ONDE ESTÃO OS BEBÊS NAS POLÍTICAS? GOVERNAR A INFÂNCIA PARA GOVERNAR A VIDA

Glacione Ribeiro da Silva Arruda, Anelise Monteiro do Nascimento

Resumo


Esse trabalho faz parte de uma pesquisa que teve como objetivo analisar a entrada dos bebês no contexto das políticas educacionais, tendo como referencial teórico-metodológico Michel Foucault e os princípios da governamentalidade, biopolítica, biopoder e dispositivos de segurança. O autor associa à política a “arte de governar” e apresenta uma “tipologia das formas de governo” que repercute na conduta dos indivíduos e na gestão das famílias. Essa perspectiva é fonte para análise da presença dos bebês nas políticas educacionais como uma forma de organização e gestão das pessoas no mundo a partir do nascimento, ou seja, como forma de “governar a vida”. Conclui-se que o governo sobre os bebês ocorre como meio de governar as famílias e a infância, a partir da construção do “futuro cidadão”.

Palavras-chave


bebês; políticas educacionais; governamento; Michel Foucault.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOWICZ, A. LEVCOVITZ, D. Tal infância. Qual criança? In: ABRAMOWICZ, A. SILVÉRIO, V. R. (orgs). Afirmando diferenças: montando o quebra-cabeça da diversidade na escola. Campinas: Papirus, 2005.

ABRAMOWICZ, A; RODRIGUES, T. C; MORUZZI, A. B. O Plano Nacional de Educação e a normatização da infância. In: FARIA, A. L. G; AQUINO, L. M. L. (orgs). Educação infantil e PNE: questões e tensões para o século XXI. Campinas: Autores Associados, 2012.

ANDRADE, L. B. P. Educação infantil: discurso, legislação e práticas institucionais (online). São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010.

ARCE, A. Friedrich Froebel: o pedagogo dos jardins de infância. Petrópolis: Vozes, 2002.

BALL, S. J. Education Reform: a critical and post-structural approach. Buckingham: Open University Press, 1994.

BARBOSA, M. C. Especificidades da ação pedagógica com os bebês. Anais do I Seminário Nacional: Currículo em movimento–perspectivas atuais. Belo Horizonte: Novembro de 2010. In: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2010-pdf/7154-2-2-artigo-mec-acao-pedagogica-bebes-m-carmem/file. Acesso em: 27/08/2016.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Resolução CNE/CP nº 2, de 22 de dezembro de 2017. Brasília: MEC, 2017. In: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacao.pdf. Acesso em 23/06/2017.

_________. Lei 12796/13. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. In: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12796.htm Acesso em 20/04/2016.

__________. Lei nº 10.172, de 09 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 jan. 2001. In: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/LEIS_2001/L10172.htm. Acesso em: 10/07/2017.

__________. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Brasília: MEC, 1996.

__________. Estatuto da Criança e do Adolescente: Lei Federal nº 8069, de 13 de julho de 1990.

__________. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.

BUJES, M. I. E. Infância e Risco. Revista Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 35, n. 3, p. 157-174, set./ dez. 2010.

_________________________. Artes de governar a infância: linguagem e naturalização da criança na abordagem de educação infantil da Reggio Emília. Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 48, p. 101-123, dez. 2008.

__________________________. O fio e a trama: as crianças nas malhas do poder. Revista Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 25-44, jan./ jun. 2000.

FIMYAR, O. Governamentalidade como ferramenta conceitual na pesquisa de políticas educacionais. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 34, n. 2, p. 171-186, maio/ago. 2009.

FOUCAULT, M. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

_________________. Em defesa da sociedade. Curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 1999.

__________________. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

__________________. História da Sexualidade- a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1977.

HOUAISS, A. Minidicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2010.

KRAMER, S. A política do pré-escolar no Brasil: a arte do disfarce. 3ªed. Rio de Janeiro: Dois Pontos, 1987.

KUHLMANN JR., M. Infância e Educação Infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 2001.

________________________. Histórias da Educação Infantil brasileira. In: Revista Brasileira de Educação. Mai/jun/jul/ago 2000. n 14. p. 5-8.

LOCKMANN, K; MOTA, M. R. A. Práticas de assistência à infância no Brasil: uma abordagem histórica. Revista Linhas, Florianópolis, v. 14, n. 26, jan./jun. 2013, p. 76 –111.

LLORET, C. As outras idades ou as idades do outro. In: LARROSA, J. LARA, N. P. Imagens do outro. Petrópolis: Vozes, 1998.

MAINARDES, J. Análise de políticas educacionais: breves considerações teórico-metodológicas. Contrapontos, volume 9, nº 1, p. 4-16, Itajaí, jan/abr, 2009.

MONTAÑO, C. DURIGUETTO, M. L. Estado, classe e movimento social. São Paulo: Cortez, 2011.

NUNES, M. F. R; CORSINO, P; DIDONET, V. Educação infantil no Brasil: primeira etapa da educação básica. Brasília: UNESCO, Ministério da Educação/Secretaria de Educação Básica, Fundação Orsa, 2011.

REVEL, J. Nas origens do biopolítico: de Vigiar e punir ao pensamento da atualidade. In: Kohan, Walter. Gondra, José (orgs). Foucault 80 anos. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

__________. Michel Foucault: conceitos essenciais. São Carlos: Claraluz, 2005.

ROSEMBERG, F. A criança pequena na agenda de políticas para a infância: representações e tensões. In: PALACIOS, J; CASTÑEDA, E. (Orgs.). A primeira infância (0 a 6 anos) e seu futuro. Madri: Fundação Santillana, 2009. Disponível em: http://www.diversidadeducainfantil.org.br Acesso em: 26 jul. 2017.

SILVEIRA, D. S. Governamentalidade, saberes e políticas públicas na área de Direitos Humanos da criança e do adolescente. In: RESENDE, H. (org). Michel Foucault: o governo da infância. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

TEBET, G. G. C. Isto não é uma criança! Teorias e métodos para o estudo de bebês nas distintas abordagens da sociologia da infância de língua inglesa. 2013. Tese (Doutorado em Educação)- Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de São Carlos, São Paulo, 2013.

TEBET, G. G. C. ABRAMOWICZ, A. O bebê interroga a Sociologia da Infância. Linhas Críticas, Brasília, DF, v. 20, n. 41, p. 43-61, jan./abr. 2014. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/12417/8643. Acesso em: 11 set. 2017.

_______________. Constituindo o bebê como um conceito teórico no interior da Sociologia da Infância. 36ª Reunião Nacional da ANPED. Goiânia, 2013. Disponível em: http://www.anped.org.br/sites/default/files/gt07_3164_texto.pdf. Acesso em: 11 set. 2017.

VEIGA-NETO, A. Por que governar a infância? In: RESENDE, H. (org). Michel Foucault: o governo da infância. Belo Horizonte: Autêntica, 2015




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2020.50633

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: