ECOS DE UM CORPO (DES)VIADO

Nadson Fernando Nunes da Silva, Maria dos Remedios de Brito

Resumo


 

Resumo: A escrita compõe-se sobre as marcas vivas do corpo, buscando as linhas de fuga para pensar a educação e a sexualidade em seu percurso experimental, sendo o mesmo fio condutor metodológico que infiltra as paredes educacionais por uma nova imagem de corpo-professor, apontando para a ideia de que os vazamentos ocasionados agem nas experimentações corporais que deslocam o corpo-masculino dos lugares convencionais e o aproximam do corpo-devir-viado. Esse processo se localiza dentro da minha experiência como professor de ciências, trazendo o corpo como ação inventiva, que se desloca para reconfigurar olhar e adentrar a estética da sensibilidade por uma educação-movediça, (re) criando novas conexões para afirmar o lugar do corpo-professor, viado, amazônico, incorporando modos de (r)existência.


Palavras-chave


Corpo; Filosofia da diferença; Docência-(des) viado; Educação.

Texto completo:

PDF

Referências


AURÉLIO, O minidicionário da língua Portuguesa. 4° ed. Rev. Ampliada do minidicionário Aurélio, Rio de Janeiro, 2002.

AQUINO, J. G. A escrita como modo de vida: conexões e desdobramentos Educacionais. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.37, n.3, 2011, p. 641- 656.

BUTHER, J. Problema de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução Renato Aguiar- Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2003. 235 p.

BRITO, M. dos R. de. A escrita-devir como experimentação: para uma cartografia de si. Formação e docência: perspectiva da pesquisa narrativa e autobiográfica. (Orgs.) Silvia Nogueira Chaves; Maria dos Remédios de Brito, Ed: CEJUP, Belém, 2011. 255 p.

CALDA, R. B. C.; FERNANDES, J. G. dos S. As pedras do meu lugar: uma incursão nos nomes de lugares com itá na Amazônia oriental. Linguística, n 1, 2015.

CÉSAR, M. R. de A. A (des)educação do corpo ou o pequeno desfile dos corpos contemporâneos e seus lugares da transgressão. Anais do XXIV Simpósio Nacional de História, São Paulo, 2007.

DELEUZE, G.; PARNET, C. Diálogos. Tradução Eloisa Araújo Ribeiro, São Paulo: Escuta, 1998. 180 p.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs - capitalismo e esquizofrenia, Vol. 1. Tradução de Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa, Rio de janeiro, Ed. 34, 1995. 94 p.

___________. Mil platôs - capitalismo e esquizofrenia Vol. 3. Tradução de Aurélio Guerra Neto et al, 34 ed. Rio de Janeiro, (Coleção TRANS), 1996.

___________¬. O Anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia 1. Tradução de Luiz B. L. Orlandi, São Paulo: Ed. 34, 2010. 560 p.

___________¬. Kafka: por uma literatura menor. Tradução Júlio Castañon Guimarães, Rio de Janeiro: Imago, 1977.

DELEUZE, G. A literatura e a vida. In¬¬¬¬¬¬¬¬__________ Critica e Clínica. Tradução Peter Pál Pelbart, Coleção TRANS, 34 ed. São Paulo, 1971. 176 p.

___________¬. Foucault. Tradução Claudia Sant’Anna Martins, São Paulo, Editora Brasiliense, 2005. 142 p.

___________¬. A ilha deserta e outros textos. Editora Iluminuras, 2004.

DOEL, M. Corpos sem órgãos: esquizoanálise e desconstrução. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. Nunca fomos humanos: nos rastros do sujeito, Belo Horizonte: Autêntica, 2001, p. 77- 110.

CARROLL, L. Alice no país das Maravilhas. Tradução Clélia Regina Ramos. São Paulo, 2002.

CÉSAR, M. R. de A. A (des)educação do corpo ou o pequeno desfile dos corpos contemporâneos e seus lugares da transgressão. Anais do XXIV Simpósio Nacional de História, São Paulo, 2007.

FOUCAULT, M. A hermenêutica do sujeito: Curso dado no College de France (1981-1982). Tradução Márcio Alves da Fonseca; Salma Tannus Muchail, ed. 2, São Paulo: Martins Fontes, 2006.

___________¬. A escrita de si. In: Ética, sexualidade e política. Tradução: Elisa Monteiro Inês Autran Dourado Barbosa Rio de Janeiro: Forense Universitária, Ditos e Escritos V, 2004, p. 146-162.

___________¬. O que é um autor. In. ____________ Ditos e Escritos: Estética, literatura e pintura, música e cinema, Rio de Janeiro, Forense Universitária, 2001. P. 264- 298.

___________¬. História da sexualidade I: a vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque, 13 ed. Rio de Janeiro, Edições Graal, 1988. 125 p.

GUATTARI, F.; RONILK, S. Micropolítica: Cartografias do Desejo. Editora: vozes, Ed. 4°, Petrópolis, 1996. p.11- 327

GUATTARI, F. Revolução molecular: pulsações políticas do desejo. Tradução: Suely Belinha Rolnik, 2 ed. São Paulo, Editora Brasiliense, 1985.

GREINER, C. Os novos estudos do corpo para repensar metodologias de pesquisa. Ciências e Artes, Caxias do Sul, v. 1, n. 1, 2011.

KAFKA, F. A metamorfose. Tradução: Modesto Carone, São Paulo: Companhia das letras, 1997.

LOURO, G. L. Corpo, escola e identidade. Educação & Realidade, v. 25, n. 2, 2000. 75 p.

___________¬. Teoria queer: uma política pós-identitária para a educação. Estudos feministas, n. 2, 2001, p. 541- 553.

MATOS, D. de O. Performe como texto, escrita como pele. Tese apresentada a banca examinadora da Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2013. 196 p.

MISKOLCI, R. Corpos elétricos: do assujeitamento à estética da existência. Estudos Feministas, Florianópolis, 14(3): 272, 2006, p. 681- 693.

___________¬. A teoria queer e a sociologia: o desafio de uma analítica da normalização Sociologias, Dossiê Sociologias, Porto Alegre, ano 11, nº 21, 2009, 150-182 p.

NIETZSCHE, F. Assim Falou Zaratustra. Tradução: José Mendes de Sousa. 2002.

NEGRINI, C. A. O corpo como campo de batalha: Resistências contemporâneas. Dissertação de Mestrado apresentado ao Programa de Pós-Graduação em Educação, Arte e História da Cultura da Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2017, 83 p.

PEREIRA, P. P. G. Corpo, sexo e subversão: reflexões sobre duas teóricas queer. Dossiê Comunicação Saúde Educação, v.12, n.26, 2008, p. 499- 512.

PRECIADO, B. Manifesta contrassexual: Praticas subversivas de identidade sexual. Tradução de Maria Paula Gurgel Ribeiro, n 1, São Paulo, Edições, 2014. 223 p.

___________¬. Multidões queer: notas para uma Política dos “anormais”. Tradução: Cleiton Zóia Münchow e Viviane Teixeira Silveira. Estudos Feministas, Florianópolis, 2011, p. 11-20.

PRIGOGINE, I. Ciência, Razão e Paixão. (Orgs) Edgard de Assis Carvalho; Maria da Conceição de Almeida, 2 ed., São Paulo, Editora Livraria da Física, 2009.

ROSA, R. M. da.; LIMA, P. de M. O corpo docente masculino: suas variações e (in)conformidades. Rev. Educação, Santa Maria, v. 38, n. 1, 2013, p. 123- 136.

ROSA, R. M. da. Corpos híbridos: experiencias, narrativas de si e (des)construção das masculinidades no magistério. Dissertação apresentada como requisito parcial a obtenção do grau de mestre em educação pela Universidade de Santa Catarina/ UDESC, Florianópolis, 2009, p. 11- 111.

ROSE, N. Inventando nossos eus. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. Nunca fomos humanos: nos rastros do sujeito, Belo Horizonte: Autêntica, 2001, p. 137- 204.

SALLES, N. Antonin Artaud: o corpo sem órgãos. Periódico do Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas, O percevejo online, v. 02, n 01, 2010.

SILVA, R. G.; VALENÇA, K. M. Corpos efeminados na escola: a subalternidade em um espaço excludente. Revista Cadernos de Estudos e Pesquisa Básica, Recife, n. 1, 2016. p. 36-50.

SCHERER, R. Deleuze e a questão homossexual: uma via não platônica da verdade. Tradução Eliana Aguiar, Lugar comum, n 7, 2016. p. 135-163.

SCHÖPKE, R. Corpo sem órgãos e a produção da singularidade: A construção da máquina de guerra nômade. Rev. Filos., v. 29, n. 46, 2017. p. 285- 305.

TAKARA, S. Uma pedagogia bicha: homofobia, jornalismo e educação. Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá, como requisito para a obtenção do título de Doutor em Educação, Maringá, 2017, 177 p.

ZAMBONI, J. Cartografias Bicha. I Seminário Internacional Fazendo Gênero. (Anais Eletrônicos), n 10, Florianópolis, 2013.

___________¬. Educação bicha: Uma a(na[l] rqueologia da diversidade sexual. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Educação, 2016. 104 p.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2021.54627

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: