Humanismo, anti-humanismo e educação popular. Pedagogia do Oprimido:50 anos

Flavio Henrique Brayner

Resumo


Paulo Freire elaborou, a partir dos anos 60, uma pedagogia de clara inspiração moderna,   ainda fortemente aceita pelos educadores brasileiros, e centrou seus pressupostos nas categorias que constituíram o Humanismo clássico. Isto exige um reexame. Neste ensaio procuraremos analisar os pressupostos do ideário Humanista, as críticas que o anti-humanismo lhe dirige e tentar averiguar a incidência destas críticas sobre a pedagogia freireana. A pergunta que nos orienta nesta busca é: como sustentar uma pedagogia libertadora e humanista numa época em que o Humanismo está sob severo ataque intelectual, vendo nele a própria impossibilidade de realização da Humanitas de cada um de nós? 

Palavras-chave


Humanismo. Anti-humanismo. Freireanismo. Modernidade. Pedagogia libertadora.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2018.38027

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: