CORPO EM MOVIMENTO: PRODUÇÃO DA NORMALIDADE E AS ASTÚCIAS CRIADAS PELOS CORPOS

Bruna Pontes Silveira

Resumo


O presente artigo propõe um exercício de pensamento acerca da ideia de normalidade, mais especificamente nos corpos incongruentes que resistem aos padrões estabelecidos. Nesse sentido o grupo de dança sobre rodas Corpo em Movimento nos ajuda a dançar-pensar como as astúcias (Michel de Certeau) são produzidas no enfrentamento de uma lógica de poder e normalização (Michel Foucault) dos corpos. Atravessam o texto fragmentos de ritmos-dispositivos como o diário de pesquisa (René Lourau) e biografemas (Roland Barthes) produzidos ao longo dessa investigação. O fazer dança como forma de resistência constrói fenda na naturalização do corpo entendido como normal, produzindo novas formas de pensar o corpo que dança.

Palavras-chave


Diferença; Dança; Normalidade; Astúcias; Corpo.

Texto completo:

PDF

Referências


CERTEAU, Michel de. A Invenção do Cotidiano: 1 Artes de Fazer. 20. Ed. Tradução Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

COSTA, Luciano Bedin da. Estratégias biográficas: o biografema com Barthes, Deleuze, Nietzsche e Henry Miller. Porto Alegre: Sulina, 2011.

DELEUZE, Gilles. ¿Que és un dispositivo? In: Michel Foucault, filósofo. Barcelona: Gedisa, 1990, pp. 155-161.

FERRE. Nuria Pérez de Lara. Identidade, diferença e diversidade: manter viva a pergunta. LARROSA, Jorge; SKLIAR, Carlos (orgs.) In: Habitantes de Babel: políticas e poéticas da diferença. 2ª edição. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

FOUCAULT, Michel. Os anormais: Curso no Collège de France (1974-1975). Tradução Eduardo Brandão. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. 29ª ed. Petrópolis: Editora

Vozes, 2010B.

LOURAU, René. Sociólogo em tempo integral. Lisboa: Estampa, 1979.

MORTARI, K.S.M. A Compreensão do Corpo na Dança: um olhar para a contemporaneidade. Lisboa: UTL – FMH, 2013.

NANCY, Jean Luc. 58 Indícios sobre o corpo. Revista UFMG, Belo Horizonte, v.19, n.1 e 2, p.42-57, jan./dez. 2012.

NIETZSCHE, Friedrich. Assim falava Zaratustra. Tradução José Mendes de Souza. Versão para e-bookbrasil.com. Fonte digital, 2002. Disponível em: http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&ved=0CB0QFjAA&url=http%3A%2F%2Fwww.ebooksbrasil.org%2Fadobeebook%2Fzara.pdf&ei=LIO5VMqiFMGzyATC8YG4Aw&usg=AFQjCNHZ1ZdSpJfy0raDnfSrOOZzDJz8AA&sig2=LDRXe6QBg-OdyHEkhoTj_A&bvm=bv.83829542,d.aWw. Acesso em 06/10/2019.

RIBETTO, Anelice. Experimentar a pesquisa em educação e ensaiar a sua escrita. Tese de doutorado. Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense, 2009.

SKLIAR, Carlos. Pedagogia (improvavél) da diferença: e se o outro não estivesse ai? Rio de Janeiro: D&A, 2003.

SKLIAR, Carlos. La experiencia de la conversación, de la mirada y de la investigación educativa: Una desnaturalización de la incongruencia. José Contreras Domingo, Nuria Pérez de Lara Ferré (coord.) IN: Investigar la experiencia educativa. Madrid: Ediciones Morata, p. 136 a 152, 2010.

SKLIAR, Carlos. Conversar e Conviver com os Desconhecidos. Políticas Públicas, Movimentos Sociais: desafios à Pós-graduação em Educação em suas múltiplas dimensões. Helena Amaral da Fontoura (org.), Rio de Janeiro: ANPEd Nacional, p. 27-37, 2011.

SKLIAR, Carlos, Experiências com a palavra: notas sobre linguagem e diferença. Rio de Janeiro: Editora Wak, 2012.

SPINOZA, Benedidus de. Éttica. [tradução de Tomaz Tadeu]. - Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

VEIGA-NETO, Alfredo. Incluir para excluir. IN: Habitante de Babel: políticas e poéticas da diferença. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2001.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2020.45814

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: