BELEZA ABAYOMI: EXPERIÊNCIA PEDAGÓGICA ENVOLVENDO ESTÉTICA E IDENTIDADE

Doralice Palma Silva

Resumo


Este trabalho visa apresentar um relato de experiência acerca da influência e reflexos da estética negra no processo de formação identitária da criança. Considerando-se que ao longo da história o que se aprendeu sobre a formação identitária da população brasileira, em sua perspectiva social, cultural e estética se constituiu à luz de um padrão europeu, seja na literatura, nos currículos escolares, nos livros didáticos, nas mídias, entre outros, cabe compreender que refletir sobre a beleza negra no nosso país é romper com uma série de padrões pré-estabelecidos e consolidados há muitos anos. Sendo assim, trazer a mulher negra para a pauta de atividades da escola, como foi possível com projeto “Julho das Pretas” na escola onde atuo profissionalmente é oportunidade para pensar em autoafirmação, já que no ambiente escolar é possível encontrar um público composto, muitas vezes, majoritariamente por mulheres negras, professoras e alunas, que ainda estão em processo de construção e aceitação de sua identidade cultural e estética. Nesse contexto, o desfile de Beleza Abayomi se transformou no grande momento de demonstração e apreciação da beleza negra.

Palavras-chave


Estética negra; Identidade; Formação.

Texto completo:

PDF

Referências


BEAUVOIR, Simone. O Segundo Sexo. São Paulo, 1987.

BELL MARQUES. Minha Deusa (cabelo de chapinha).

Disponível em: https://www.suamusica.com.br/bellmarques/bell-marques-minha-deusa-cabelo-de-chapinha

CARDOSO, Cláudia Pons. Experiências de mulheres negras e o feminismo negro no Brasil. Revista da ABPN. V. 10, n.25. mar – jun, 2018.

FIGUEIREDO, Ângela. Mais uma vez as mulheres negras são estereotipadas em sua sexualidade. Revista Fórum, 2014.

Disponível em: http://www.revistaforum.com.br/blog/2014/09/sexo-e-nega-uma-porra/ Acesso em: 11 nov. 2015.

GILBERTO GIL. Refavela. Warner Music Brasil, 1977.

GOMES, Nilma Lino. O movimento negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis, RJ:Vozes, 2017.

GOMES, Nilma Lino. Corpo e cabelo como símbolos da identidade negra. 2006 Disponível em: http://www.acaoeducativa.org.br/fdh/wp-content/uploads/2012/10/Corpo-e-cabelo-como-s%C3%ADmbolos-da-identidade-negra.pdf Acesso em-. 18 jan 2020.

HAILER, Marcelo. Angela Davis: a mulher mais perigosa do mundo. 2015.

Disponível em: http://www.revistaforum.com.br/blog/2015/01/angela-davis/ Acesso em: 11 nov 2015.

JULLY FREITAS. Negro, beleza rara. Disponível em: https://jullyfreitas.bandcamp.com/ 2014.

LAMARTINE BABO. O teu cabelo não nega.

Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=0zKqipgmsPM, 1931.

LUIZ CALDAS. Fricote, Magia. Polygram, 1985.

MARVYN. Respeite a minha pele preta. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=JEXICBD3MH8, 2016.

MCK, Rap Crespo. V.A.L.O.R.E.S. Luanda, 2018.

MUNANGA, K. As facetas de um racismo silencioso. In: SCHWARTZ, Lilia Moritz; Queiróz, Renato da Silva (Org.). Raça e diversidade. São Paulo: Edusp. 1996.

SILVA, Ana Célia. A discriminação do negro no livro didático. 3 ed. – Salvador: Edufba, 2019.

SOUZA, Barbara Oliveira. Aquilombar-se: panorama histórico, identitário e político do Movimento Quilombola Brasileiro. Dissertação de Mestrado. Brasília: 2008.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2020.47643

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: