50 anos da Pedagogia do oprimido: reflexões sobre (re) existência no Brasil e na América Latina

Valéria Oliveira de Vasconcelos, Carlos Rodrigues Brandão

Resumo


No presente artigo nos propomos a levantar reflexões sobre como a Pedagogia do Oprimido contribui para seguirmos pensando nossa existência. Problematizando sobre nossas vidas sociais organizamos o texto em oito partes: após notas iniciais e breve apresentação traçamos algumas ponderações sobre qual a “cara” de nosso povo e de nosso país; em seguida traçamos considerações sobre o contexto atual e a contemporaneidade das proposições de Freire; na quinta parte nos perguntamos sobre temores e elementos que vêm conformando, na luta e na resistência, nossa identidade; na sexta parte trazemos à tona algumas costuras entre a educação bancária e a falácia de um projeto de escola amordaçada. Tradição, família e propriedade são tematizadas na sétima parte para, finalmente, apontarmos anúncios possíveis.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDREOLA, Baldoíno. Freire e Fiori no exílio: um projeto pedagógico-político no Chile, Canoas/RS: Editora Ritter, 2001.

ANDREOLA, Baldoíno. Andarilho da Esperança: Paulo Freire no CMI (Conselho Mundial de Igrejas). São Paulo: Editora ASTE, 2005.

BRASIL. Estudo exploratório sobre o professor brasileiro com base nos resultados do Censo Escolar da Educação Básica 2007/Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. – Brasília: Inep, 2009.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Paulo Freire: a educação, a cultura e a universidade – memória de uma história cinquenta anos atrás. Revista EJA em Debate, Edição Especial, ano 3, nº 4, 2014.

DUSSEL, Enrique. Cultura imperial, cultura ilustrada y liberación de la cultura popular. (apêndice). In: DUSSEL, Henrique. Para uma ética da Libertação Latino-Americana: III Erótica e Pedagógica. Piracicaba/São Paulo: Co-edição Edições Loyola/Editora UNIMEP, 1974.

FÁVERO, Osmar. Cultura popular e educação popular – memoria dos anos sessenta. Rio de Janeiro: GRAAL, 1985.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

FREIRE, Paulo. Professora sim, tia não. Cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Olho D’água, 1997.

GALEANO, Eduardo. A descoberta da América (que ainda não houve). Trad. Eric Nepomuceno. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS, 1976.

HOBSBAWN, Eric; RANGER, Terence. A Invenção das Tradições. Tradução de Celina Cavalcante – Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (org.) A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Buenos Aires, Argentina, 2005, p. 107-130.

SANTOS, Milton. O espaço do cidadão. 7ª. Ed. V. 8. São Paulo: Edusp, 2007.

STRECK, Danilo. Uma pedagogia do movimento: Os movimentos sociais na obra de Paulo Freire. Revista Educação Pública. Cuiabá, v. 18, n. 36, p. 165-177, jan./abr. 2009.

ZANOTTO, Gizele. Normatizações, controle e disciplina: a TFP enquanto instituição total (1960-1995). História, Franca , v. 29, n. 2, p. 206-220, Dec. 2010 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-90742010000200011&lng=en&nrm=iso. Acesso em 27 Maio 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-90742010000200011.

ZANOTTO, Gizele. Tradição, família e propriedade (TFP): as idiossincrasias de um movimento católico (1960-1995). Tese (Doutorado em História). Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Universidade Federal de Santa Catarina, 2007.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2018.38029

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: