MODELOS PEDAGÓGICOS EXPLÍCITOS E A CONSTRUÇÃO DE UMA PEDAGOGIA PARA BEBÊS E CRIANÇAS BEM PEQUENAS BASEADA NO BRINCAR

Alessandra Giriboni de Oliveira

Resumo


Resumo: Este artigo discute os modelos pedagógicos considerados explícitos a partir das cinco características de uma pedagogia de qualidade na creche enunciadas por Araújo (2014; ARAÚJO; MONTEIRO, 2017) representados pela Abordagem Pikler (2010; FALK, 2011) e seu conceito do brincar livre, pelos pressupostos de Goldschmied e Jackson (2006) no brincar heurístico acrescido de contribuições de Kishimoto (1993, 2008, 2010, 2011, 2013) e Rossetti-Ferreira (2004, 2006) relativas ao brincar dos bebês e à formação dos professores na creche como possibilidade de rede de significação na construção de uma pedagogia para bebês e crianças bem pequenas


Palavras-chave


bebês; brincadeira; creche; modelos pedagógicos; pedagogias participativas

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, S. B. Avaliação da qualidade em creche: o bem-estar e o envolvimento da criança como processos centrais. Nuances: estudos sobre Educação, Presidente Prudente - SP, v. 25, n. 3, set./dez. 2014, p. 100-115.

______________, MONTEIRO, T. Pedagogias Explícitas em Creche: relato de uma investigação-ação em contexto português. Revista Humanidades e Inovação, Tocantins, v.4, n.1. 2017. Disponível em: https://revista.unitins.br/index.php/humanidadeseinovacao/issue/view/20. Acesso em: 20 dez. 2017.

BALOG, G. Iniciando a construção. Objetos apropriados para a brincadeira. In: KÁLLÓ, E. BALOG, G. As origens do brincar livre. São Paulo: Editora Omnisciência, 2017.

BARBOSA, M. C. Especificidade da ação pedagógica com os bebês. In: Anais do I Seminário Nacional: Currículo em movimento – Perspectivas atuais. Belo Horizonte, novembro, 2010.

Acesso em: 20 mai.2018.

BRASIL. Brinquedos e Brincadeiras de Creche: manual de orientação pedagógica. Brasília: MEC/SEB, 2012.

________. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEB, 2017.

BRUNER, Jerome S. El habla del niño. Barcelona: Paidós, 1995.

CARO, C. The Genius of Emmi Pikler. 2012. In: The Pikler Collection. Disponível em: https://thepiklercollection.weebly.com/history.html. Acesso em: 12 nov 2017.

DARAHEN, G. C.; SILVA, A. P. S.; COSTA, N. R. A. Da teoria de apego à Rede de Significações: Maria Clotilde Rossetti-Ferreira e a psicologia do desenvolvimento brasileira. Revista Temas em Psicologia. 2009, vol. 17, n. 1, p. 191-207. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tp/v17n1/v17n1a16.pdf. Acesso em: 30 mar. 2018.

DEWEY, J. Experiência e Educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

ELFER, P.; GOLDSCHMIED, E.; SELLECK, D. Y. Key Persons in the early years. Reino Unido: David Fulton Books, 2003.

FALK, J. Abordagem Pikler Educação Infantil. São Paulo: Editora Omnisciência, 2008.

FALK, J. Educar os três primeiros anos: a experiência de Loczy; Tradução: Suely Amaral Mello. Araraquara, SP: Junqueira & Marin, 2011.

FOCHI, P.S. Mas os bebês fazem o que no berçário, heim?: documentando ações de comunicação, autonomia e saber-fazer de crianças de 6 a 14 meses em contexto de vida coletiva. Dissertação de mestrado. Universidade do Rio Grande do Sul, 2013.

FORMOSINHO, J; NIZA, S. Iniciação à prática profissional nos cursos de formação inicial de professores. In: FORMOSINHO, J. (coord.) Formação de professores: aprendizagem profissional e acção docente. Porto: Porto Editora, 2009.

FORMOSINHO, J. Prefácio. In: OLIVEIRA-FORMOSINHO (Org.). Modelos curriculares para a educação de infância: construindo uma práxis de participação. Porto: Porto Editora, 2013.

FRANCHI e VASCONCELOS, C. R.; ROSSETTI-FERREIRA, M. C. Crianças Pequenas brincando em creche: a possibilidade de múltiplos pontos de vista. In: ROSSETTI-FERREIRA, et. Al. (Orgs.) A Rede de Significações e o estudo do desenvolvimento humano. São Paulo: Editora Penso, 2004. P. 136-153.

GOLDSCHMIED, E. JACKSON, S. Educação de 0 a 3 anos: o atendimento em creche; Tradução: Marlon Xavier. Porto Alegre: Grupo A, 2006.

GONZALEZ-MENA, J. EYER, D. W., O cuidado com bebês e crianças pequenas na creche. Um currículo de educação e cuidados baseado em relações qualificadas. 9ª ed. Porto Alegre: AMGH, 2014.

HEVESI, K. Relação através da linguagem entre a educadora e as crianças do grupo. In: FALK, J. Educar os três primeiros anos: a experiência de Loczy; Tradução: Suely Amaral Mello. Araraquara, SP: Junqueira & Marin, 2011.

KÁLLÓ, E. BALOG, G. As origens do brincar livre. São Paulo: Editora Omnisciência, 2017.

KISHIMOTO, T. M. Jogos Infantis. São Paulo: Editora Vozes, 1994.

_______________. O jogo e a educação infantil. São Paulo: Cengage Learning, 2008.

_______________.(org.) Jogo, brinquedo, brincadeira e educação. São Paulo: Cortez, 2011.

_______________. (Org.) O Brincar e suas teorias. São Paulo: Cengage Learning, 2013.

_______________; FREYBERGER, A. Brinquedos e Brincadeiras de creches. Brasil, MEC, SEB, 2012.

MAJEM, T.; ÒDENA, P. Descobrir brincando. Campinas, SP: Autores Associados, 2010. (Formação de professores. Serie educação infantil em movimento.

OLIVEIRA-FORMOSINHO, J. FORMOSINHO, J. Perspectiva pedagógica da Associação Criança: pedagogia-em-participação. In: KISHIMOTO, T.M., OLIVEIRA-FORMOSINHO, J. (Orgs.). Em busca da pedagogia da infância. Porto Alegre: Penso, 2013, p. 188-216.

OLIVEIRA-FORMOSINHO, J. ARAÚJO, S. B. A Pedagogia-em-Participação em creche: A perspetiva da Associação Criança. In: OLIVEIRA-FORMOSINHO, J. ARAÚJO, S. B. Educação em creche: Participação e Diversidade. Porto: Editora Porto, 2013.

OLIVEIRA-FORMOSINHO, J. Pedagogia(s) da infância: Reconstruindo uma praxis da participação. In: OLIVEIRA-FORMOSINHO, J.; KISHIMOTO, T. M.; PINAZZA, M. A. (Org.). Pedagogia(s) da infância: Dialogando com o passado construindo o futuro. Porto Alegre: Artmed Editora, 2007, p. 13-37.

OLIVEIRA-FORMOSINHO, J. As gramáticas pedagógicas participativas e a construção da identidade da criança. Revista Textura (ULBRA). V.18.n. 36. 2016. Disponível em: http://www.periodicos.ulbra..br/index.php/txra/article/view/1747/1457. Acesso em: 10 jan. 2018.

_______________________; ARAÚJO, S. B. Educação em creche: participação e diversidade. Porto: Porto Editora, 2013.

PIKLER, E. Moverse em liberdad: desarrollo de la motricidad global. Madrid: Narcea Ediciones, 2010.

RICHTER, S. R. S; BARBOSA, M. C. S. Os bebês interrogam o currículo: as múltiplas linguagens na creche. Educação, Santa Maria, v. 35, n. 1, p. 85-96, jan./abr. 2010

ROSSETTI-FERREIRA, M. C. Introdução - Tecemos a RedSig e este livro seguindo a receita do poeta. In: ROSSETTI-FERREIRA, et. Al. (Orgs.) A Rede de Significações e o estudo do desenvolvimento humano. São Paulo: Editora Penso, 2004. P. 16-22.

_______________________; AMORIM, K. S.; SILVA, A. P. S. Rede de Significações: alguns conceitos básicos. In: ROSSETTI-FERREIRA, et. Al. (Orgs.) A Rede de Significações e o estudo do desenvolvimento humano. São Paulo: Editora Penso, 2004. P. 24-41.

________________________. Olhando a pessoa e seus outros, de perto e de longe, no antes, aqui e depois. In: COLINVAUX,D.; BANKS, L.; DELL'AGLIO, D. D. (Orgs.). Psicologia e desenvolvimento: Reflexões e práticas atuais. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2006, p. 19-59.

SOARES, S. M. Vínculo, movimento e autonomia: educação até 3 anos. São Paulo: Editora Omnisciência, 2017.

TARDOS, A. Deixe o bebê também brincar por si mesmo. Tradução de Patrícia Gimael. The first Years: Ngã Tau Tuatahi New Zealand Journal of Infant and Toodler Education. Volume 14, Issue I, 2012.

__________; FEDER, A. S. O que é autonomia na primeira infância. In: FALK, J. Educar os três primeiros anos: a experiência de Loczy; Tradução: Suely Amaral




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2020.46167

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: