Construção coletiva de um currículo por competência para a residência em Medicina de Família e Comunidade

Gustavo de Oliveira Figueiredo, Valéria Ferreira Romano, Bruno Pereira Stelet, Jorge Esteves Teixeira-Júnior

Resumo


Trata-se de um estudo de caso que apresenta o processo e o produto da construção de um currículo por competência, elaborado de forma compartilhada entre os Programas de Residência em Medicina de Família e Comunidade da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz (ENSP), desenvolvido em parceria com a Clínica da Família Victor Valla, no bairro de Manguinhos, Rio de Janeiro. A necessidade de reconfigurar o currículo da Residência em Medicina de Família e Comunidade da UFRJ e da ENSP foi uma resposta ao desejo de qualificação de um processo de ensino em serviço na Atenção Primária à Saúde, como uma demanda de solidificação do Sistema Único de Saúde (SUS). A metodologia utilizada foi a de construção coletiva por meio de ciclos de oficinas de currículo e ensino com um total de 64 horas de encontros presenciais, entre os meses de janeiro a março de 2014. Valorizou-se uma abordagem participativa na qual uma equipe multiprofissional de dezessete pessoas trabalhou coletivamente em todo o processo de construção do projeto político-pedagógico do currículo. Como resultado foi elaborado um currículo por competência, organizado em oito dimensões, que buscou interseções entre os campos da Medicina de Família e Comunidade, da Saúde Coletiva e da Educação em Saúde. Este artigo traduz, em prospecção, a expectativa de abertura ao diálogo, na esperança de que outros programas de residência também promovam a ressignificação de seus currículos e qualifiquem o debate sobre formação profissional para o SUS.

 


Palavras-chave


Educação em Saúde; Currículo; Residência Médica; Medicina de Família e Comunidade; Educação Médica

Texto completo:

PDF

Referências


AUSUBEL, D.. Educational Psychology: A Cognitive View. New York: Holt, Rinehart & Winston, 1968.

BRAID, L.M.; MACHADO, M.F.; ARANHA, A.C.. Estado de la arte de estudios sobre currículo de cursos de formación de profesionales en la área de la salud: un estudio a partir de artículos publicados entre 2005 y 2011. Interface - Comunic., Saude, Educ., v. 16, n. 42, p. 679-92, 2012.

BRASIL. Ministério da Educação.. Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina. Brasília: Conselho Nacional de Educação, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação.. Lei N. 13.005 de 25 de junho de 2014: Institui o Plano Nacional de Educação 2014-2024, 2014. Disponível em: . Acesso em: 28/10/14.

BRASIL. Ministério Da Saúde.. Histórico de Cobertura do Programa de Saúde da Família. 2014. Disponível em: . Acesso em: 11/10/14.

BRASIL. Ministério da Saúde.. Lei N. 12.871, de 22 de outubro de 2013: Programa Mais Médicos. 2013. Disponível em: . Acesso em: 13/01/15.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência a Saúde. Departamento de Atenção Básica. Histórico de cobertura da Saúde da Família. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/dab/historico_cobertura_sf/historico_cobertura_sf_relatorio.php Acesso em: 12 de dezembro de 2016.

BRITO, D.T.; SIQUEIRA, V.H.. Construção Coletiva e Utilização de Material Instrucional para o Ensino Médico: Uma Proposta de Integração Ensino Servico. Educacion Medica y Salud, v. 27, n. 1, p. 123-135, 1993.

CHIAVERINI, D.; ACIOLI, S.; FIGUEIREDO, GO.. Curso de Especialização

em Saúde da Família: Livro Didático. Rio de Janeiro: CEPESC-UERJ, 2009.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA.. Demografia Médica no Brasil: Cenários e indicadores de distribuição. CFM/CREMESP, v. 2, 2013.

EURACT.. Agenda Educacional do EURACT; 2006 Disponível em: http://www.apmgf.pt/ficheiros/AEE.pdf. Acesso realizado em 03 abr 2015

FERREIRA, M.L.; COTTA, R.M.; OLIVEIRA, M.S.. Construção coletiva de experiências inovadoras no processo ensino-aprendizagem na formação de profissionais da saúde. Rev. Bras. Educ. Med., v. 33, n. 2, p. 240-6, 2009.

FEUERWERKER, L.. Mudanças na educação médica e residência médica no Brasil. Interface - Comun Saúde, Educ. 1998;2(3):51-71.

FIGUEIREDO, G.O.; BRITO, D.T.; BOTAZZO, C.. Ideologia, fetiche e utopia na saúde: uma análise a partir da saúde bucal. Ciência e Saúde Coletiva, v. 8, n. 3, p. 753-763, 2003.

FIGUEIREDO, G.O.; WIMMER, G.F.. Ação Coletiva para a Qualidade de Vida - Autonomia, Transdisciplinaridade e Intersetorialidade. Ciência e Saúde Coletiva, v. 11, n. 1, p. 145-154, 2006.

FREIRE, P.. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1970.

FREIRE, P.. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1997.

GIOVANELLA, L.. Atenção Primária à Saúde seletiva ou abrangente?. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.24, supl.1, p.s21-s23, 2008.

GIROUX, H.. Teoria crítica e resistência em educação: para além das teorias de reprodução. Petrópolis, RJ: Vozes, 1986.

HAGER P.; GONSCI A.; ATHANASOU, J.. General issues about assessment of competence. Assessment & Evaluation in Higher Education. v. 19, n. 1, p 3-15, 1994.

KIDD, M.. The Contribution of Family Medicine to Improving Health Systems: A Guidebook from the World Organization of Family Doctors. CRC Press; 2013.

LIMA, V.; RIBEIRO, E.. Construção de programas de formação baseado em competências: Termo de Referência do projeto ENSP EM MOVIMENTO. Rio de Janeiro: ENSP/ FIOCRUZ, 2003.

MOREIRA, M.A.. Aprendizagem Significativa. 1a. Edição, Brasília, Ed. UnB, 1999

PAIM, J; ALMEIDA-FILHO, N.. A crise da saúde pública e a utopia da saúde coletiva. Salvador: Casa da Qualidade Editora, 2000.

PESSANHA, M.A.; ROMEIRO, E.. Ensp em Movimento: construindo um Programa de Formação orientado por Competência para o Sistema de Saúde/RELATÓRIO FINAL. Rio de Janeiro: OPAS/OMS/ENSP-FIOCRUZ, 2003.

PIAGET, J.. Abstração reflexionante. Porto Alegre: Artmed, 2005.

PINHEIRO, R.; MATTOS, R.A.. Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: IMS/UERJ, 2001.

PIRES FILHO, F.M.. A construção interativa do saber e do fazer acadêmicos: o desafio da prática integral. Tese (doutorado). Niterói: Universidade Federal Fluminense, 1995.

PONKA, D.; ROULEAU, K.; ARYA, N.; REDWOOD-CAMPBELL L, WOOLLARD R, SIEDLECKI B, DUNIKOWSKI L.. Developing the evidentiary basis for family medicine in the global context: The Besrour Papers: a series on the state of family medicine in the world. Can Fam physician. v. 61, n.7 p. 596-600, 2015,

RAMOS, M.N.. A pedagogia das competências: autonomia ou adaptação?. São Paulo: Cortez, 2001.

ROMANO, V.F.. Certificação por competência para o Médico de Família: uma proposta em construção. Tese (Doutorado). Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2006.

SAMPAIO, P.G.. Residência em Medicina de Família e Comunidade: dois programas brasileiros. Dissertação (Mestrado). Rio de Janeiro: ENSP/FIOCRUZ, 2013.

SBMFC - Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade.

Currículo Baseado Em Competências Para Medicina de Família e Comunidade; 2015. Disponível em: http://www.sbmfc.org.br/media/Curriculo%20Baseado%20em%20Competencias(1).pdf. Acesso realizado em 15 dez 2016.

SILVA, T.T.. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

STREIT, D.S.; BARBOSA NETO, F; LAMPERT, J.B.; LEMOS, J.M.C.; BATISTA, N.A. (orgs.). Educação Médica: 10 Anos de Diretrizes Curriculares Nacionais. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Educação Médica, 2012.

TEIXEIRA, D.S.. Residência médica em medicina de família e comunidade no rio de janeiro: o lugar do cuidado na estrutura curricular. [Dissertação]. Rio de Janeiro: NUTES, Universidade Federal do Rio de Janeiro: 2009.

TESSER, C.D. (org.). Medicalização Social e atenção à saúde no SUS. São Paulo: Hucitec, 2010.

VILLELA, F.; ARCHANGELO, A.. Fundamentos da Escola Siginificativa. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

VYGOTSKY, L.S.. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

WONCA - EUROPE. Definition of Family Medicine. Disponível em: http://www.woncaeurope.org/ Acesso realizado em 03 abr 2015.




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2016.25797

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em:

 


A partir da 7ª edição da Revista SUSTINERE (V.4, Nº2, 2016), todos os trabalhos das colunas Artigos, Comportamento e Ambiente, e Ensaios, são submetidos a um exame de confiabilidade através dos serviços do iThenticate, cujos relatórios são analisados pelos editores, para a aprovação da publicação destes.