A justificativa da Pedagogia do oprimido 50 anos depois: elementos para uma necessária reflexão ontológica

Diego Chabalgoity

Resumo


Este artigo tem como objetivo trazer contribuições para uma reflexão ontológica necessária aos educadores populares de nosso tempo. Será analisado o primeiro capítulo da Pedagogia do oprimido, intitulado “Justificativa da Pedagogia do oprimido”. Utilizando matrizes marxistas e decoloniais, são abordados os seguintes pontos: o contexto em que se insere a Pedagogia do oprimido, determinante para seu caráter decolonial e marxista; o conceito de “duração” da dialeticidade permanência-mudança, fundamentação necessária à discussão ontológica proposta; e à guisa de conclusão, uma breve reflexão sobre a atualidade da justificativa da Pedagogia do oprimido, que se mostra como obra indispensável à formação da identidade do educador popular.

Palavras-chave


ontologia do oprimido; descolonialidade; marxismo

Texto completo:

PDF

Referências


BUARQUE, Sérgio. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

CALDART, R. O MST e a formação dos Sem Terra: o movimento social como princípio educativo. In: Gentili, P. & Frigotto, G. (orgs.) A cidadania negada: políticas de exclusão na educação e no trabalho. Buenos Aires: CLACSO, 2000.

CHABALGOITY, D. Ontologia do oprimido: construção do pensamento filosófico em Paulo Freire. Jundiaí: Paco Editorial, 2015.

CHEMANE, O. D. Paulo Freire, colonialismo, libertação e educação na África e Moçambique. Tese de doutoramento. Niterói: Universidade Federal Fluminente, 2017.

FAORO, R. Os donos do poder. Porto Alegre: Globo, 1984.

FREIRE, P. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de janeiro: Paz e Terra, 1992.

____________. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: UNESP, 2000.

_________. Ação cultural para a liberdade e outros escritos. 9ª ed. Rio de janeiro: Paz e Terra, 2001.

_________. Pedagogia do oprimido. 47ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

_________. Pedagogia do compromisso: América Latina e educação popular. Indaiatuba, SP:

Villa das letras, 2008.

FREIRE, P. & GUIMARÃES, S. Aprendendo com a própria história. Rio de janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREYRE, G. Casa-grande e senzala. Lisboa: Livros do Brasil, 1957.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere: volume 1: introdução ao estudo da filosofia: a filosofia de Benedetto Croce. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

GUERREIRO RAMOS, A. A redução sociológica. 3ª ed. Rio de Janeiro: UFRJ, 1996.

LANDER, E. Ciências sociais: saberes coloniais e eurocêntricos. In: LANDER, E. (org.) A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais: Perspectivas latino-americanas Buenos Aires: CLACSO, 2005.

MEMMI, A. (1957) Retrato do colonizado precedido do retrato do colonizador. Rio de janeiro: Civilização brasileira, 2007.

RIBEIRO, D. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das letras, 1995.

SEMERARO, G. Libertação e hegemonia: realizar a América Latina pelos movimentos populares. Aparecida, SP: Ideias & Letras, 2009.

SOUZA, J. A elite do atraso: da escravidão à Lava Jato. Rio de Janeiro: Leya, 2017.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2018.38025

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: