ENSINO DE DANÇA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: O CORPO E A LUDICIDADE NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

Carla Verônica Cesar Trigo

Resumo


O presente trabalho desenvolve um estudo sobre o ensino da Dança na Educação Infantil. O objetivo dessa pesquisa é o de compreender o fenômeno do protagonismo infantil no ensino da Dança e suas implicações na prática pedagógica. Seu campo de intervenção é o Projeto “Dança Criança!”, realizado no Centro de Referência em Educação Infantil do Colégio Pedro II.  Os resultados evidenciam que, o projeto pedagógico em questão, propicia à criança tornar-se protagonista da sua aprendizagem. O método baseia-se em uma mediação que considera a criança como sujeito ativo no processo de construção do conhecimento e utiliza estratégias que privilegiam a experiência lúdica e a descoberta da corporeidade.


Palavras-chave


Dança; Educação Infantil; Protagonismo Infantil

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA L.R. DE; MAHONEY A. A. (ORGS.). Afetividade e Aprendizagem – Contribuições de Henri Wallon. São Paulo: Edições Loyola, 2007.

ALMEIDA, Fernanda de Souza. A Dança e a Criança de Educação Infantil: um caminho de aproximação. São Paulo, SP [s.n.] [2011?]. Não paginado.

ALMEIDA, Maria Salete Bertholazzi. Educação não formal, informal e formal do conhecimento científico nos diferentes espaços de ensino e aprendizagem. In: Produções Didático-Pedagógicas. Os desafios da escola pública paranaense na perspectiva do professor PDE. Governo do Estado do Paraná. Secretaria de Educação, 2014 (Cadernos PDE, v. II).

BALDI, Neila Cristina. Decolonialidade e Educação: entre teorias e práticas subversivas. Revista Interinstitucional Artes de Educar, Rio de Janeiro, v.3, n.3, p-293-315, out/jan. 2018.

BARBOSA, C.F.; GOMES, R. F. M. A importância da brincadeira para criança de acordo com Jean Chateau. CONCOCE/CONDICE: Brasília, 2010.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

BEHRENS, Marilda Aparecida. Metodologia de projetos num paradigma da complexidade. Paradigma da Complexidade. Petrópolis: Vozes. 2006.

BRASIL, Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica/Ministério da Educação. Brasília: MEC, 2013.

BRASIL. Lei n 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 22/11/2019.

CAROLYN EDWARDS; LELLA GANDINI; GEORGE FORMAN. As cem linguagens da criança: a experiência de Reggio Emília em transformação. Porto Alegre: Penso, 2016. p. 237-251.

DAMÁSIO, Cláudia. A dança para crianças. In: PEREIRA, R.; SOTER, S. (orgs.) Lições de Dança 2. Rio de Janeiro: UniverCidade, 2000.

DANTAS, Heloísa. A afetividade e a construção do sujeito na psicogenética de Wallon. In: DE LA TRAILLE, Y.;OLIVEIRA, M.K.; DANTAS, H. Piaget, Vigotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus, 1992. p. 85-98.

ERICKSON, F. (1986). Qualitative research on teaching. In: WITTROCK, M. Handbook of research on teaching. New York: MacMillan.

GIL, ANTÔNIO CARLOS. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GOLDEBERG, Miriam. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. Rio de Janeiro: Record,1997.

GOMES, Cleomar F. Brinco, logo existo – o papel da ludicidade na educação escolar.In GRANDO, B., S. (org.). Corpo, Educação e Cultura: Práticas Sociais e Maneiras de ser. Ijuí: Editora Unjuí, 2009. p. 111-118.

GRANDINO, P. J. Wallon e a psicogênese da pessoa na educação brasileira. In: GRATIOT-ALFANDEÉR, Hélène. Henri Wallon. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Ed. Massanga, 2010. p. 31-42. Coleção Educadores.

GUANAIS, Saryta Garrossino. Aula de mim: a linguagem corporal na Educação Infantil e o protagonismo da criança no ensino de Dança.Dissertação (Mestrado em Artes) - Universidade Federal de Minas Gerais, Programa de Pós-Graduação em Artes da Escola de Belas Artes. Belo Horizonte,2017.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. 4. Ed. São Paulo: Ed. Perspectiva, 1999.

LABAN, Rudolf. Dança Educativa Moderna. São Paulo: Ícone, 1990.

MALAGUZZI, Loris. História, ideias e filosofia básica. In: CAROLYN EDWARDS; LELLA GANDINI; GEORGE FORMAN. As cem linguagens da criança: a abordagem de Reggio Emília na educação da primeira infância. Porto Alegre: Penso, 2018. p. 57-98 .

PENNA, Camila. Paulo Freire no pensamento decolonial: um olhar pedagógico sobre a teoria pós-colonial latino-americana. Revista de Estudos e Pesquisa sobre as Américas, v.8, n.2, p-181-199. 2014.

RENGEL, Lenira Peral. Dicionario Laban. 2001. Dissertação (Mestrado em Artes) – Universidade Federal de Campinas, Curso de Mestrado em Artes do Instituto de Artes. Campinas,2001.

RINALDI, Carlina. A pedagogia da escuta: a perspectiva da escuta de Reggio Emília. In:

SÁ, Alessandra Latalisa de. Um olhar sobre a abordagem educacional de Reggio Emilia.Paidéia, Belo Horizonte, Ano 7, n. 8, p.55-80, jan./jun.2010.

STOKOE, Patrícia; HARF, Ruth. Expressão Corporal na pré-escola. São Paulo:

Summus, 1987.v.30.

WALLON, Henri. Do ato ao pensamento: ensaio de psicologia comparada. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2020.45742

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: