“APESAR DE TUDO NÓS ESTAMOS AQUI PRA FAZER A DIFERENÇA”: GÊNERO, SEXUALIDADE E MOVIMENTAÇÃO ESTUDANTIL

Neilton Reis

Resumo


Neste artigo, apresento reflexões inseridas no campo do gênero e da sexualidade estabelecendo uma relação com as movimentações de estudantes secundaristas. Destaco essas movimentações como espaços privilegiados para a socialização e para a (re)construção de sentidos, identidade e saberes sobre diferença e diversidade. Parto de narrativas produzidas por jovens estudantes do Ensino Médio do estado do Rio de Janeiro em uma entrevista e em uma roda de conversa realizada em uma escola pública ocupada por estudantes no mesmo estado. Proponho pensar a construção realizada no espaço escolar e nesses movimentos acerca dos saberes sobre identidades, diferenças e realidades discentes, debatendo uma ação questionadora dos posicionamentos assumidos.


Palavras-chave


diferença; gênero; sexualidade; movimento estudantil; educação

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Denise. Outras falas sobre gênero e sexualidade na escola. Revista Periódicus. Salvador, v. 1, n. 2, p. 19-27, 2014.

BACELAR, Daniele. Ocupação nas escolas chega ao fim. O Dia. Disponível em: Acesso em 28 de agosto de 2016.

BASTOS, Felipe. “A diretora sabe que você está trabalhando isso na sala de aula?”: Diversidade sexual e ensino de ciências. Dissertação. 180p. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Departamento de Educação. 2015.

BERNINI, Lorenzo. Macho e fêmea Deus os criou!? A sabotagem transmodernista do sistema binário sexual. Bagoas - Estudos gays: gêneros e sexualidades. Natal. v. 5, n. 06, 2012. ISSN 2316-6185.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 236p. Rio de Janeiro: Editora Record, 2003.

DINIZ, Cassiane. Quem inventou o sexo? Experiências cotidianas de crianças e professoras acerca de gênero e sexualidade. 2014. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social). Universidade de Brasília, Brasília.

FRASER, Márcia.; GONDIM, Sônia. Da fala do outro ao texto negociado: discussões sobre a entrevista na pesquisa qualitativa. Paidéia. Ribeirão Preto; v. 14, n. 28, p. 139-152, 2004. ISSN 0103-863X.

FAUSTO-STERLING, Anne. Cuerpos sexuados: la política de género y la construcción de la sexualidad. Barcelona: Melusina. 526p. 2006.

FERREIRA, Ricardo; CAMARGO, Amilton. A naturalização do preconceito na formação da identidade do afro-descendente. EccoS Revista Científica. São Paulo. vol. 3, núm. 1, junho, 2001, pp. 75-92

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. 152p. 3 ed. Rio de Janeiro: Graal, 1980. ISBN 8570380100.

HEILBORN, Maria. Fronteiras simbólicas: gênero, corpo e sexualidade. Cadernos Cepia. Rio de Janeiro.v. 5, p. 73-92, 2002.

LOURO, Guacira. O corpo educado: Pedagogias da sexualidade. Traduções: Tomaz Tadeu da Silva. 2ª ed. 127p. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

MOURA, Adriana Ferro; LIMA, Maria Glória. A Reinvenção da Roda: Roda de Conversa, um instrumento metodológico possível. Revista Temas em Educação, v. 23, n. 1, p. 95-103, 2014.

MARTÍN, María. Escolas ocupadas já são 65 no Rio e Estado enfrenta impasse na negociação. El País. Disponível em: Acesso em 04 de julho de 2016.

MELUCCI, Alberto. Juventude, tempo e movimentos sociais. Revista Brasileira de Educação. São Paulo v. 5, n. 6, p. 5-14, 1997.

PEREIRA, Pedro. Body, sex and subversion: reflections on two queer theoreticians. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, v.12, n.26, p.499-512, 2008.

QUEIROZ, Jandira. Rumo ao final do arco-iris: O que mudou no discurso sobre personagens homossexuais na grande midia de entretenimento na ultima decada e por que? 66p. 2005. Trabalho de Conclusão de Curso. Centro Universitário de Brasília.

RADL-PHILIPP, Rita. Educación y socialización humana, identidades y nuevos roles de género femenino y masculino: el género a debate. Em Aberto. Brasília.,v. 27, n. 92, p. 1-212, 2014.

SABAT, Ruth. Pedagogia cultural, gênero e sexualidade. Estudos Feministas. Santa Catarina. n. 09. 2001.

SCORALICK, Kelly. Mídia, cidadania, informação e direito à comunicação: a identidade dos deficientes nos telejornais. IN: Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste. UFRJ. Rio de Janeiro. 2009.

SEGATO, Rita. Os percursos do gênero na antropologia e para além dela. Série Antropologia. 22p. Brasília: Departamento de Antropologia, Universidade de Brasília, 1998.

SENKEVICS, Adriano; POLIDORO, Juliano. Corpo, gênero e ciência: na interface entre biologia e sociedade. Revista da Biologia. São Paulo. v. 9, n. 1, p. 16-21, 2012.

TERRITÓRIO LIVRE. Manifesto Da Escola Paralela. Disponível em Acesso em: 04 de julho de 2016.

VIANNA, Cláudia. O movimento LGBT e as políticas de educação de gênero e diversidade sexual: perdas, ganhos e desafios. Educação & Pesquisa. São Paulo. p. 1-16, 2015.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2017.29530

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: