RACHAR E DESPENCAR O CORPO-TERRITÓRIO

Eduardo Oliveira Miranda

Resumo


O presente texto tem a sua tessitura a partir de provocações sobre a constituição do corpo-território (MIRANDA, 2014; 2019) do autor e como o ato de pesquisar tem sido uma das ramificações das colonialidades dentro da universidade. Para tal, inicia-se o texto com as provocações sobre as potências, imanências, lacunas e possibilidades do corpo no campo social e da educação. Nesse cenário, o autor mescla uma narrativa da sua experiência no transito pelo doutorado e a descoberta do dispositivo metodológico denominado de Sociopoética (GAUTHIER, 2014), a qual se estrutura em cinco princípios e exige um fazer ciência de corpo todo. Portanto, o autor deste texto sentiu a necessidade de ser atravessado pela Sociopoética e participou de um PERCURSO. Em seguida traz uma proposição decolonial batizada de Encruzilhada do Desenho Singular.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2021.54972

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: