A educação permanente na formação contínua dos profissionais de enfermagem

Rosa Gomes Ferreira

Resumo


A formação é um processo contínuo e deve estar presente no cotidiano de trabalho e para tal, surge a educação permanente, como pactuação teoria-prática. Nossos objetivos são o de descrever as práticas educativas em saúde, enfatizando a educação permanente e analisar os contrapontos e intersecções à efetividade da assistência, mediante a prática de educação permanente. Estudo qualitativo, descritivo, exploratório. O estudo aponta que a educação permanente emerge como ferramenta capaz de despertar desejo, no trabalhador, em discutir e refletir acerca da prática. No entanto, todas as práticas educativas, tal como a educação continuada, tem valor e penetrância no campo do trabalho.

 

DOI: http://dx.doi.org/10.12957/sustinere.2015.18127


Palavras-chave


Enfermagem; ensino; educação; educação permanente

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. E. B.. Educação a distância na internet: abordagens e contribuições dos ambientes digitais de aprendizagem. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 29, n. 2, p.327-340, 2003. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2015.

BACKES, V. M. S.; SCHMIDT, S. M. S.; NIETSCHE, E. A.. Educação continuada: algumas considerações na história da educação e os reflexos na enfermagem. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 12, n. 1, p.80-88, 2003.

BEZERRA, A. L. Q.. O contexto da educação continuada em enfermagem. São Paulo: Martinari, 2003. 112 p.

BRASIL, MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. . Lei Nº 9.394, de 20 de Dezembro de 1996.: Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 20 dez. 1996. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2015.

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR. Resolução CNE/CES Nº 3, de 7 de Novembro 2001: Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Enfermagem.. Brasília, DF, Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES03.pdf>. Acesso em: 15 dez. 2015.

BRASIL/Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. A Educação Permanente Entra na Roda: pólos de educação permanente em saúde – conceitos e caminhos a percorrer. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2005. 36 p. (Série C. Projetos, Programas e Relatórios). Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2015.

COFEN – CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Resolução Nº 311 de 08 de Fevereiro de 2007: Aprova a reformulação do Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem. Rio de Janeiro, 8 fev. 2007. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2015.

DAVINI, M. C. (Org.). Educación permanente en salud. Washington: Organización Panamericana de La Salud, 1995. 120 p. (Serie PALTEX para Ejecutores de Programas de Salud). Disponível em: < http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/173954/1/Educacion%20permanente%20en%20salud.pdf >. Acesso em: 15 dez. 2015.

FERNANDES, C. N. S.. Refletindo sobre o aprendizado do papel de educador no processo de formação do enfermeiro. Revista Latino-americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 12, n. 4, p.691-693, 2004. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2015.

FERRAZ, F.; BACKES, V. M. S.; MERCADO-MARTÍNEZ, F. J.; M. L.,PRADO. Políticas e programas de educação permanente em saúde no Brasil: revisão integrativa de literatura. Saúde & Transformação Social, Florianópolis, v. 3, n. 2, p.113-128, 2012. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2015.

FREIRE, P.. Pedagogia do oprimido. 12. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

GEIB, L. T. C. et al. A tutoria acadêmica no contexto histórico da educação. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 60, n. 2, p.217-220, abr. 2007. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2015.

GONÇALVES, S.. O Trabalho e Sua Origem. In: GONÇALVES, S.. Motivação: uma trilha para o sucesso. Itapetininga: Editora FII, 2005. p. 21-22.

LERVOLINO, S. A.; PELICIONI, M. C. F.. A utilização do grupo focal como metodologia qualitativa na promoção da saúde. Revista da Escola de Enfermagem da Usp, São Paulo, v. 35, n. 2, p.115-121, 2001. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2015.

MINAYO, M. C. S.. O desafio do conhecimento. 4. ed. São Paulo: Hucitec, 1996. 408 p.

OLIVEIRA, F. M. C. S. N.; FERREIRA, E. C.; RUFINO, N. A.; SANTOS, M. S. S.. Educação permanente e qualidade da assistência à saúde: aprendizagem significativa no trabalho da enfermagem. Aquichán, Bogotá, v. 11, n. 1, p.48-65, abr. 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2015.

ORGANIZACIÓN PANAMERICANA DE LA SALUD/ ORGANIZACIÓN MUNDIAL DE LA SALUD. División de desarrollo de sistems y servicios de salud (HSP). Programa de desarrollo de recursos humanos (HSR). El desafio educativo de las reformas sectoriales: câmbios em la capacitación y la capacitación em salud. Buenos Aires: Organización Panamaricana de La Salud, 1997. 38 p. (Serie Desarrollo de Recursos Humanos).

PIAZZA, M.; RAMOS, B.J.; OLIVEIRA, S.N.; PRADO, M. L.; MASSAROLI, A.; ZAMPROGNA, K. M.. Educação permanente em unidades de pronto atendimento 24 horas: necessidade e contribuição à enfermagem. Journal Of Nursing And Health, Pelotas, v. 5, n. 1, p.47-54, 2015. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2015.

RIBEIRO, E. C. O.; MOTTA, J. I. J.. Educação permanente como estratégia na reorganização dos serviços de saúde. Divulgação em Saúde Para Debate, Londrina, v. 12, , p.39-44, 1996. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2015.

PIRES, D. Novas formas de organização do trabalho em saúde e enfermagem. Rev Baiana Enfermagem. Salvador, v.13, n.½, p. 83-92, 2000.

SILVA, A. A. Formação em saúde: representações de acadêmicos sobre metodologias ativas de ensino e aprendizagem. Cadernos da Fucamp. Campinas, v.14, n.21, p.120-138, 2015. Disponível em: < http://www.fucamp.edu.br/editora/index.php/cadernos/article/viewFile/607/433>. Acesso em: 15 dez. 2015.

SILVA, L. S.; FURTADO, L. A. R.. Educação permanente em saúde e estratégia de saúde da família: Revisão integrativa. Revista Uniabeu, Berford-roxo, v. 8, n. 19, p.305-320, ago. 2015. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2015.




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2015.18127

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em:


A partir da 7ª edição da Revista SUSTINERE (V.4, Nº2, 2016), todos os trabalhos das colunas Artigos, Comportamento e Ambiente, e Ensaios, são submetidos a um exame de confiabilidade através dos serviços do iThenticate, cujos relatórios são analisados pelos editores, para a aprovação da publicação destes.