INFÂNCIA, NATUREZA E AFETOS: O “DESEMPAREDAMENTO” E AS VIVÊNCIAS NO PÁTIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL DO COLÉGIO DE APLICAÇÃO DA UFRJ

Raianne da Silva Alves Bernardo Thomaz

Resumo


O presente artigo é fruto de uma pesquisa monográfica para a conclusão do curso de Especialização em Educação Psicomotora e tem por objetivo investigar e refletir sobre crianças, corpos, natureza e “desemparedamento” por meio de uma pesquisa-ação, no pátio da Educação Infantil do Colégio de Aplicação da UFRJ. O trabalho tem por base os estudos em Psicomomotricidade, Educação e Filosofia, o que permite entrelaçar as experiências observadas e a teoria dos autores que se debruçam sobre questões pertinentes a este estudo. A pergunta ‘como as crianças experienciam o pátio?  foi propulsora para esta pesquisa, permitiu a busca por respostas e o levantamento de novas questões ao chegar ao campo. Olhar para as crianças brincando na natureza possibilitou a compreensão da construção do conhecimento significativo, que deixa marcas no corpo e permite descobrir o caminho e aventura de experimentar o mundo.


Palavras-chave


Infância; Psicomotricidade; Corpo; Natureza.

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, Manoel de. Memórias inventadas: as infâncias de Manoel de Barros/iluminuras de Martha Barros. – São Paulo: Editora planeta do Brasil, 2008.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996). Disponível em:

BRASIL. Resolução nº 5, de 17 de dezembro de 2009: fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. (2009). Disponível em: . Acesso em 16/01/19.

DIONNE, Hugues. A pesquisa: ação para o desenvolvimento local. Tradução: Michel Thiollent. Brasília: Liber livro Editora, 2007.

EEI-UFRJ. Escola de Educação Infantil – UFRJ. (s/d). Disponível em: . Acesso em 20 de julho de 2019.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Trad. Raquel Ramalhete. 36.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

GALVÃO, Izabel. Henri Wallon: uma concepção dialética do desenvolvimento infantil. 20ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

GUATTARI, Félix. As três ecologias. Tradução de Maria Cristina F. Bittencourt. 21.ed. Campinas, SP: Papirus, 2001.

LAPIERRE, Andre; AUCOUTURIER, Bernard. A simbologia do movimento: Psicomotricidade e educação. 3.ed. Curitiba: Filosofart, 2004.

LARROSA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Revista Brasileira de Educação.v.11. jan/abr. 2002. Disponível em: . Acesso em 01 de março de 2019.

MASTRASCUSA, Celso; FRANCH, Núria. Corpo em movimento, corpo em relação: Psicomotricidade Relacional no ambiente educativo. São Paulo: Evangraf, 2016.

PROFICE, Christiana. As crianças e a natureza: reconectar é preciso. São Paulo: Pandorga, 2016.

QUEIRÓS, Bartolomeu Campos de. Os cinco sentidos. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 2004.

SCHAEFER, Katia de S. A. Bizzo. Afetos que emergem de práticas educacionais a partir da reconexão de corpos e ambientes: uma questão de transvisão e transvaloração do mundo. In: Anais do 5º GRUPECI – Seminário de Grupos de Pesquisa sobre Crianças e Infâncias. Florianópolis: UFSC, dez/2016.

TIRIBA, Lea. Educação infantil como direito à alegria. Petrópolis, RJ: Paz e Terra, 2018.

TIRIBA, Léa; PROFICE, Christiana. O direito humano à interação com a natureza. In: SILVA, Ainda Maria Monteiro; TIRIBA, Léa (org.). Direito ao ambiente como direito à vida: desafios para a educação em direitos humanos. São Paulo: Cortez, 2014.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2020.45751

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: