(LUZ, CÂMERA) AÇÃO! - A EXPERIÊNCIA DE CRIAÇÃO CINEMATOGRÁFICA NO ESPAÇO ESCOLAR, MOVIMENTANDO CORPOS E SABERES

Daniele Gomes da Silva

Resumo


O presente trabalho descreve processos de criação cinematográfica no espaço escolar, levados a efeito a partir de um Projeto de Extensão, e registra as experiências de deslocamentos cognitivos e físicos, haja vista que esses processos começam na mente, para se externarem por meio de movimentação, interação e ocupação dos corpos pelos espaços. Deste modo, abre-se possibilidade de (re)inventar a si mesmo e a escola, pois experimenta-se sinestesicamente o cinema. Para sustentar tais colocações, dialogamos com a Pedagogia da Criação (BERGALA, 2008) e as considerações sobre cinema e educação propostas por Fresquet (2013). A metodologia de ação adotada para desenvolvimento da investigação foi a cartografia (KASTRUP, 2008). 


Palavras-chave


Criação; Cinema; Escola; Movimento; Corpo

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, T. W. O fetichismo na música e a regressão da audição. Coleção Os Pensadores. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

ADORNO, T. W. Educação e emancipação. Editora Paz e Terra. 1995.

ADORNO, T. W.; HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1985.

ARENDT, H. A crise na educação. In: ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Ed. Perspectiva, 2000.

BENJAMIN, W. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7 Ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BERGALA, A. A hipótese-cinema: pequeno tratado de transmissão do cinema dentro e fora da escola. Rio de Janeiro: BookLink, 2008.

CARRIÈRE, J. C. A linguagem secreta do cinema. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.

CRARY, J. Técnicas do observador: visão e modernidade no século XIX. Rio de Janeiro: Contraponto, 2015

DELEUZE, G; GUATTARI, F. Mil Platos. V.1. São Paulo: Editora 34, 1995.

DELEUZE, G. Conversações. 3 ed. São Paulo: Editora34, 2013.

DINIS, N. F. Educação, cinema e alteridade. In: Educar. Curitiba: Editora UFPR,n. 26, p. 67-79, 2005.

DUARTE, R. Cinema e Educação. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009. 3. Ed.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir. Rio de Janeiro: Vozes, 1977.

FRESQUET, A. M. Cinema e educação: reflexões e experiências com professores e estudantes de educação básica, dentro e “fora” da escola. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

KASTRUP, V. O método da cartografia e os quatro níveis da pesquisa-invenção. In: Lucia Rabello de Castro e Vera Lopes Besset (Org.). Pesquisa-invenção na infância e juventude. Rio de Janeiro: Nau, 1ed, v.1, 2008.

KASTRUP, V. O funcionamento da atenção no trabaçho do cartógrafo. In: Psicologia e Sociedade; 19 (1): 15-22, jan/abr. 2007.

KASTRUP, V. A aprendizagem da atenção na cognição inventiva, In: Revista Psicologia & Sociedade/ABRAPSO, 2004, set/dez, vol.16, n.º 3.

SIBILIA, P. Redes ou Paredes: a escola em tempos de dispersão. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

WULF, C. Homo Pictor: imaginação, ritual e aprendizado mimético no mundo globalizado. São Paulo: Hedra, 2013.

XAVIER, I. (entrevista). Um cinema que “educa” é um cinema que (nos) faz pensar. Educação e Realidade. 33(1): jan./jun. 2008.13 – 20.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2020.45822

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: