DIÁLOGOS SOBRE ESCOLA E DIFERENÇA: UMA PERSPECTIVA INTERSECCIONAL SOBRE O COTIDIANO ESCOLAR

Daniel Vieira Silva

Resumo


O presente trabalho pretende pensar os limites e possibilidades da escola no combate as violências (re)produzidas a partir de noções de diferença. Em meio a violências e resistências, o espaço escolar é colocado como lugar onde a teia do poder cria embaraços e caminhos. Utilizo como local de partida olhares trazidos por professoras que foram alunas do curso Gênero e Diversidade na Escola (GDE/UFRJ - 2014), levantando questões que desejam desafiar os olhares dicotômicos, que hora colocam a escola como espaço de manutenção e reprodução de opressões, hora como espaço de superação dos preconceitos e de possibilidade de construção de uma sociedade mais justa. Proponho que a escola seja tudo isso, em relações que se mostram complexas e contraditórias. Partimos dos relatos dessas professoras para analisar as relações de gênero e sexualidade, em diálogo com conceitos outros que também se debatem sob o guarda chuva da diversidade, tais como raça, classe e local de moradia, buscando compreender de que formas se articulam produzindo formas diversas de exclusão, marginalização, mas também de possibilidades e agências.


Palavras-chave


educação, diversidade, gênero, sexualidade, opressão

Texto completo:

PDF

Referências


BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. In: Cadernos Pagu, Campinas, n. 26, 2006, p. 239-276.

CAETANO, Márcio. Movimentos curriculares e a construção da heteronormatividade. In: RODRIGUES, Alexsandro; BARRETO, Maria Aparecida Santos Corrêa (org.). Currículos, gêneros e sexualidades: experiências misturadas e compartilhadas. Vitória, ES : Edufes, 2013, p. 63-82.

CRESHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero”. Em Revista de Estudos Feministas, ano 10, 2002. Florianópolis: UFSC. pg: 171-188.

FRY, Peter. Da hierarquia à igualdade: a construção histórica da homossexualidade no Brasil”. In: Fry, P. Para inglês ver: identidade e política na cultura brasileira. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

GOMES, Nilma Lino. Sem perder a raiz: corpo e cabelo como símbolos da identidade negra. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

Hooks, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. Tradução de Marcelo Brandão de Cipola. – São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.

JESUS, Jaqueline Gomes de. Transfobia e crimes de ódio: Assassinatos de pessoas transgênero como genocídio. In: MARANHÃO Fº, Eduardo Meinberg de Albuquerque (Org.). (In)Visibilidade Trans 2. História Agora, v.16, nº 2, pp.101-123, 2013.

JESUS, Jaqueline Gomes de. Homofobia: identificar e prevenir. Rio de Janeiro: Metanoia Editora, 2015.

LOURO, Guacira Lopes (Org.). O corpo educado. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

____________. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2012.

____________. Pedagogias da sexualidade. In: _____ (org.) O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

OLIVEIRA, Iolanda. A Construção Social e Histórica do Racismo e suas Repercussões na educação Contemporânea (p.257-281). In: Cadernos Penesb – FEUFF. (n.9) (dezembro 2007) Rio de Janeiro/ Niterói – EdUFF/ Quarter, 2007.

PISCITELLI, Adriana. “Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras”.In: Sociedade e cultura, Goiânia, v. 11, n.2, 2008.

SCOTT, Joan. Gênero, uma categoria útil de análise histórica”. In: Educação e Realidade, 16(2). Porto Alegre, Faced, UFRGS, 1989.

VIVEROS, Mara. “La sexualización de la raza y la racialización del sexo en el contexto latinoamericano actual”. In Gloria Careaga (org.) La sexualidad frente a la sociedad. México, D.F., 2008.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2017.29531

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: