CORPOS DAS MARGENS E OUTRAS PEDAGOGIAS POSSÍVEIS

Edson Mendes da Silva Júnior, Fernando Seffner

Resumo


O texto se propõe pensar nas condições dadas em uma sala de aula como local de produção de pedagogias vitais. Pensa essa possibilidade a partir de impressões e acontecimentos coletados na etnografia de cenas da cultura escolar. Toma as situações que envolvem a deficiência e os corpos ditos deficientes, em sua relação com os supostos normais. Para dar conta da tarefa, estabelecemos reflexões sobre cultura escolar, currículo, escola, culturas juvenis, e fazemos também um histórico da emergência e percurso da categoria da deficiência, especialmente articulada com os chamados modelo médico e modelo social. São apresentadas e analisadas as principais políticas públicas que articulam o campo da educação com a deficiência. Concluímos com a análise de uma cena escolar que sintetiza essas possibilidades.


Palavras-chave


Corporalidades. Deficiência. Modelos de deficiência. Cultura escolar. Educação.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. Corpo, acontecimento e diferença: Deleuze e Guattari e a historiografia. História Unisinos, São Leopoldo, 24(1):149-156, Janeiro/Abril 2020 Disponível em http://revistas.unisinos.br/index.php/historia/article/view/hist.2020.241.13 Acesso em 20 de julho de 2020

ARROYO, Miguel. Currículo, território em disputa. Petrópolis, Vozes, 2011

AUGUSTIN, I. Modelos de deficiência e suas implicações na educação inclusiva. In. Anais da IX Anped Sul, Caxias do Sul, 2012.

BAMPI, L. N. S.; GUILHEM, D.; ALVES, E. D. Modelo social: uma nova abordagem para o tema deficiência. Rev. Latino-Am. Enfermagem [online]. 2010, vol.18, n.4, pp.816-823. ISSN 1518-8345.

BARBOSA-FOHRMANN, A. P. Os modelos médico e social de deficiência a partir dos significados de segregação e inclusão nos discursos de Michel Foucault e de Martha Nussbaum. 2 Journal of Institutional Studies, vol. 2, 2, 2016.

BRASIL. Decreto nº 6.094, de 24 de abril de 2007. Dispõe sobre a implementação do Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação, pela União Federal, em regime de colaboração com Municípios, Distrito Federal e Estados, e a participação das famílias e da comunidade, mediante programas e ações de assistência técnica e financeira, visando a mobilização social pela melhoria da qualidade da educação básica. Brasília, 2007

BRASIL. Decreto nº 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Brasília, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. LDB nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. LDB nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Lei nº. 7.853, de 24 de outubro de 1989.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial. Brasília: MEC/SEESP, 1994.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Decreto nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999.

BRASIL. Ministério da Educação. SEESP. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. SEESP. Programa Educação Inclusiva: direito à diversidade. Brasília: MEC, 2001. 138

CHATEAU, L. F. A. A associação da expressão necessidades especiais ao conceito de deficiência. Cadernos de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento, São Paulo, v.12, n.1, p. 65-71, 2012.

DEVANDAS, C. Proyecto Sur. Trabalho apresentado na 2ª Reunião do Proyecto Sur. Nova York, 2006. Não publicado

DINIZ, D. O que é deficiência. Coleção Primeiros Passos. São Paulo: Editora Brasiliense, 2007.

DINIZ, D.; BARBOSA, L.; SANTOS, W. R. Deficiência, direitos humanos e justiça. Sur, Rev. int. direitos human.[online]. 2009, vol.6, n.11, pp.64-77. ISSN 1806-6445.

FIGUEIRA, E. Caminhando em silêncio: uma introdução a trajetória das pessoas com deficiência na história do Brasil. São Paulo: Giz Editora, 2008.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade I: A vontade de saber. RIO DE JANEIRO, GRAAL, 1988.

FRANÇA, T. H. Modelo social de deficiência: uma ferramenta sociológica para a emancipação social. Revista Lutas Sociais, v. 17, n. 31, 2013.

GAIO, R. Para além do corpo deficiente: histórias de vida. Jundiaí: Fontoura, 2006.

GENTILI, Pablo; SILVA, Tomaz Tadeu (Orgs.). Neoliberalismo, qualidade total e educação. Visões críticas. Petrópolis, Vozes, 1995.

GOELLNER, Silvana Vilodre. Corpo: (re)pensando entendimentos, articulações e possibilidades. Revista Diversidade e Educação, Rio Grande/RS, v.3 n.5 janeiro/junho 2015, p. 4-7 Disponível em http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/pdf/revista_diversidade_educacao_5.pdf Acesso em 20 de julho de 2020

HOBSBAWM, Eric. 1. Introdução A Invenção das Tradições. In.: HOBSBAWM, Eric & RANGER, Terence (orgs.). A invenção das tradições. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1984 p. 9-23.

LAVAL, Christian. A Escola não é uma empresa. O neoliberalismo em ataque ao ensino público. Londrina, Editora Planta, 2004.

LOURO, G. P. Pedagogias da sexualidade. In. LOURO, Guacira Lopes. O Corpo Educado Pedagogias da Sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 1999 p. 7-34

MAZZOTTA, M. J. S. Educação especial no Brasil: história e políticas públicas. São Paulo: Cortez, 1996.

MELLO, A. G.; NUERNBERG, A. H. Gênero e deficiência: interseções e perspectivas. Estudos Feministas, Florianópolis, 20(3): 384 setembro-dezembro, 2012.

MELLO, A. G.; NUERNBERG, A. H.; BLOCK, P. Não é o corpo que nos discapacita, mas sim a sociedade: a interdisciplinaridade e o surgimento dos estudos sobre deficiência no Brasil e no mundo. In. SCHIMANSKI, E. D.; CAVALCANTE, F. G. (Orgs.). Pesquisa e extensão. Experiências e Perspectivas interdisciplinares. Editora UEPG: Ponta Grossa, ano. 2014, 1ª ed., 260p.

MENDES JÚNIOR, E. Entre o fisiológico e o social: modelo médico e modelo social nas pesquisas sobre sexualidade da pessoa com deficiência. 2018. 175 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018.

MENDES JÚNIOR, E. Alunos de escolas especiais: trajetórias na rede municipal de ensino de Porto Alegre. 2013. 150 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

MENDES JÚNIOR, E.; SEFFNER, F.. Conexões entre sexualidade e deficiência são desafios para pensar escola diversa e inclusiva. Revista de Estudos Interdisciplinares, v. 2, p. 86-106, 2020.

MENDES JÚNIOR, E.; TOSTA, E. I. L. 50 Anos de Políticas de Educação Especial no Brasil: Movimentos, Avanços e Retrocessos. In. Anais do IX Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul da Associação Nacional de Pós-Graduação em Educação. Caxias do Sul, RS, 2012.

MONTANARI. F. A. O Conceito de Deficiência na Convenção da ONU sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Revista Reação. São Paulo: Edição nº 94, 2013.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Classificação internacional de impedimentos, deficiências e incapacidades. Genebra: OMS, 1980.

RECHINELI, A.; PORTO, E. T. R.; MOREIRA, W. W. Corpos deficientes, eficientes e diferentes: uma visão a partir da educação física. Rev. bras. educ. espec. [online]. 2008, vol.14, n.2, pp.293-310. ISSN 1413-6538.

RODRIGUES, N. Artigo 5: Igualdade e não-discriminação. In: Joelson Dias, et al. (Orgs.). Novos Comentários à Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. 3ª ed. Brasília, DF: Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, 2014.

SANTOS, W. Assistência social e deficiência no Brasil: o reflexo do debate internacional dos direitos das pessoas com deficiência. Serv. Soc. Rev., Londrina, v. 13, n.1, p. 80-101, jul/dez. 2010.

SANTOS, W. Deficiência, desigualdade e assistência social: o Brasil e o debate Internacional. In. Diniz, D. (Org). Deficiência e Descriminação. Letras Livres: Brasília, 2010. P. 117-141.

SASSAKI, R. K. Por Falar em Classificação de Deficiências. Revista Brasileira de Tradução Visual. v. 12, n. 12, 2012. Disponível em: Acesso em: junho de 2016.

SASSAKI, Romeu Kazumi. Causa, impedimento, deficiência e incapacidade, segundo a inclusão. Revista Reação, São Paulo, ano XIV, n. 87, jul./ago. 2012, p. 14-16.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. Belo Horizonte, Autêntica, 2010

SILVA JÚNIOR, E. M.; Baptista, C. R. Trajetórias Construídas em Escolas Especiais: da crença em uma educação inclusiva à transitoriedade restrita. Revista Políticas Educativas. v. 6, n. 1 (2012): Dossiê: Políticas Curriculares, 2012.

SEFFNER, Fernando. Sempre atrás de um buraco tem um olho: racionalidade neoliberal, autoritarismo fundamentalista, gênero e sexualidade na Educação Básica. PRÁXIS EDUCATIVA (UEPG. ONLINE), v. 15, p. 1-19, 2020. Disponível em https://www.revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa/article/view/15010 Acesso em 2 de junho de 2020

SEFFNER, Fernando & MOURA, Fernanda Pereira de. Percurso escolar, pluralismo democrático e marcadores sociais da diferença: necessárias negociações. Linguagens, Educação e Sociedade, Teresina, UFPI, ano 24. nº 41, p. 191-219, jan/abr 2019. Disponível em https://www.ojs.ufpi.br/index.php/lingedusoc/article/view/8747 Acesso em 20 de agosto de 2020

SEFFNER, Fernando. Ocupar é viver a escola. In: CATTANI, Antonio David. (Org.). Escolas Ocupadas. Porto Alegre, Editora CirKula, 2017, p. 13-40.

WERNECK, C. Modelo médico x modelo social da deficiência. In. Manual da mídia legal 3: comunicações pela saúde. Escola de Gente – Rio de Janeiro: WVA Editora, 2004.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2021.54870

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: