ACESSIBILIDADE EDUCACIONAL, COMUNICACIONAL E SOCIAL EM TEMPOS DE PANDEMIA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS

Ediclea Mascarenhas Fernandes, Felipe Vieira Monteiro, Aída Guerreiro de Oliveira

Resumo


Devido à pandemia pelo Coronavírus (Covid-19), tornaram-se necessárias adequações, especialmente nos setores de trabalho e educação. Entretanto, pessoas que vivem em espaços periféricos subordinados aos grandes centros, além das pessoas com deficiência, percebem-se ainda mais invisibilizadas.Portanto, este artigo tem como objetivo abordar a importância dos recursos de tecnologia assistiva que promovem a autonomia e independência das pessoas com deficiência, especificamente no contexto educacional, formal ou informal.Os recursos como audiodescrição, Libras, pranchas de comunicação, pictogramas e linguagem simples são oferecidos de forma insuficiente, embora tenhamos a legislação brasileira específica vigente.Fundamentamos este estudo na importância da luta pelo coletivo e na influência dos conselhos de direitos na vida da sociedade.

Palavras-chave: Pandemia. Acessibilidade. Pessoas com deficiência. Conselhos de direitos.


Palavras-chave


Pandemia. Acessibilidade. Pessoas com deficiência. Conselhos de direitos

Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, Luiz Antonio Souza de; FERNANDES, Edicléa Mascarenhas. O cuidado com pessoas com deficiência em tempos do COVID-19: considerações acerca do tema. Brazilian Journal of health Review, Curitiba, v. 3, n. 3, p. 5469-5480, may/jun. 2020.Disponível em: http://www.brazilianjournals.com/index.php/BJHR/article/view/10849/9074. Acesso em: 15 jun. 2020.

BOURDIEU, Pierre et al. A miséria do mundo. 17. ed. Petrópolis: Vozes, 1997.

BRASIL. Decreto n. 5.296, de 02 de dezembro de 2004. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5296.htm. Acesso em: 10 maio 2020.

BRASIL. Decreto n. 6.949, de 25 de agosto de 2009.Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm. Acesso em: 10 maio 2020.

BRASIL. Decreto n. 7.612, de 17 de novembro de 2011.Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7612.htm. Acesso em: 15 maio 2020.

BRASIL. Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em: 25 maio 2020.

BRASIL. Lei n. 13.146, de 06 de julho de 2015.Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em: 9 maio 2020.

FERNANDES, Edicléa Mascarenhas. A implantação do modelo pedagógico construtivista na Educação Especial do sistema público de Duque de Caxias: mudanças na prática pedagógica e institucional. Rio de Janeiro: UERJ, 1991. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1991.

FERNANDES, Edicléa Mascarenhas; ORRICO, Hélio Ferreira. Acessibilidade e inclusão social. Rio de Janeiro: Deescubra, 2012.

GOHN, Maria da Glória. Educação não formal, aprendizagens e saberes em processos participativos. Investigar em Educação,n. 1, 2014. Disponível em: http://pages.ie.uminho.pt/inved/index.php/ie/article/view/4/4. Acesso em: 4 jun. 2020.

GOHN, Maria da Glória. Educação não-formal na pedagogia social. Congresso Internacional de Pedagogia Social, mar./2006. Disponível em: http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?pid=MSC0000000092006000100034&script=sci_arttext. Acesso em: 3 jun. 2020.

GOHN, Maria da Glória. Movimentos, ONGs e lutas sociais no Brasil nos anos 90. In: Os sem-terra, ONGs e cidadania: a sociedade civil brasileira na era da globalização. São Paulo, Cortez, 1997.

LIMA, Marcos Costa. As teorias do desenvolvimento: a propósito dos conceitos de centro e periferia. Século XXI: Revista de Relações Internacionais – ESPM/Sul, [S.l.], v. 6, n. 1, p. 13-24, ago. 2015. ISSN 2236-871X. Disponível em: http://seculoxxi.espm.br/index.php/xxi/article/view/105. Acesso em: 20 maio 2020.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÕES E COMUNICAÇÕES. Tecnologia assistiva. Disponível em: https://www.mctic.gov.br/mctic/opencms/ciencia/tecnologia_assistiva/_assistiva/Tecnologia_Assistiva.html. Acesso em: 25 maio 2020.

MOTTA, Lívia Maria Vilela Melo; ROMEU FILHO, Paulo (Orgs.). Audiodescrição: transformando imagens em palavras. São Paulo: Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, 2010.

QUEIROZ, Kezia Graziela de;FERNANDES, Edicléa Mascarenhas. IV Encontro dos Conselhos de Direitos da Pessoa com Deficiência no Estado do Rio de Janeiro. In: Tópicos em Ciências Sociais. 1. ed. vol. 4.BeloHorizonte: Poisson, 2020. p. 94-98.

SÁ, Elizabete Dias. A consultoria na prática da audiodescrição: a perspectiva dos consultores com deficiência visual. UFJF, 2015. Trabalho de Conclusão de Curso (Curso de especialização em audiodescrição) – Faculdade de Educação Física e Desportos, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2015.

SANTOS, Boaventura de Souza. A cruel pedagogia do vírus. Coimbra: Almedina, 2020.

SANTOS, Boaventura de Souza; MENESES, Maria Paula (Org.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2009. 532 p.

SIMSON, Olga Rodrigues de Moraes von; GOHN, Maria da Glória; FERNANDES, Renata Sieiro (Orgs.). Não-fronteiras:universos da educação não-formal. São Paulo: Itaú Cultural, 2007. 96 p. Disponível em:http://d3nv1jy4u7zmsc.cloudfront.net/wp-content/uploads/2012/02/000323.pdf. Acesso em: 27 nov. 2018.

UNESCO. Declaração de Salamanca. 1994. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf. Acesso em: 23 maio 2020.

UNESCO. Declaração mundial sobre educação para todos e plano de ação para satisfazer as necessidades básicas de aprendizagem. Jomtien, Tailândia: UNESCO, 1990.

UNESCO. Educação para todos: o compromisso de Dakar. Dakar, Senegal: UNESCO, 2000.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2020.51912

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: