Historicidade e olhares sobre o processo saúde-doença: uma nova percepção

Everaldo de Santana Silva, Gustavo Aveiro Lins, Elza Maria Neffa Vieira de Castro

Resumo


No evoluir da história das sociedades, os maiores flagelos associados à vigilância em saúde decorreram de fatores intrínsecos à construção das comunidades, o que evidencia a íntima relação da saúde com as condições ambientais. O olhar da biomedicina sobre a saúde humana prioriza soluções corretivas em detrimento das preventivas, pois privilegia o pensamento cartesiano, com a tradicional diagnose e profilaxia, condicionado pela mercantilização do conhecimento científico. Com o objetivo de fomentar uma reflexão crítica sobre o processo saúde-doença, este estudo defende a necessidade de mudança de paradigma na biomedicina, propugnando a quebra da hegemonia e do monopólio da medicina científica, com vistas a atenuar preconceitos e a permitir a adoção de diferentes terapêuticas para os enfermos.


Palavras-chave


Meio ambiente e saúde pública; Paradigma integrativo; Promoção da saúde; Saúde holística

Texto completo:

PDF

Referências


ARRUDA, L.; QUELHAS, Q. L. G. Sustentabilidade: um longo processo histórico de reavaliação crítica da relação existente entre sociedade e o meio ambiente. Boletim Técnico SENAC: A R. Educ. Prof. 2010 set/dez 36(3): 53-63, 2010.

AYRES, JRCM. O problema do conhecimento verdadeiro na epidemiologia. Revista de Saúde Pública.; 26 (3): 206-214. 1992.

BARATA, RCB. Desigualdades sociais e saúde. Tratado de saúde coletiva. São Paulo: Hucitec; 2006. p. 457-86. parte 3.

BRASIL. Ministério da Saúde, Departamento de Ciência e Tecnologia, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Doenças negligenciadas: estratégias do Ministério da Saúde. Revista de Saúde Pública. 2002; 44(1):2002.

CAMARGO, JR. Racionalidades médicas: a medicina ocidental contemporânea. Rio de Janeiro: Instituto Médico Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro; 1993. (Série Estudos em Saúde Coletiva 65).

CASANOVA, PG. As novas ciências e as humanidades: da academia à política. Rio de Janeiro: Boitempo Editorial; 2006.

CASTRO, FNV. Estratégias integrativas para formação e prática médica no Brasil: um estudo nas faculdades privadas do Estado do Rio de Janeiro. [Dissertação de mestrado]. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2004.

CONFALONIERI UEC, CHAME M, NAJAR A, CHAVES SAM, KRUG T, NOBRE C. Mudanças globais e desenvolvimento: importância para a saúde. IEUS.; 11(3): 139-54. 2002.

FILHO NA. Uma breve história da epidemiologia. cap.1. In: Rouquayrol MZ, Filho NA. Epidemiologia & saúde. 6ª ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan; 2003.

FILHO, NA.; MEDRONHO, RA. Formação histórica da epidemiologia In: Medronho, R. A., Block, K. V., Luiz, R. R., Werneck, GL. Epidemiologia. São Paulo: Editora Atheneu; 2009.

FOCAULT, M. O nascimento da clínica. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária; 1997.

GRISSOTI M. Doenças infecciosas emergentes e a emergência das doenças: uma revisão conceitual e novas questões. Ciência e Saúde Coletiva. 15 (supl.1): 1095-104. 2010.

GUTIERREZ, PR; OBERDIEK, HI. Concepções sobre a saúde e a doença. In: Andrade, SM.; Soares, DA; Cordoni, JL. (organizadores). Bases da saúde coletiva. Londrina: UEL; 2001.

HACON S, BARROCAS P, SICILIANO S. Avaliação de risco à saúde humana: uma contribuição para a gestão integrada de saúde e ambiente. Cadernos de Saúde Coletiva. 2005;13 (4): 811-36. 2005.

HELLER, L. Relação entre saúde e saneamento na perspectiva do desenvolvimento. Ciência e Saúde Coletiva. 1998; 3(2):73-84.

LATOUR, B. A esperança de Pandora: ensaios sobre a realidade dos escudos científicos. São Paulo: Editora Edusc; 2001.

LATOUR, B; WOLLGAR, S. A vida de laboratório: a produção dos fatos científicos. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1997.

LEWINSOHN, R. Três epidemias: lições do passado. São Paulo: Editora Unicamp; 2003.

LUIZ OC, CONH A. Sociedade de risco e risco epidemiológico. Cadernos de Saúde Pública. nov; 22(11):2339-48. 2006

MORIN, E. Ciência com consciência. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil; 1998.

MORSE, SS. Factors in the emergence of infectious diseases. Perspectives Emerging Infectious Diseases. 1995.1(1): 7:14.

OLIVEIRA, MB. A avaliação neoliberal na universidade e a responsabilidade social dos pesquisadores. Scientle Studia. 2008; 6(3): 379-87.

PERIALGO M, GALVÃO LA, CORVOLAN C. Saúde ambiental na América Latina e Caribe: numa encruzilhada. Saúde e Sociedade. 2007; 16(3): 14-9.

PHILLIPI JR. A.; SILVA NETO, A J. Interdisciplinaridade em ciência, tecnologia e inovação. São Paulo: Editora Manole; 2011.

PORTO, MFS. Estratégias para um gerenciamento de riscos ambientais contextualizado, justo e participativo. Cadernos de Saúde Coletiva. 2005; 13 (1): 113-30.

ROSEN, G. Uma história da saúde pública. São Paulo. Editora Unesp; 2000.

ROUQUAYROL MZ, GOLDBAUM M. Epidemiologia, história natural e prevenção de doenças. cap. 2. In: Rouquayrol MZ, Filho NA. Op. cit. 1999.

SANTOS, BS. Um discurso sobre as ciências. Porto: Edições Afrontamento; 2001.

SILVA, ES. Possibilidade de emergência de cólera no porto do Rio de Janeiro. [Dissertação de mestrado]. Rio de Janeiro: Universidade Federal Fluminense; 2012.

TESSER, CD. A biomedicina e a crise da atenção à saúde: um ensaio sobre a desmedicalização. Dissertação de Mestrado. Campinas: Departamento de Medicina Preventiva e Social da Universidade Estadual de Campinas, 1999.

TESSER, CD.; Luz, MT. Uma introdução às contribuições da epistemologia contemporânea para a medicina. Ciência & Saúde Coletiva. 2002; 7(2): 363-72.




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2016.25976

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em:

 


A partir da 7ª edição da Revista SUSTINERE (V.4, Nº2, 2016), todos os trabalhos das colunas Artigos, Comportamento e Ambiente, e Ensaios, são submetidos a um exame de confiabilidade através dos serviços do iThenticate, cujos relatórios são analisados pelos editores, para a aprovação da publicação destes.