AMBIÊNCIAS FORMATIVAS EM TEMPO DE NOVAS EDUCAÇÕES: O QUE APRENDEMOSENSINAMOS COM A PANDEMIA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2020.52284

Palavras-chave:

Aprendizagem, Covid-19, Educação tecnológica

Resumo

O presente artigo se propõe a investigar e mapear algumas práticas de aprendizagemensino com o uso da mediação tecnológica em rede no cotidiano de um grupo de alunos da disciplina Eletrônica Digital de uma Escola Técnica na Zona Norte do Rio de Janeiro durante um período da pandemia do COVID-19. As atividades foram desenvolvidas através do uso de um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) baseado no Moodle e de interfaces de web conferência. Dessa forma, procuramos problematizar algumas questões a respeito da cultura contemporânea, como rede educativa.  Ao trazermos como dispositivos de pesquisa o WhatsApp e o Moodle encontramos nas conversas a possibilidade de articulação e ressignificação de novas práticas cotidianas nos espaços e nos tempos escolares.

Biografia do Autor

Luis Henrique Monteiro de Castro, Fundação de Apoio á Escola Técnica

Mestre em Ensino de Física pela UNIRIO, Graduado em Tecnologia em Sistemas da Computação pela UFF, Graduado em Licenciatura em Técnicas Industriais pela FABES. Atua profissionalmente como Professor efetivo na Escola Técnica Ferreira Viana (ETEFEV) vinculada à Fundação de Apoio à Escola Técnica do Estado do Rio de Janeiro (FAETEC). Vinculado à Fundação de Estudos do Mar (FEMAR) atua como Encarregado da Divisão de Capacitação Profissional do Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro. Membro do Grupo de Pesquisa Educiber (UERJ).

Rosemary dos Santos, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Formada em Letras e Pedagogia. Doutora e Mestre em Educação pela UERJ. Professora Adjunta do Departamento de Formação de Professores da Faculdade de Educação da Baixada Fluminense (FEBF-UERJ). Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação- Proped na Linha de Pesquisa Cotidianos, Redes Educativas e Processos Culturais. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas (PPGECC) na Linha de Pesquisa:Educação, Comunicação e Cultura. Vice-coordenadora do GPDOC - Grupo de Pesquisa Docência e Cibercultura. Líder do EduCiber ( Grupo de Pesquisa Educação e Cibercultura) Parecerista Ad Hoc do GT 16, Educação e Comunicação, da ANPED. Parecerista Ad Hoc do ENDIPE ( Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino). Atuou 26 anos como professora da Educação Básica no Município de Duque de Caxias, RJ. Atua na área de Educação, com destaque nas seguintes áreas: Educação. Pesquisa. Cibercultura. Formação de Professores. Currículo. Periferias Urbanas. Educação Básica.

Referências

ALVES, Nilda; OLIVEIRA, Inês Barbosa de Oliveira. Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas: sobre redes de saberes. Petrópolis: DP et al, 2008.

ALVES, A., PORTO, C.; OLIVEIRA, K. Educação online mediada pelo WhatsApp: mapeando rastros e controvérsias de alunos à luz da teoria ator-rede. In: Rev. Diálogo Educacional, Curitiba, v. 18, n. 56, p. 164-185, jan./mar. 2018

BACICH, L.; TANZI NETO, A.; TREVISANI, F. de M. (Org.). Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

BRASIL. Despacho do Ministro da Educação. Brasília: Diário Oficial da União. Publicado em 18 de outubro de 1996, seção 1, p. 32.

______. Ministério da Educação – Conselho Nacional de Educação – Conselho Pleno. Parecer CNE/CP nº 5/2020 - Reorganização do Calendário Escolar e da possibilidade de cômputo de atividades não presenciais para fins de cumprimento da carga horária mínima anual, em razão da Pandemia da COVID-19. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=145011-pcp005-20&category_slug=marco-2020-pdf&Itemid=30192 >. Acesso em 10 jun. 2020.

CARVALHO, Felipe da Silva Ponte. Atos do Currículo na Educação Online. Rio de Janeiro, 2015. Dissertação (Mestrado em Educação) – ProPed/Uerj.

CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano: vol.1. Artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 2014.

CGI.br/NIC.br, Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br), Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nos domicílios brasileiros - TIC Domicílios, 2018. Disponível em: < >. Acesso em 14 jun. 2020

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2018. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br>. Acesso em 10/06/2020.

______. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2017. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br>. Acesso em 10/06/2020

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

OKADA, Alexandra; OKADA, Saburo; SANTOS, Edméa (2008). CoLearn: ciberconferência e cibermapeamentopara aprendizagem colaborativa aberta em cibercomunidades. In: II Simpósio Nacional da ABCiber – Associação Brasileira de Pesquisadores em Cibercultura. São Paulo: ABCIBER2008, 2008.

______; SANTOS, E. A construção de ambientes virtuais de aprendizagem: por autorias plurais e gratuitas no ciberespaço. In: Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação, XXIII, Poços de Caldas: ANPED, 2003.

PRETTO, N. Reflexões: ativismo, redes sociais e educação. Salvador: EDUFBA, 2013.

RIBEIRO, M. R. F.; CARVALHO, F. S. P.; SANTOS, R. dos. Ambiências híbridas-formativas na educação online: desafios e potencialidades em tempos de cibercultura. In: Revista Docência e Cibercultura. Rio de Janeiro: 2018

SANTOS, Edméa. EAD, palavra proibida. Educação online, pouca gente sabe o que é. Ensino remoto, o que temos para hoje. Mas qual é mesmo a diferença? #livesdejunho... Disponível em: <https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/re-doc/announcement/view/1119>. Acesso em 21 jun. 2020.

______. Pesquisa-formação na cibercultura. Teresina: EDUFPI, 2019.

______. Educação online para além da EAD. In: Actas do X Congresso Internacional Galego-Português de Psicopedagogia. Braga: Universidade do Minho, 2009.

SANTOS, Rosemary; RIBEIRO, Mayra R. F.; CARVALHO, Felipe S. P. Educação Online: aprenderensinar em rede. In: SANTOS, Edméa O.; PIMENTEL, Mariano; SAMPAIO, Fábio F. (org.). Informática na Educação: cultura, sociedade, histórias e políticas. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2019. n. p. (Série Informática na Educação, v.1).

______; CARVALHO, Felipe da Silva Ponte de; MADDALENA, Tania Lucía. Conversas ubíquas via WhatsApp: ambiências formativas multirreferenciais. In. PORTO, Cristina; OLIVEIRA, Kaio E.; CHAGAS, Alexandre (orgs.): Whatsapp e educação: entre mensagens, imagens e sons. Ilhéus, Bahia: Ed. UESC, 2017. p. 197-218.

______. Formação de Formadores e Educação Superior na cibercultura: itinerâncias de Grupos de Pesquisa no Facebook. 2015. 183 f. Tese de Doutorado em Educação – Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.

______; SANTOS, Edmea. Cibercultura: redes educativas e práticas cotidianas. In: Revista Eletrônica Pesquiseduca v. 04, n. 07. p.159-183, jan.-jul. 2012.

SERRES, M. Hominescências: o começo de uma outra humanidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

SIQUEIRA, Ailton. O lado sensível da concretude do mundo. In: ALMEIDA, Angela Maria; KNOBB, Margarida; ALMEIDA, Maria da Conceição. Polifônicas Ideias: por uma ciência aberta. Porto Alegre: Sulina, 2003.

UNESCO – United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization. COVID-19 Educational Disruption and Response. UNESCO Website. Disponível em: <https://en.unesco.org/covid19/educationresponse>. Acesso em 10 jun.2020.

Downloads

Publicado

30-10-2020

Como Citar

DE CASTRO, Luis Henrique Monteiro; DOS SANTOS, Rosemary. AMBIÊNCIAS FORMATIVAS EM TEMPO DE NOVAS EDUCAÇÕES: O QUE APRENDEMOSENSINAMOS COM A PANDEMIA. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 6, p. 379–397, 2020. DOI: 10.12957/riae.2020.52284. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/52284. Acesso em: 14 jun. 2024.