INTERCULTURALIDADE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES/AS INDÍGENAS: REFLEXÕES A PARTIR DE UM OLHAR SOBRE O PENSAMENTO AMERÍNDIO

Beatriz Osorio Stumpf

Resumo


Este trabalho desenvolve reflexões sobre interculturalidade na formação continuada de professores indígenas, partindo de uma experiência desenvolvida na Amazônia brasileira, em diálogo com autores que contribuem para uma maior compreensão do pensamento ameríndio. O acompanhamento participativo e investigativo desse processo de formação revelou a riqueza e a profundidade do conhecimento indígena, com seus grandes potenciais de contribuição para a educação em geral e para a sociedade como um todo, ressaltando a importância do apoio ao registro desses saberes, em diferentes formas e linguagens, tendo a arte uma função essencial.

Palavras-chave


Interculturalidade; Formação; Professores Indígenas; Bem Viver.

Texto completo:

PDF

Referências


ABBONIZIO, A. C. O. Educação escolar indígena como inovação educacional: a escola e as inspirações de futuro das comunidades. 2013. 193f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

BAILONE, M. El Bienvivir: una cosmovisión de los pueblos originários andino-amazónicos. In: ZAFFARONI, E, R. (Org.). La Pachamama y el humano. Buenos Aires: Colihue; Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Ediciones Madres de Plaza de Mayo, 2012, p. 149-158.

BARRETTO FILHO, H. (Org.). Formação avançada indígena do Rio Negro: resultado do processo de consulta realizado entre 2009 e 2012. São Paulo: Instituto Arapyaú, 2012. 98 p.

CABALZAR, F. D. (ORG.). Manejo do mundo: conhecimentos e práticas dos povos indígenas do Rio Negro. 2010. São Paulo: Instituto Socioambiental; São Gabriel da Cachoeira, AM: Federação das Organizações Indígenas do Alto Rio Negro, 2010. 217 p.

CABALZAR, F. D.; OLIVEIRA, L. A. A. Novas práticas na educação escolar indígena do rio Negro. In: CABALZAR, F. D. (ORG.). Educação escolar indígena do Rio Negro: relatos de experiências e lições aprendidas. São Paulo: Instituto Socioambiental; São Gabriel da Cachoeira, AM: Federação das Organizações Indígenas do Alto Rio Negro, 2012, p. 26-49.

CABALZAR, A.; RICARDO, C. A. (Orgs.). Povos Indígenas do alto e médio rio Negro: uma introdução à diversidade cultural e ambiental do noroeste da Amazônia brasileira. São Paulo: Instituto Socioambiental; São Gabriel da Cachoeira, AM: Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro; Brasília: MEC - Ministério da Educação e do Desporto, 1998.

DINIZ, L. L. Relações e trajetórias sociais de jovens Baniwa na escola Pamáali no Médio Rio Içana - Noroeste Amazônico. 214f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) Universidade Federal do Amazonas, 2011.

FOIRN; ISA. Mapa-livro Povos indígenas do alto e médio rio Negro: uma introdução à diversidade cultural e ambiental do noroeste da Amazônia brasileira. Brasília: Ministério da Educação e do Desporto / Secretaria de Educação Fundamental, 1998. 129 p.

JOHANNESSEN, E. M. Desafios para o futuro das escolas em aldeias indígenas. In: CABALZAR, F. D. (ORG.). Educação escolar indígena do Rio Negro: relatos de experiências e lições aprendidas. São Paulo: Instituto Socioambiental: São Gabriel da Cachoeira, AM: Federação das Organizações Indígenas do Alto Rio Negro – FOIRN, 2012, p. 84-87.

INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL. Visões do Rio Negro: construindo uma rede socioambiental na maior bacia (cuenca) de águas pretas do mundo. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2008. 103 p.

KUSCH, R. Obras completas. Rosário: Fundación A. Ross, 2009, v. 2, 3 e 4.

LUCIANO, G. J. S. Educação para o manejo do mundo: entre a escola ideal e a escola real no alto rio Negro. Rio de Janeiro: Contra Capa; Laced, 2013. 229 p.

MAMANI, F. H. Visión cósmica de los Andes. La Paz: Editorial Armonia, 2005. 19 p.

MAMANI, F. H. Buen Vivir / Vivir Bien Filosofía, políticas, estrategias y experiencias regionales andinas. Lima: Coordinadora Andina de Organizaciones Indígenas – CAOI. 2010. 120 p.

MENEZES, M. Desafios, avanços e retrocessos na educação escolar indígena. In: CABALZAR, F. D. (ORG.). Educação escolar indígena do Rio Negro: relatos de experiências e lições aprendidas. São Paulo: Instituto Socioambiental; São Gabriel da Cachoeira: Federação das Organizações Indígenas do Alto Rio Negro, 2012, p. 382-385.

RICARDO, B.; ANTONGIOVANNI, M. Visões do Rio Negro: construindo uma rede socioambiental na maior bacia (cuenca) de águas pretas do mundo. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2008. 103p.

SILVA, A. L.; CABALZAR, A. In: CABALZAR, F. D. (ORG.). Educação escolar indígena do Rio Negro: relatos de experiências e lições aprendidas. São Paulo: Instituto Socioambiental; São Gabriel da Cachoeira: Federação das Organizações Indígenas do Alto Rio Negro, 2012, p. 400-407.

WALSH, C. Interculturalidad y colonialidad del poder. Un pensamiento y posicionamiento “otro” desde la diferencia colonial. In: CASTRO-GOMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (ORGs.). El giro decolonial: reflexiones para uma diversidad epistêmica más allá del capitalismo global. Bogota: Siglo del Hombre, Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporaneos, Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007, p: 47-62.

WALSH, C. Interculturalidad crítica y educación intercultural. In: VIAÑA, J.; TAPIA, L.; WALSH, C. (Org.). Construyendo interculturalidad crítica. La Paz – Bolivia: Instituto Internacional de Integración del Convenio Andrés Bello, 2010, p. 75-96.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2018.39585

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: