BRUNA E A GALINHA DANGOLA: UMA PROPOSTA DE VALORIZAÇÃO DA CULTURA AFRICANA NA EDUCAÇÃO INFANTIL, ATRAVÉS DA LITERATURA

Sylvia Soares de Souza

Resumo


Este artigo é um recorte de minha dissertação intitulada: Personagens negras[i] (XXXXX, 2019) na qual analiso três obras literárias com protagonistas negras como propostas de reeducação das relações raciais na educação infantil. Para este trabalho, abordaremos especificamente a obra Bruna e a Galinha D´Angola (ALMEIDA, 2012) que tematiza a cultura africana. A investigação se dá em diálogo com a Lei 10.639/03, assim como, com as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil (2010). Destaco, também, os referenciais teóricos de interseccionalidade dos feminismos negros e decoloniais, problematizando, raça, gênero e classe tanto na literatura, quanto na educação infantil e no mercado editorial.


[i] Título e referências da dissertação fictícios para evitar a identificação do autor.


Palavras-chave


Reeducação das relações raciais; Cultura africana; Literatura; Educação infantil.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, G. Bruna e a Galinha D´Angola. - Rio de Janeiro: Pallas, 2012.

AMARO, V. Entrevista Editora Malê. Disponível em: http://www.letras.ufmg.br/literafro/editoras/1034-editora-male-entrevista-com-vagner-amaro. Acesso em 19/04/2019.

ARAÚJO, D. Literatura Infanto-juvenil e Política Educacional: Estratégias de Racialização no Programa Nacional de Biblioteca da Escola (PNBE). Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal do Paraná (UFPR), 2015.

BRASIL, Lei das Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 1996.

_______. Lei 10639. de 9 de janeiro de 2003.

_______. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações étnico-raciais para o ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. 2004.

___________________________. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB, 2010.

___________________________. História e cultura africana e afro-brasileira na educação infantil. 2014.

___________________________. Literatura na Educação Infantil, acervos, espaços e mediações. 2014. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=36771-seminario-ebook-versao-impressao-pdf&category_slug=marco-2016-pdf&Itemid=30192

__________________________. Parâmetros curriculares nacionais – Pluralidade cultural. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/pluralidade.pdf. Acesso em: 9/3/2019

COELHO, N. N. Literatura infantil: teoria, análise e didática. Rio de Janeiro: Editora Moderna, 2000.

COLLINS, P. Aprendendo com a outsider within*: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Revista Sociedade e Estado: Brasília. 2016

COLOMER, T. A formação de Leitor Literário: narrativa infantil e juvenil atual. Editora Global: São Paulo. 2003.

CORSINO, P. Leitura Literária na escola e produção de sentido. 2014.

Disponível em http://www.uece.br/endipe2014/ebooks/livro1/310-%20LEITURA%20LITER%C3%81RIA%20NA%20ESCOLA%20E%20PRODU%C3%87%C3%83O%20DE%20SENTIDO.pdf. Acesso em 05/05/2019

COUTINHO, E. Discurso literário e construção da identidade brasileira. Légua & meia: Revista de literatura e diversidade cultural. Feira de Santana: UEFS, n°1, 2002, p. 54-63.

DALCASTAGNÈ, R. Entre silêncios e estereótipos: relações raciais na literatura brasileira contemporânea. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, nº. 31. Brasília, janeiro-junho de 2008, pp. 87-110.

EVARISTO, C. Ponciá Vicêncio. Belo Horizonte: Mazza, 2003.

_____________. Da representação à Auto-representação da mulher negra na Literatura Brasileira. Revista Palmares set-2005, 2005. Disponível em: http://www.palmares.gov.br/sites/000/2/download/52%20a%2057.pdf. Acesso em 25/04/2018

FARINA, M. Psicodinâmica das cores em comunicação. Editora Blucher: São Paulo, 2011.

FELISBERTO, F. Escrevivências na diáspora: escritoras negras, produção editorial e suas escolhas afetivas, uma leitura de Carolina Maria de Jesus, Conceição Evaristo, Maya Angelou e Zora Beale Hurston. 2011. Disponível em: https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UERJ_89c204c7ba61de7a1c1bba95423618b3.

Acesso em 10/04/2019.

GOUVEA, M. C. Imagem do negro na Literatura infantil brasileira: análise historiográfica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 1, p. 79-91, jan./abr. 2005.

hooks, b. Vivendo de amor Disponível em: https://www.geledes.org.br/vivendo-de-amor/. Acesso em 07/2/2019.

MARTINS, C. Nanã: a senhora dos primórdios, Rio de Janeiro: Editora Pallas, 2011.

MATSUDA, M. “Beside My Sister, Facing the Enemy: Legal Theory out of Coalition”. Stanford Law Review, v. 43, n. 6, jul., 1991, pp. 1183-1192. Disponível em: https://www.scribd.com/document/313908659/MATSUDA-Mari-Besides-My-Sister-Facing-the-Enemy. Acesso em 12/02/2019.

PEREIRA, A. Por uma autêntica democracia racial: os movimentos negros nas escolas e nos currículos de história, Revista História. Hoje, v. 1, nº 1, p. 111-128 – 2012. Disponível em: https://rhhj.anpuh.org/RHHJ/article/view/21/25. Acesso em 25/04/2019.

RIBEIRO, D. O que é lugar de fala? / Djamila Ribeiro. Belo Horizonte (MG): Letramento: Justificando, 2017.

SILVA, F. A presença da ancestralidade em narrativas de Conceição Evaristo e Mia Couto. Cadernos CESPUC de Pesquisa Série Ensaios, n. 32, p. 78-92, 12 abr. 2018.

TRINDADE, A. “Os valores civilizatórios e a Educação Infantil: uma contribuição afro-brasileira”. In: BRANDÃO, Ana Paula; TRINDADE, Azoilda Loretto da. (Org.). “Saberes e Fazeres”, vol.5: Modos de Brincar. Rio de Janeiro: Fundação Roberto Marinho, 2010.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2021.55288

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: