INDÍGENA NA CIDADE? CONSIDERAÇÕES SOBRE A EDUCAÇÃO INTERCULTURAL NA ESCOLA

Aila Oliveira Serpa, Beleni Saléte Grando

Resumo


 O direito do indígena de viver e ser reconhecido em sua especificidade onde quer que viva, na aldeia ou na cidade, tem relação com o reconhecimento do “outro” nestes contextos. Consideramos que para entender essas relações em espaço urbano e mais especificamente, em escolas urbanas, é necessário compreendermos esses espaços como fronteiras interétnicas nas suas dimensões socioculturais, que ambientam e embasam as relações que neles ocorrem como possibilidades de novas e outras identidades que neles se definem nesses espaços de fronteiras interculturais. Neste trabalho, trazemos os estudos que nos auxiliam a compreensão dos contextos interétnicos nas escolas urbanas em Mato Grosso, quando os alunos indígenas ocupam esse espaço e como a demanda da educação intercultural se impõem como imperativo o reconhecimento das dificuldades dos professores atender ao que explicita a Lei 11.645/08. No intuito de compreender como a escola e seus professores engendram a formação continuada e trazem novos conhecimentos e práticas para o cotidiano da escola fizemos a análise do Projeto Sala de Educador (PSE), dos anos de 2011 a 2015, de uma escola Estadual no município de Nova Xavantina - MT. Os dados nos revelam um persistente fracasso escolar dos alunos indígenas; a escola deveria representar a possibilidade de aprender a se relacionar com a sociedade envolvente sem perder ou desqualificar sua própria cultura, o que, muitas vezes não é o que ocorre. Sendo assim é imprescindível que todos os educadores se apropriem de conhecimentos básicos sobre os povos indígenas do Brasil: quem são, quantos são, como vivem, aspectos próprios de cada cultura, como se organizam, entender a trajetória histórica e cultural dos povos indígenas do Brasil e daqueles que circundam as escolas e cidades, suas estratégias e resistência para manutenção de sua cultura e de seus direitos enquanto povos diferenciados e, ainda assim, pertencentes à sociedade nacional.

 


Palavras-chave


escolarização indígena; urbanidade indígena; interculturalidade

Texto completo:

PDF

Referências


AGIER, M. Distúrbios identitários em tempos de globalização. Mana, n.7, 2001, p.7-33.

AZEVEDO, M. M. O Censo 2010 e os Povos Indígenas. Agosto/2011. Disponível em https://pib.socioambiental.org/pt/c/no-brasil-atual/quantos-sao/o-censo-2010-e-os-povos-indigenas. Acessado em 25 de julho de 2016.

LUCIANO, G. Dos S. O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade – SECAD. LACED, 2006. (Coleção Educação para todos, 12). (Vias dos saberes, n. 1).

BARTH, F. Grupos étnicos e suas fronteiras. In: POUTIGNAT, P; STREIFF-FENART, J. Teorias da etnicidade. São Paulo: UNESP, 1998.p.188-227.

BARTOLOMÉ, A. M. As Etnogêneses: velhos atores e novos papéis no cenário cultural e político. In: Revista Mana, volume 12, Museu Nacional, Rio de Janeiro, 2006.

BERGER, P. e LUCKMAN, Th. 1995 [1968]. La construcción social de la realidad (Amorrortu: BsAs).

BOTH, S. J. Da aldeia a cidade: o cotidiano de estudantes Paresi em escolas urbanas de Tangará da Serra/MT. (Dissertação de Mestrado de Educação). Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2006.

BOURDIEU, P. “A identidade e a representação: elementos para uma reflexão crítica sobre a idéia de região”. In ________. O poder simbólico. Lisboa: Difel, 1989. p. 107-132.

BRANDÃO, C. R. Identidade e etnia: construção da pessoa e resistência cultural. São Paulo: Brasiliense, 1986.

BRASIL, Lei 11.645/2008. Inclusão no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Disponível em: http://www.planalto.gov.br>Acesso 13 Set de 2013.

BRASIL, Lei nº 9394/96 – Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em . Acesso em: 25 Jun. 2013.

CARDOSO DE OLIVEIRA, R. Identidade, etnia e estrutura social. São Paulo: Pioneira, 1976.

CARDOSO DE OLIVEIRA, R. Os (des)caminhos da identidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 15, n. 42, p. 7-21, 2000.

CARDOSO DE OLIVEIRA, R. Urbanização e tribalismo: a integração dos índios Terêna numa sociedade de classes. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

EICHHOLZ, G. L. Aprendizagens da Lei 11.645/08 na experiência intercultural dos XII Jogos dos Povos Indígenas em Cuiabá-MT. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Mato Grosso, Instituto de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Cuiabá, 2015. 230 f.

FLEURI, R. M. Intercultura e educação. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro , n. 23, p. 16-35, Aug. 2003 . Disponível em . Acessado em 25 de Junho de 2015. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782003000200003

GEERTZ, C. Os usos da diversidade. In: Nova luz sobre a antropologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., p. 66-85, 2001.

GRANDO, B. S. Corpo e educação: As relações interculturais nas práticas corporais Bororo em Meruri. Florianópolis: UFSC, 2004 (Tese de Doutorado).

GRANDO, B. S. “O Jogo da educação do corpo e a identidade Bororo em espaços de fronteiras étnicas e culturais”. In GRANDO, B.; PASSOS, L. A. (Orgs). Eu e o Outro na escola: contribuições para incluir a historia e a cultura dos povos indígenas na escola. Cuiabá. EdUFMT, 2010.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. São Paulo: DP&A, 2001.

INSTITUTO SÓCIO AMBIENTAL. (2011). Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/c/0/1/2/populacao-indigena-no-brasil>. Acessado em 02 de outubro de 2014.

JOHNSON, A. G. Dicionário de sociologia: guia prático da linguagem sociológica. Rio de Janeiro, Ed. Jorge Zahar. 1997.

LARAIA, R. de B. Cultura: um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar editora. 1999

MARÍN, J. A perspectiva intercultural como base para um projeto de educação democrática: povos autóctones e sociedade multicultural na América Latina. Revista: Visão Global, Joaçaba, v. 13, n. 1, p. 13-52, jan./jul. 2010. Disponível em Acessado em 19 de abril de 2016.

MARÍN, J. Dimensão histórica da perspectiva intercultural, educação, estado e sociedade. In.; Revista Grifos: Dossiê Educação Intercultural. Telmo Marcon (org.). n. 15, maio 2003. Chapecó, SC : Argos Editora, p. 69-88.

MARTINS, J. de S. Fronteira: a degradação do outro nos confins do humano. São Paulo: Hucitec, 1997.

MUBARAC SOBRINHO, R. S. As Culturas Infantis Indígenas e os Saberes da Escola: Uma Prática Pedagógica Dos (Des)Encontros. Revista Práxis Educacional. Vitória da Conquista v.6, n.8 p.139-156 jan./jun.2010. Disponível em http://periodicos.uesb.br/index.php/praxis/article/viewFile/291/324. Acessado em 04 de outubro de 2014.

MUBARAC SOBRINHO. R. S. Crianças indígenas “urbanas”: aproximações a uma historiografia na Amazônia. EcooS- Revista Cientifica, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 467- 488. Disponível em: acesso em: 09 de outubro de 2014

NEVES, J. G. Cultura escrita em contexto Indígena. Tese (Doutorado em Educação Escolar) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras, Campus de Araraquara. Araraquara– SP, 2009.

NUNES, E. S. Aldeias Urbanas ou Cidades Indígenas? Reflexões sobre índios e cidades. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 4, n. 1, p. 9-30, jan./jun.2010.

OLIVEIRA FILHO, J. P. de. “O nosso governo”: os Ticuna e o regime tutelas. São Paulo: Marco Zero, 1998

OLIVEIRA, N. A. de. Os Xavante e a Cidade. In IV REUNIÃO EQUATORIAL DE ANTROPOLOGIA E XIII REUNIÃO DE ANTROPÓLOGOS DO NORTE E NORDESTE. GT39 – Os indígenas e a cidade: processos identitários, direitos e políticas públicas no contexto urbano. Agosto de 2013, Fortaleza-CE.

RAMOS, A. R. Hierarquia e Simbiose: relações intertribais no Brasil. São Paulo: Hucitec, 1980.

REZENDE, G. C. Relação entre Indígenas e não-Indígenas em Escolas Urbanas: um estudo de caso na cidade de Campinápolis – MT. Dissertação de Mestrado em Educação. Universidade Federal de Mato Grosso, UFMT, Brasil.

ROSA, L. de M. Encontros e desencontros entre os a’uwêuptabi e os waradzu no espaço urbano de Barra do Garças-MT. 2008. 119f. Dissertação (Mestrado em História) -- Programa de Pós-Graduação em História; Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO, 2008.

RUSSO, K. O povo Xavante e a formação dos “novos guerreiros”: o sistema educativo e a educação escolar indígena no Brasil. 2005. 219 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais e Educação). Programa de pós-graduação em Ciências Sociais e Educação, Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais, Argentina, 2005.

SANTOS, V. S. dos. Expressões Identitárias no Espaço Escolar: um estudo com estudantes indígenas de escolas públicas urbanas de Ji-Paraná, Rondônia. Dissertação de Mestrado. UFMT, Cuiabá – MT. 2014

SEDUC, Projeto Político Pedagógico da Escola Estadual Juscelino Kubitschek. Assessoria Pedagógica de Nova Xavantina – MT, 2015.

SEDUC, Projeto Sala de Educador da Escola Estadual Juscelino Kubitschek. Assessoria Pedagógica de Nova Xavantina – MT, 2011a.

SEDUC, Projeto Sala de Educador da Escola Estadual Juscelino Kubitschek. Assessoria Pedagógica de Nova Xavantina – MT, 2012.

SEDUC, Projeto Sala de Educador da Escola Estadual Juscelino Kubitschek. Assessoria Pedagógica de Nova Xavantina – MT, 2013a.

SEDUC, Projeto Sala de Educador da Escola Estadual Juscelino Kubitschek. Assessoria Pedagógica de Nova Xavantina – MT, 2014.

SEDUC, Projeto Sala de Educador da Escola Estadual Juscelino Kubitschek. Assessoria Pedagógica de Nova Xavantina – MT, 2015a.

SILVA, F. A. B.; ARAÚJO, H. E. ; SOUSA, A. L. Diagnóstico da situação das populações indígenas no Brasil . IPEA, 2006. Disponível em: . Acesso em: 15 de março de 2015.

SOUZA, H. C. Entre Aldeia e a cidade, Educação escolar Paresi. (Dissertação Mestrado), Cuiabá: Universidade de Mato Grosso, UFMT, 1997.

TASSINARI, A. M. I. “Escola indígena: novos horizontes teóricos, novas fronteiras de educação”. In: Lopes da Silva, A.; Ferreira, M. (org.) Antropologia, História e Educação: a questão indígena e a escola Ed. Global. São Paulo, 2001.

TEIXEIRA. P. et.al. Migração do povo indígena Sateré-Mawé em dois contextos urbanos distintos na Amazônia. Cadernos CRH, Salvador, v. 22, n.57, p.531-546, Set/Dez. 2009.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2018.38702

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: