GÊNERO, SEXUALIDADES E CORPOREIDADES: REFLEXÕES DENTRO DAS UNIDADES SOCIOEDUCATIVAS DO RIO DE JANEIRO

Aline Fonseca Barros

Resumo


Resumo: O presente artigo pretende discutir as reflexões estabelecidas em relação ao corpo, ao gênero e à sexualidade dentro das Instituições Socioeducativas do Município do Rio de Janeiro. Ao indicar as potencialidades e os limites das diferentes significações que este corpo pode ter, questiona-se como seria a convivência com os demais, vivenciando as inúmeras diferenças existentes por parte dos sujeitos privados de liberdade. Este estudo tem o objetivo de analisar como se dão as relações envolvendo a corporeidade no ambiente das Instituições Socioeducativas; envolvendo os aspectos de gênero e sexualidade; e de que forma a socioeducação pode promover uma melhor equidade social entre esses sujeitos excluídos dentro do sistema. A pesquisa de cunho qualitativo se pautou em uma revisão bibliográfica para traçar reflexões sobre corpo, gênero e sexualidade, e utilizou como instrumento para a coleta de dados questionários semiestruturados e entrevistas com adolescentes que estão cumprindo medida socioeducativa. Este trabalho buscará identificar as práticas comportamentais e discursos presentes na (re)construção do corpo, gênero e sexualidades dos adolescentes em conflito com a lei.

Palavras-chave: Corpo; Socioeducação; Gênero; Sexualidades


Palavras-chave


Gênero, sexualidade e corporalidade

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente. Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo – SINASE/ Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Brasília/DF: CONADA, 2006.

CARRARA, S. Educação, Diferença, Diversidade e Desigualdade. In: Gênero e Diversidade na escola: Formação de Professores em Gênero, Orientação Sexual e Diversidade Étnico-Racial. Livro de Conteúdo, versão 2009. Rio de Janeiro: CEPESC, Brasília, SPM, 2009.

CONNELL, R. W. Masculinities. Cambridge: Polity Press, 1995.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, 1999. Disponível em: . Acesso em 17/07/2018.

GARCIA, R. L. (Org.). O corpo que fala dentro e fora da escola. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

HERNANDEZ, J.D.G. O Adolescente dobrado: cartografia feminista de uma unidade masculina do Sistema Socioeducativo do Rio de Janeiro. 2018. 442 f.Tese (Doutorado em Psicologia Social) – Universidade Estadual do estado do Rio de Janeiro, 2018.

LE BRENTON, D. A sociologia do corpo. Petrópolis, Editora Vozes, 2006.

MAIOR, O. S.. Das medidas sócio-educativas. In: CURY, Munir (coord.) Estatuto da Criança e do Adolescente comentado: comentários jurídicos e sociais. 8ª ed. São Paulo: Malheiros Editores, 2006.

MATOS, M. G.; NEIRA, M. G. Educação Física na adolescência: construindo o conhecimento na escola. São Paulo: Phorte, 2007

QUIJANO, A. Cuestiones y horizontes: de la dependência histórico-estrutural a la colonidad/descolonidad del poder. Buenos Aires: CLACSO, 2014.

SANTOS, B.R., et al. Desenvolvimento de paradigmas de proteção para crianças e adolescentes brasileiros. In: ASSIS, S.G., et al., orgs. Teoria e prática dos conselhos tutelares e conselhos dos direitos da criança e do adolescente [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ; Educação a Distância da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, 2009, pp. 19-65

VAZ, A. (2002). “Aspectos, contradições e mal-entendidos da educação do corpo e a infância”. Revista Motrividência, ano XIII, n. 19, dez.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2019.39659

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: