação permanente no atendimento pré-hospitalar móvel: perspectiva de Emerson Merhy. Niterói (RJ), Brasil: Rev enferm UFPE online, 2016. 10(12):4680-6, dez. Disponível em: . Acesso em: 10 out 2017.

LUCHTEMBERG, M.N.; PIRES, D.E.P. Enfermeiros do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência: perfil e atividades desenvolvidas. Florianópolis, SC, Brasil: Rev Bras. Enferm [Internet], 2016. 69(2):194-201. Disponível em: . Acesso em: 10 out 2017.

MICCAS, F.L.; BATISTA, S.H.S.S., Educação permanente em saúde: metassíntese. Santos, SP, Brasil: Rev Saúde Pública, 2014. 48(1):170-185. Disponível em: . Acesso em: 10 out 2017.

PEDUZZI, M.; SCHRAIBER, L. B. Processo de Trabalho em Saúde. In: Dicionário da Educação profissional em Saúde. Rio de Janeiro: ENSP/FIOCRUZ. Disponível: http://www.epsjv.fiocruz.br/dicionario/verbetes/protrasau.html. Acesso em: 15 fev 2018.

PEIXOTO, L. S.; GONÇALVES, L. C.; COSTA, T. D.; TAVARES, C. M. M.; CAVALCANTI, A. C. D.; CORTEZ, E. A., Educação permanente, continuada e em serviço: desvendando seus conceitos. Niterói, RJ, Brasil: Rev. Eletr. Trimestral de Enfermeria, 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 out 2017.

ROCHA, M. D. S., A importância a educação permanente para a equipe de enfermagem em um serviço de urgência e emergência. Florianópolis, SC, Brasil. Universidade Federal De Santa Catarina - Especialização Em Urgência E Emergência Em Linhas De Cuidados, 2014. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/173622/MARIA%20DAN%C3%9ABIA%20SANTOS%20DA%20ROCHA%20-EMG-TCC.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 22 fev 2018.

SALUM N.C.; PRADO M., A Educação Permanente No Desenvolvimento De Competências Dos Profissionais De Enfermagem. Florianópolis SC, Brasil: Texto Contexto Enferm, 2014, Abr-Jun; 23(2): 301-8. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v23n2/pt_0104-0707-tce-23-02-00301.pdf, Acesso em: 26 fev 2018.

SILVA, L. A. A.; SODER, R. M.; PETRY, L.; OLIVEIRA, I. C., Educação permanente em saúde na atenção básica: percepção dos gestores municipais de saúde. Rio Grande do Sul, Brasil: Rev Gaúcha Enferm., 2017. mar;38(1):e58779. Disponível em: . Acesso em: 10 out 2017.

SILVEIRA, R. C. C. P., O cuidado de enfermagem e o cateter de Hickman: a busca de evidências. Dissertação (Mestrado). Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto; 2005. Disponível em: . Acesso em: 10 out 2017.

SOUZA, M. T.; SILVA, M. D.; CARVALHO, R., Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein (São Paulo) vol.8 no.1 São Paulo Jan/Mar. 2010. Disponível em: . Acesso em: 27 set. 2017.

URSI, E. S;GAVÃO, C. M., Prevenção de lesões de pele no perioperatório: revisão integrativa da literatura. [dissertação]. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto: Rev Latino-am Enfermagem, 2006. 14(1):124-31. Disponível em: . Acesso em: 10 out 2017.




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2018.31266

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em:

 


A partir da 7ª edição da Revista SUSTINERE (V.4, Nº2, 2016), todos os trabalhos das colunas Artigos, Comportamento e Ambiente, e Ensaios, são submetidos a um exame de confiabilidade através dos serviços do iThenticate, cujos relatórios são analisados pelos editores, para a aprovação da publicação destes.