MILITÂNCIA VISUAL PARA ALÉM DA PASSIVIDADE: ARTISTAS, VIADAS, MULHERES E DEMAIS ALTERIDADES BOTANDO A CARA NO SOL!

Rodrigo Torres do Nascimento, Aldo Victorio Filho, Pâmela Souza da Silva

Resumo


A pesquisa da qual resulta esse artigo tem como referência duas personagens do meio artístico popular, a performer, cantora e dançarina Inês Brasil e o grupo musical Bonde das Bonecas. Ambos assumem visualidades inseparáveis do viés político que é a afirmação pública e poética de estéticas comumente rejeitadas pelos critérios hegemônicos de gosto e beleza. Embora nosso tema envolva o campo da Estética como interseção da Teoria do Gosto, Teoria da Beleza e Filosofia da Arte, e reconheçamos a potência estética dos seus trabalhos, não interessou ao debate deflagrado classificar ou discutir as qualidades ou localização das produções de Inês e do Bonde no campo da Arte. E sim os aspectos relacionados ao gosto e à beleza como instâncias de tensão política como centrais à discussão proposta.


Palavras-chave


Gênero; Corpos; Cultura visual; Juventude; Educação.

Texto completo:

PDF

Referências


AGGER, Ben. Oversharing: presentations of self in the internet age. Londres: Routledge, 2012.

Bonde das Bonecas. Vai veado. Rio de Janeiro: Master Power Record's, 2016.

BONDIA, Jorge Larrosa. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, n. 19, 2002.

BOURRIAUD, Nicolas. Estética relacional. Buenos Aires: Adriana Hidalgo, 2006.

BRASIL, Inês. Alô Alô Vc Sabe Quem Sou Eu - Eu Vou Te Contar Que Vc Não Me Conhece.... Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=xlUSM3f0m1s >. Acesso em: 30 abr. 2017.

CONNELL, Robert W. Políticas da masculinidade. Educação & Realidade, n.20, v.2, p.185-206, 1995.

CROUZET-PAVAN, Elisabeth. Uma flor do mal: os jovens na Itália medieval. In: LEVI, Giovanni; SCHMITT, Jean-Claude (Org.). História dos jovens 1: da antiguidade a era moderna. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade, I : a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 2003.

_______. História da sexualidade, 2: o uso dos prazeres. Rio de Janeiro: Graal, 2003.

_______. História da sexualidade, 3: o cuidado de si. Rio de Janeiro: Graal, 2002.

_______. Os anormais. São Paulo, Martins Fontes, 2001.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 2013.

GAIOLA DAS POPOZUDAS. A porra da buceta é minha. 2006.

________. Minha buceta é o poder. 2010.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. 2. reimpr. rev. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

HERNÁNDEZ, Fernando. A cultura visual como um convite à deslocalização do olhar e ao reposicionamento do sujeito. In: MARTINS, Raimundo; TOURINHO, Irene (Org.). Educação da cultura visual: conceitos e contextos. Santa Maria: Editora UFSM, 2011.

Inês Brasil. Make love. Rio de Janeiro: Videobes, 2015.

LEVI, Giovanni; SCHMITT, Jean-Claude (Org.). História dos Jovens 1: da antiguidade a era moderna. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

LOURO, Guacira Lopes (Org). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Trad. Tomaz Tadeu da Silva. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

______. Teoria queer: uma política pós-identitária para a educação. Revista de Estudos Feministas, Florianópolis, 2001. Disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2017.

______. Um corpo estranho: ensaios sobre a sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

MAFFESOLI, Michel. O tempo das tribos: o declínio do individualismo nas sociedades de massa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

MARLBORO, Dj. Dj Marlboro (Por Ele Mesmo): o Funk no Brasil. Rio de Janeiro: MAUAD, 1996.

MARTINS, Raimundo; TOURINHO, Irene (Org.). Educação da Cultura Visual: conceitos e contextos. Santa Maria: Editora UFSM, 2011.

MATTOS, Carla dos Santos. No ritmo neurótico: cultura funk e performances 'proibidas' em contexto de violência no Rio de Janeiro. 2006. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Faculdade de Ciências Sociais, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, rio de Janeiro, 2006.

MIRZOEFF, Nicholas. How to See the World: an introduction to images, from self-portraits to selfies, maps to movies, and more. Nova Iorque: Basic Books, 2015.

ONFRAY, Michel. La puissance d’exister. Paris: Le livre de poche, 2005.

OLIVEIRA, Inês Barbosa de. Currículos praticados: regulação e emancipação no cotidiano escolar. 2003. Disponível em: < http://26reuniao.anped.org.br/trabalhos/ inesbarbosadeoliveira.pdf >. Acesso em: 30 abr. 2017.

SAFATLE, Vladimir. O circuito dos afetos: corpos políticos, desamparo e o fim do indivíduo. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

SANTOS, Boaventura de Sousa (org.). Conhecimento prudente para uma vida decente: um discurso sobre as ciências revisitado. São Paulo: Cortez, 2004.

_______. A Crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez, 2000.

Tati Quebra-Barraco. Boladona. Rio de Janeiro: Link Records, 2004

_______. Sou Feia, Mas Tô Na Moda. Rio de Janeiro: Link Records, 2004.

TAYLOR, Roger L.. Arte inimiga do povo. São Paulo, SP: Conrad, 2006.

VICTORIO FILHO, Aldo e BERINO, Aristóteles de Paula. Meninas do Rio: o que cantam e contam nas paradas do proibidão. Disponível em: < http://www.fazendogenero.ufsc.br/7/artigos/B/Berino-Victorio_Filho_01.pdf >. Acesso em: 30 abr. 2017

WULF, Christoph. Homo Pictor: imaginação, ritual e aprendizado mimético no mundo globalizado. São Paulo: Hedra, 2013.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2017.29527

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: