CRIAÇÕES E PERCEPÇÕES DOCENTES NO ENSINO REMOTO DURANTE A PANDEMIA DE COVID-19: UMA PESQUISA COM OS COTIDIANOS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2020.51922

Palavras-chave:

Ensino remoto. Narrativas docentes. Etnografia on-line. Pesquisas com os cotidianos. Covid-19.

Resumo

Em decorrência da Covid-19, a população mundial entrou em distanciamento social e os processos educativos passaram a ocorrer por meio das tecnologias digitais. Dessa forma, buscamos desenvolver uma pesquisa científica que objetive compreender, a partir de uma etnografia on-line, as criações e as percepções de docentes vivenciando o ensino remoto imposto pelo distanciamento social. Optamos pela epistemologia das pesquisas com os cotidianos. As redes sociais da internet, em especial sete comunidades virtuais no Facebook, foram o campo de pesquisa. Entre os dados emergiram narrativas imagéticas e escritas, com criações e percepções de docentes vivenciando o ensino remoto. Propomos a reflexão para uma nova lógica educacional após essa experiência que está ressignificando nossas vidas.

Biografia do Autor

Vivian Martins, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ)

Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), na linha de pesquisa ?Cotidianos, redes educativas e processos culturais?. Possui mestrado em Educação pela UERJ, especialização em Planejamento, Implementação e Gestão da Educação a Distância pela Universidade Federal Fluminense (UFF) - 2015, MBA em Gestão de Recursos Humanos pela UFF - 2011, Licenciatura e Bacharelado em Pedagogia pela UERJ - 2009. Professora de Educação a Distância e Tecnologias Educacionais do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ). Membro do Grupo de Pesquisa Docência e Cibercultura (GPDOC-UERJ) e do grupo Literacia visual: pesquisa, ensino e formação docente em Artes (IFRJ). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em educação e cibercultura, pesquisa e prática pedagógica, formação de professores, educação online e tecnologias educacionais. Site: http://docenciaonline.pro.br/moodle/course/view.php?id=87 E-mail: vivian.martinst@gmail.com

Bárbara Rodrigues de Castro, Rede municipal da cidade do Rio de Janeiro

-Graduada em Pedagogia pela UNIRIO -Cursando pós graduação pela UNINTER no curso Educomunicação e Tecnologia -Professora de ensino fundamental na rede municipal da cidade do Rio de Janeiro desde 2008.

Michelle Viana Trancoso, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Formada em Letras pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, dedico-me à formação de pesquisadora, concluindo, no presente momento, o Mestrado no Programa de Pós-Graduação em Educação ? ProPEd/UERJ, na linha Cotidianos, Redes Educativas e Processos Culturais. A atual pesquisa busca compreender na formação docente as relações que se estabelecem num projeto de educação feminista antirracista em tempos de desmonte da educação pública e de crescimento de movimentos antidemocráticos. Sob os modos de fazer pesquisa no/dos/com os cotidianos e com inspirações multirreferenciais, a pesquisa-formação se situa no contexto da cibercultura, analisando falas, gestos e imagens que evidenciam o imaginário social brasileiro.

Referências

AMARAL, Mirian Maia. Autorias docente e discente: pilares de sustentabilidade na produção textual e imagética em redes educativas presenciais e online. 239 f. Tese de Doutorado em Educação e Cultura Contemporânea – Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, 2014.

ANDRADE, Nivea; CALDAS, Alessandra Nunes; ALVES, Nilda Guimarães. Os movimentos necessários às pesquisas com os cotidianos - após muitas conversas acerca deles. In: OLIVEIRA, Inês Barbosa; PEIXOTO, Leonardo Ferreira; SÜSSEKIND, Maria Luiza. (Org.). Estudos do cotidiano, currículo e formação docente: questões metodológicas, políticas e epistemológicas. 1ed. Curitiba: CVR Editora, 2019, v. 1, p. 19-45.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

COLACIQUE, Rachel. Visualidades surdas na cibercultura: aprendizagens em rede. 2018. 242 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

DIAS, Rosilãna Aparecida. Tecnologias digitais e currículo: possibilidades na era da ubiquidade. Revista de Educação do COGEIME, ano 19, n. 16, p. 56-64, janeiro/junho 2010.

DUARTE, Rosália; ELEÁ, Ileana. Mídia-educação: teoria e prática. In: SANTOS, Edméa. (org.). Mídias e tecnologias na educação presencial e a distância. Rio de Janeiro: LTC, 2016, p. 3-17.

FREIRE, Paulo. Extensão ou comunicação? [recurso eletrônico] Tradução Rosiska Darcy de Oliveira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013.

______. Pedagogia do oprimido. 17ª. ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS. Pesquisa: Educação escolar em tempos de pandemia na visão de professoras/es da Educação Básica. São Paulo, 2020. Disponível em: <https://www.fcc.org.br/fcc/educacao-pesquisa/educacao-escolar-em-tempos-de-pandemia-informe-n-1?utm_source=mailpoet&utm_medium=email&utm_campaign=Informe-1-primeiros-resultados > Acesso em: 18 jun. 2020.

GARCIA, Alexandra. Disciplina estética, currículo e cotidianos. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. 8 ago. 2018. Notas de Aula.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

G1. Estudantes, pais e professores narram 'apagão' do ensino público na pandemia; em 7 estados e no DF, atividade remota não vai contar para o ano letivo. Brasil, 2020. Disponível em: <https://g1.globo.com/educacao/noticia/2020/05/21/estudantes-pais-e-professores-narram-apagao-do-ensino-publico-na-pandemia-em-7-estados-e-no-df-atividade-remota-nao-vai-contar-para-o-ano-letivo.ghtml> Acesso em: 17 jun. 2020.

MACEDO, Roberto S.; GALEFFI, Dante; PIMENTEL, Álamo. Um rigor outro sobre a qualidade na pesquisa qualitativa: educação e ciências humanas. Salvador: EDUFBA, 2009. 174 p.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Nota Técnica Nº 32/2020/Assessoria-GAB/GM/GM. Brasil, 2020. Disponível em: <https://abmes.org.br/arquivos/documentos/nota-tecnica-mec-32-02062020.pdf> Acesso em: 16 jun. 2020.

PALFREY, John; GASSER, Urs. Nascidos na era digital: entendendo a primeira geração de nativos digitais. Porto Alegre: Grupo A, 2011.

RESOLUÇÃO SME Nº 1.074, de 14 de abril de 2010. [on line] Disponível em: < http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/3487204/DLFE-264117.pdf/1.0>. Acesso em: 15 maio 2019.

SALDANHA, Cibele; WERLANG, Mauro. Educação ambiental: a contribuição das multimídias no ensino de geografia com ênfase no consumo. In: SANTOS, Amanda; MACHADO, Juliana; COLVERO, Ronaldo. (Orgs.). Interdisciplinaridade nas ciências humanas: caminhos da pesquisa contemporânea. (livro eletrônico). 1. ed. Jaguarão: 2017.

SILVA, Marco. Sala de Aula Interativa. São Paulo: Edições Loyola, 2014

SANTOS, Flávia; GOMES, Suely. Etnografia virtual na prática: análise dos procedimentos metodológicos observados em estudos empíricos em cibercultura. Anais do VII Simpósio Nacional da Associação Brasileira de Pesquisadores em Cibercultura. Paraná, 2013.

SOUSA, R.; MOITA, F.; CARVALHO, A. (Orgs.). Tecnologias digitais na educação. [online] Campina Grande: EDUEPB, 2011. 276 p. Disponível em <https://static.scielo.org/scielobooks/6pdyn/pdf/sousa-9788578791247.pdf>. Acesso em: 30 mai 2018.

UNESCO. Suspensão das aulas e resposta à COVID-19. Paris, 2020. Disponível em: <https://pt.unesco.org/covid19/educationresponse> Acesso em: 22 abr. 2020.

Downloads

Publicado

30-10-2020

Como Citar

MARTINS, Vivian; DE CASTRO, Bárbara Rodrigues; TRANCOSO, Michelle Viana. CRIAÇÕES E PERCEPÇÕES DOCENTES NO ENSINO REMOTO DURANTE A PANDEMIA DE COVID-19: UMA PESQUISA COM OS COTIDIANOS. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 6, p. 157–182, 2020. DOI: 10.12957/riae.2020.51922. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/51922. Acesso em: 14 jul. 2024.