O uso do Modellus em sala de aula como instrumento motivacional para o estudo de óptica geométrica — um estudo de caso

Alan Freitas Machado, Diego Barbosa Moura, Sergio Ferreira de Lima Lima, Rafael Levy Abel Siqueira, Rodrigo do Amarante Colpo, Thomaz Jacintho Lopes, Claudio Elias da Silva

Resumo


Este trabalho apresenta o resultado de uma pesquisa realizada no Colégio Pedro II - Regional Centro, na cidade do Rio de Janeiro, Brasil. O projeto desenvolvido utiliza o freeware educativo Modellus como instrumento mediador do ensino para promover uma aprendizagem significativa dos conteúdos estudados nas disciplinas de física e matemática, utilizando os conceitos de óptica geométrica (incluindo espelhos plano e esférico) durante as aulas experimentais para a construção de novas referências epistemológicos de “aprender a aprender”. O Modellus tem interface intuitiva e de fácil utilização, permitindo que inúmeras condições experimentais de óptica geométrica possam ser facilmente simuladas, tornando as aulas mais rápidas e dinâmicas do que se fossem utilizados métodos tradicionais de ensino. As abordagens metodológicas utilizadas permitiram análises qualitativas e quantitativas, em um processo em que se utilizou escuta ativa para adaptar os conteúdos e ritmo das aulas ás necessidades dos alunos. Como resultado do projeto, percebemos um aumento da motivação do professor que leciona no ensino médio, tendo ele encontrado no software uma forma mais dinâmica e eficiente para lecionar fenômenos físicos, com múltiplos experimentos gerados em ambiente virtual. Utilizando esta tecnologia, foi possível os alunos observarem fenômenos físicos que antes somente eram vistos em imagens de livros.

 

DOI: http://dx.doi.org/10.12957/sustinere.2015.19629


Palavras-chave


Modelagem computacional; Metodologias ativas; Software educativo; Modellus

Texto completo:

PDF

Referências


ABADE, Luciana. MEC: Programas de inclusão estão entre os maiores do mundo. Jornal do Brasil: País (02/04/2010). Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: . Acesso em: 05 de dezembro de 2015.

AUSUBEL, David Paul; NOVAK, Joseph Donald; HANESIAN, Helen. Educational psychology: A cognitive view. Nova Iorque: Rinehart & Winston Holt, 1968.

BERGE, Zane L..; COLLINS, Mauri P.. Guiding Design Principles for Interactive Teleconference. Berge & Collins Associates (em Internet Archive Wayback Machine – 22/08/2007-06/11/2007). Maine. 1994. Disponível em: < https://web.archive.org/web/20070614234157/http://emoderators.com/papers/augusta.html>. Acesso em: 05 de dezembro de 2015.

OLIVEIRA, Eliana; ENS, Romilda Teodora; ANDRADE, Daniela B. S.; MUSSIS, Carlo Ralph. Análise de conteúdo e pesquisa na área da educação. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 4, n. 9, p. 1-17, 2003. Disponível em: . Acesso em: 29 nov. 2015.

DUARTE, Newton. As pedagogias do “aprender a aprender” e algumas ilusões da assim chamada sociedade do conhecimento. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro. n. 18 p. 35-40 2001. Disponível em: . Acesso em: 20 de outubro de 2015.

MACHADO, Alan Freitas; COSTA, Leonardo de moura. A utilização do software MODELLUS no ensino da Física. Interagir: pensando a extensão. Rio de Janeiro. n. 14, 2009. Disponível em: . Acesso em 15 de outubro de 2015.

TEODORO, Vitor Duarte. Modellus: learning physics with mathematical modelling. Lisboa: Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, 2002. Disponível em: . Acesso em 15 de outubro de 2015.

TEODORO, Victor Duarte; VIEIRA, João Paulo Duque; VIEIRA, Pedro Duque. Modellus v4.5. Lisboa: Modellus, 2015. Software freeware disponível em: < http://modellus.co/index.php/pt/>. Acesso em 29 de novembro de 2015.

TINIO, Victoria L. ICT in Education. Nova Iorque: Information and Communication Technologies (ICT) for Fevelopment, 2003. Disponível em: . Acesso em: 14 de outubro de 2015.




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2015.19629

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em:


A partir da 7ª edição da Revista SUSTINERE (V.4, Nº2, 2016), todos os trabalhos das colunas Artigos, Comportamento e Ambiente, e Ensaios, são submetidos a um exame de confiabilidade através dos serviços do iThenticate, cujos relatórios são analisados pelos editores, para a aprovação da publicação destes.