“Ideologia de gênero" e escola sem partido: a agenda privatizante moralizadora para a educação brasileira

Amanda André de Mendonça, Fernanda Pereira de Moura

Resumo


Com o propósito de pensar dois temas que vêm marcando as discussões recentes do campo educacional brasileiro, a saber, o movimento escola sem partido e a dita “ideologia de gênero”, esse texto irá tratar de tais temáticas à luz do que denominamos formação de uma agenda privatizante moralizadora da educação brasileira. Para discutir a composição dessa agenda, o artigo aborda a relação entre Estado, religião e democracia, discutindo a concepção de laicidade, a construção de um quadro conservador que se desenhou no Brasil de forma mais explícita na última década e seus contornos para a educação. Almeja-se apresentar a ingerência de diferentes segmentos conservadores, com destaque para a ação de agentes religiosos na produção das políticas educacionais recentes do país. A identificação desses agentes, suas movimentações e discursos constituem parte deste trabalho, que procura compreender parte das estratégias utilizadas, bem como identificar os principais argumentos que vêm permitindo implementar e sustentar essa agenda na cena educacional do país. Para isso, desenvolveu-se uma pesquisa qualitativa, envolvendo análise documental e levantamento de discursos que se destacaram nesse percurso. Por fim, pretendeu-se com este artigo contribuir com os estudos referentes à laicidade e à importância dessa para o campo educacional e para o estágio de democracia do país.


Palavras-chave


Conservadorismo; Laicidade; Educação; Ideologia de Gênero; Escola Sem Partido

Texto completo:

PDF

Referências


AQUINO, F. O avanço da Ideologia de Gêneros. Disponível em: . Acesso em: 23 de março de 2019

BRASIL. Constituição de 1988, de 05 de outubro de 1988.

BLANCARTE, R. El Estado laico. México: NostraEdicionoes, 2008.

______. Los retos de lalaicidad y lasecularizaciónenel mundo contemporáneo. México, D. F.: El Colegio de México, Centro de Estudios Sociológicos, 2008a.

¬______. El porqué de un Estado laico. In BLANCARTE, R. (Org.). Los retos de laicidad y lasecularizaciónenel mundo contemporáneo. 1. ed. México, D. F.: El Colégio de México, Centro de Estudios Sociológicos. 2008b.

CANÇÃO NOVA. Ideologia de gênero, conheça seus perigos e alcances. Destrave. [S.l.], 20 nov. 2012. Disponível em: . Acesso em: 22 de março. 2019.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. Projeto de Lei 1.411/2015. Tipifica o crime de Assédio Ideológico e dá outras providências. Brasília: 06 mai. 2015c. Disponível em: . Acesso em: 28 out. 2016.

CARNEIRO, S. S. Ensino Religioso no Rio de Janeiro: um bom caso para pensar religião, direitos humanos e as relações entre estado e Igreja. In Religiões em conexão: números, direitos, pessoas.

COELHO, M.M. Padre explica o que é a ideologia de gênero. Coluna Notícias – Canção Nova. Aparecida/SP, 23 março. 2019. Disponível em: . Acesso em: 28 maio. 2017.

CUNHA, Christina Vital da; MENEZES, Renata de Castro. (Org.) Comunicações do ISER. Rio de Janeiro, nº69, ISER, 2014.

CUNHA, Luiz Antônio. O projeto reacionário de educação. [S.l.], 2016?. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2016.

___. O Legado da ditadura para a educação brasileira. Educação e Sociedade. Rio de Janeiro: UFRJ, v. 35, p. 357-377, 2014b.

___. A laicidade em disputa: religião, moral e civismo na educação brasileira. Teias. Rio de Janeiro: v. 14, p. 5, 2014c.

___. Educação e religiões: a descolonização religiosa da escola pública. 1ª ed. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2013b.

____. A difícil laicidade na educação pública. In: BERTUSSI, Guadelupe Teresinha; OURIQUES, Nildo. (Org.). Anuário Educativo Brasileiro: visão retrospectiva. 1ed.São Paulo: Cortez, v. 1, p. 105-122, 2011.

___. A luta pela ética no ensino fundamental: religiosa ou laica? Cadernos de Pesquisa. São Paulo: v. 39, n. 137, p. 401-419. Ago. 2009. Disponível em: . Acesso em 18 out. 2016.

___. Sintonia oscilante: religião, moral e civismo no Brasil - 1937/1997. In: CONGRESSO LUSO-BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 4, 2006, Uberlândia. IV Congresso Luso-Brasileiro de História da Educação. Uberlândia: COLUBHE, 2006.

___.; OLIVA, C. E. Sete teses equivocadas sobre o Estado Laico. In: Conselho Nacional do Ministério Público. (Org.). Ministério Público em Defesa do Estado Laico. 1ed. Brasíla: CNMP, v. 1, p. 207-227, 2014.

___.; FERNANDES, Vânia. Um acordo insólito: ensino religioso sem ônus para os poderes públicos na primeira LDB”. Educação e Pesquisa. São Paulo: v. 38, n. 4, out/dez. 2012. Disponível em: . Acesso em 28 out. 2016.

CRUZ, L.C. L. O perigo do “gênero” em educação. Sítio do Movimento Pró-Vida Anápolis. Anápolis: 2014. Disponível em: . Acesso em: 11 mar. 2019.

FERNANDES, Maria das Graças Melo. O corpo e a construção das desigualdades de gênero pela ciência. Physis, Rio de Janeiro/RJ, v. 19, n. 4, p. 1051-1065. 2009. Disponível em: . Acesso em: 22 de março. 2019

GÓES, Bruno. Deixamos a teoria da evolução entrar nas escolas', disse Damares em entrevista de 2013. 9 de janeiro de 2019. Disponível em: Acesso em: 26 de março de 2019.

KOREN, J.C. Silas Malafaia, a Associação Vitória em Cristo e a defesa da família tradicional. Revista Espaço Acadêmico, Maringá/PR, n.175, Universidade Estadual de Maringá, dez. 2015.

MENEZES. R. Religiões, números e disputas sociais. In VITAL DA CUNHA, C.; MENEZES, R.C. (Org.). Religiões em conexão: números, direitos, pessoas. Comunicações do ISER, Rio de Janeiro/RJ, nº69, ISER, 2014.

ORO, P. A. A laicidade no Brasil e no Ocidente: Algumas considerações. Civitas - Revista de Ciências Sociais, Fortaleza/CE, v. 11, n. 2, p. 221-237. 2011.

PAINS, Clarissa. 'Menino veste azul e menina veste rosa', diz Damares Alves em vídeo. 03 de janeiro de 2019. Disponível em: Acesso em: 26 de março de 2019.

PIERUCCI. F. A. religião como solvente – uma aula. Novos Estudos, São Paulo/SP, n. 75, CEBRAP, jul. 2006.

REDAÇÃO. Oração de Magno Malta abre pronunciamento de Bolsonaro. 28 de outubro de 2018. Disponível em: Acesso em: 26 de março de 2019.

TORNIELLI, A; GALEAZZI, G. Papa Francesco: questa economia uccide. Collana Religione, Serie Saggistica, Piemme – Italia, 2015.

UOL. Olavo de Carvalho questiona se Terra orbita o Sol; o que diz a ciência? 09 de janeiro de 2019 Disponível em:Acesso em: 26 de março de 2019.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2019.44849

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: