Dengue, Chikungunya e Ebola: viroses ambientais

Thereza Cristina Ferreira Camello

Resumo


DOI: 10.12957/sustinere.2014.14122

Várias viroses emergentes ou reemergentes podem ser veiculadas por mosquitos. Aedes aegypti e Aedes albopictus, os mesmos que transmitem o vírus da dengue e da febre amarela, podem disseminar o vírus Chikungunya que este ano no Brasil já fez cerca de 1000 casos confirmados. A doença tem parâmetros semelhantes aos da Dengue, e embora a taxa de letalidade seja muito baixa, sequelas podem permanecer no individuo por um ano. Em 2014 a partir de setembro o mundo observou perplexo a ressurgência de um vírus hemorrágico letal, em uma das piores epidemias já ocorridas no continente africano. O vírus Ebola atingiu mais de 6000 pessoas. Estudos no sentido de melhorar as estratégias de contenção da disseminação de vetores e dos vírus devem ser estabelecidas, enquanto aguardamos a produção de vacinas eficazes. O mundo não é imune a uma infecção endêmica, localizada no interior de um continente e não estamos preparados para atender uma demanda deste porte.


Palavras-chave


Epidemias, Viroses, Dengue, Chikungunya, Ebola.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2014.14122

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em:


A partir da 7ª edição da Revista SUSTINERE (V.4, Nº2, 2016), todos os trabalhos das colunas Artigos, Comportamento e Ambiente, e Ensaios, são submetidos a um exame de confiabilidade através dos serviços do iThenticate, cujos relatórios são analisados pelos editores, para a aprovação da publicação destes.