PROCESSOS FORMATIVOS E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: AS AÇÕES DA QUARENTENA EM FOCO

Monica Maria Farid Rahme, Anamaria Fernandes Viana, Deborah Stephanie de Oliveira Henriques

Resumo


 

Este artigo tem como objetivo analisar o percurso de trabalho extensionista produzido pelos projetos XXXXXX e XXXXXX no primeiro semestre de 2020. Para tanto, apresentamos inicialmente algumas reflexões sobre o vínculo da universidade com a comunidade e a sua posição na cidade, como espaço comprometido com a democracia e com a produção de saberes. Em um segundo momento, exploramos a dinâmica de trabalho e a dimensão metodológica que se desenhou na proposição e desenvolvimento das ações de extensão durante esse período, e analisamos os efeitos que a partilha de ações comuns significaram para a relação educativa. Por fim, tecemos algumas considerações sobre possíveis contribuições dessa experiência para processos formativos no contexto da universidade.


Palavras-chave


educação; arte; extensão universitária

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, C. D. Literatura comentada. São Paulo: Editora Nova Cultural, 1988.

ARENDT, H. A Condição Humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1987.

ARRUDA, E. Educação remota emergencial: elementos para políticas públicas na educação brasileira em tempos de Covid-19. Em rede: revista de educação à distância, v. 7, n. 1, p. 257-275, 2020. Disponível em: https://www.aunirede.org.br/revista /index.php/emrede/article/view/621. Acesso em: 05 jun. 2020.

BERGSON, H. Matéria e Memória: Ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

BRASIL. Congresso Nacional. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Lei n. 13.146, de 06 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão de Pessoas com deficiência LBI. Governo Federal, Presidência da República, 2015.

BURGUESS, R. G. A pesquisa de terreno: uma introdução. Oeiras: Celtas, 1997

CHAUI, M.. A universidade pública sob nova perspectiva. Revista Brasileira de Educação, ANPEd, n. 24, p. 5-15, Set./Out./Nov. 2003.

COLEMARX, Educação pública comprometida com a igualdade social: porque os trabalhadores não devem aceitar aulas remotas, 2020. Disponível em: http://www. colemarx.com.br/wp-content/uploads/2020/04/Colemarx-texto-cr%C3%ADtico-EaD-2. pdf. Acesso: 10 jun 2020.

CRISTOFOLETTI, E. C.; SERAFIM, M. P. Dimensões Metodológicas e Analíticas da Extensão Universitária. Educação e Realidade [online], v. 45, n. 1, p. 1-20, 2020. Disponível em: . Acesso em: 5 jun 2020.

DELEUZE, G. Diferença e repetição. 2. ed. São Paulo: Graal, 2006.

DINIZ, D. O que é deficiência. São Paulo: Brasiliense, 2007.

FERRIGNO, J. C. Co-orientação entre gerações. Petrópolis (RJ): Vozes; São Paulo: SESC, 2003.

FORPROEX. Fórum Nacional de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras. O plano nacional de extensão universitária. Brasília: MEC, 1999

FREIRE, P. A Pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 1970.

GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4ª. Ed. RJ: Guanabara, 1988 [1963].

LIVIO, G. A pandemia discrimina pela classe, cor, gênero e etnia. Link de acesso: https://www.justificando.com/2020/04/14/a-pandemia-discrimina-pela-classe-cor-gener o-e-etnia/. Acesso em 11 jun. 2020.

LUIZ, K.G. Deficiência pela perspectiva dos direitos humanos. In: CONSTANTINO, C. (org.). Guia Mulheres com Deficiência: garantia de direitos para exercício da cidadania. 2020, p. 18-26. Disponível em: bit.ly/36pLJEs. Acesso em: 11 jun. 2020.

MONIZ, A. C. As pessoas com deficiência sempre estiveram de quarentena. S. I., 2020. (3 min.), son., color. Legendado. Disponível em: https://www.instagram.com/p/CAdzMiRgJLc/. Acesso em: 15 jun. 2020.

OLIVEIRA, F. Covid-19 e o isolamento das pessoas com deficiência. 2020. Disponível em: https://midianinja.org/fatineoliveira/covid-19-e-o-isolamento-das-pessoas-com-deficiencia/. Acesso em: 15 jun. 2020.

ONU. Convenção internacional sobre os direitos das pessoas com deficiência e seu protocoloco facultativo. Nova York, 2006.

OPAS Brasil. Folha informativa – COVID 19 (doença causada pelo novo coronavirus). Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view= article&id=6101:covid19&Itemid=875. Acesso em 17 jun 2020.

PESSOA, S. C.; BRANDÃO, V. C.; MANTOVANI, C. M. C. A. Imaginários sobre a deficiência: mobilização de afetos cotidianos em campanhas publicitárias. Intexto, Porto Alegre, RS, p. 164-186, abr. 2019. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/intexto/article/view/82806. Acesso em 11 jun 2020.

PESSOA, S. C.; SILVA, M. Acessibilidade Amorosa: ideias, encontros e afetos para pessoas que experienciam situações de deficiência In: PESSOA, S. C.; MARQUES, Â. C. S.; MENDONÇA, C. M. C. Afetos: pesquisas, reflexões e experiências em 4 encontros com Jean-Luc Moriceau. Belo Horizonte: Fafich/Selo PPGCOM/UFMG, 2019. p. 25- 38.

RESENDE, A. P. C. de. Apartheid Contra as Pessoas com Deficiência. 2008. Disponível em: http://www.bengalalegal.com/apartheid. Acesso em: 15 jun. 2020.

RIBEIRO, D. O que é lugar de fala. Belo Horizonte: Letramento/Justificando, 2017.

SERRANO, M. S. M. Conceitos de extensão universitária: um diálogo com Paulo Freire. Grupo de pesquisa em extensão popular, v. 13, n. 8, p. 1-15, 2013. Disponível em:https://www.ets.ufpb.br/pdf/2013/1%20Universidade%20e%20Sociedade/US%2013_Texto%201%20Serrano_Conceitos%20de%20extensao%20universitaria.pdf. Acesso em: 17 jun 2020.

SILVEIRA, D. T.; CÓRDOVA, F. P. A pesquisa científica. In: GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009, p. 31-42.

THIESEN, J. S. A interdisciplinaridade como um movimento articulador no processo ensino-aprendizagem. Revista Brasileira Educação, v. 13, n. 39, p. 545-598, 2008.

XXXXXX, 2005

XXXXXX, 2019

XXXXXX, 2020




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2020.51920

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: