“Aprendendo a dizer (sua) palavra”: um debate (ainda) necessário entre opressão e formação pela memória experiencial

Adriana Amaral Ferreira, Fabrícia Vellasquez

Resumo


Quando completamos cinquenta anos da Pedagogia do Oprimido, rememorar aspectos da obra de Paulo Freire confluem no sentido de contribuir para se pensar as ocupações das universidades pelo movimento estudantil no Brasil em 2016. Com a particularidade de uma Universidade de origem específica, a UFRRJ, o presente artigo pretende dialogar com as provocações em “O oprimido”, de Freire, e os movimentos ainda necessários, cinquenta anos depois, igualmente elaborados por seus estudantes em reivindicações que estão para além de sua formação.

Palavras-chave


Resistência, movimentos sociais, formação, transformação, práxis

Texto completo:

PDF

Referências


ARANTES, P. E. Extinção. Coleção Estado de Sítio. São Paulo: Boitempo, 2007.

ARANTES, P. E.; ARANTES, O. B. F. Sentido da formação. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

BUARQUE, C. Estorvo. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

CUNHA, A. G. da. Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa. 4ª ed. Rio de Janeiro: Lexikon editorial, 2010.

GALEANO, E. As veias abertas da América Latina. 49. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2009.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. Trad. Beatriz Sidou. São Paulo: Centauro, 2013.

HOBSBAWM, E. Era dos extremos: o breve século XX, 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

HOLANDA, S. B. Raízes do Brasil. Prefácio. 26. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

FERNANDES, F. A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. 5. ed. São Paulo: Globo, 2006

FERREIRA, A. A. Ensaios das formas de resistência na história: crítica do capital e práxis emancipatória. 2013. 200f. Doutorado (Tese). UFRJ. Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), 2013.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

SCHWARZ, R. O fio da meada. In. Que horas são? São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

SILVA, M. A. M. A luta pela terra: experiência e memória. São Paulo: UNESP, 2004.

MARCUSE, H. A grande recusa hoje. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

MENEGAT, M. Sem lenço nem aceno de adeus. Formação de massas em tempo de barbárie: como a esquerda social pode enfrentar esta questão?. Praia Vermelha, n. 18. Rio de Janeiro: PPGSS/UFRJ, 2008.

MENEGAT, M. “Unidos por catástrofes permanentes: o que há de novo nos movimentos sociais da América Latina” in: Anais... VII SIMPÓSIO NACIONAL ESTADO E PODER: SOCIEDADE CIVIL, 2012, Uberlândia, MG.

NORA, P. Pierre Nora en Les lieux de mémoire. Montevideo: Trilce, 2008.

PAIVA, V. Paulo Freire e o nacionalismo desenvolvimentista. São Paulo: Graal, 2000.

POLLAK, M. Memória e identidade social. In: Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 5, nº 10, 1992, p. 200-212.

SECCO, L. História do PT 1978-2010. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2011.

SCHWARZ, R. Cultura e política. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2005.

SCHWARZ, R. Um romance de Chico Buarque. In. Sequências Brasileiras. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2018.38032

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: