AS CRIANÇAS E SEUS TANTOS MODOS DE SER E ESTAR NO MUNDO: DESAFIOS QUE ENVOLVEM A PRODUÇÃO DE REGISTROS DE DESENVOLVIMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Heloisa Josiele Santos CARREIRO

Resumo


O artigo ancora suas reflexões a partir do processo de produção de relatórios de desenvolvimento bimestrais das crianças, que eram produzidos pelas educadoras do Centro de Educação Infantil Carolina Amorim, pensando divergências de leituras sobre o próprio ser criança. Nossa metodologia centra-se nos estudos cotidianos, onde os profissionais da instituição investigam a própria prática. Para pensar as questões da avaliação da aprendizagem, nosso diálogo se estreita com os estudos de autores que questionam o silenciamento de saberes dos sujeitos envolvidos neste processo, no modo como produzimos os instrumentos de registro da avaliação escolar. Assim, o artigo parte da complexidade que envolve pensar um registro do desenvolvimento infantil a quatro mãos.


Palavras-chave


Educação Infantil; Processos Formativos; Registros de Avaliação.

Texto completo:

PDF

Referências


ADICHIE, Chimamanda. O perigo de uma história única. Vídeo publicado em 2009. Disponível em: . Acesso em: 31 mai. 2016.

ALVES, Nilda. Decifrando o pergaminho: o cotidiano das escolas nas lógicas das redes cotidianas. In: OLIVEIRA, Inês Barbosa de; ALVES, Nilda (Org.). Pesquisa no/do cotidiano das escolas: sobre redes de saberes. Rio de Janeiro: DP&A, 2001. p.13-37.

ALVES, Nilda; GARCIA, Regina Leite (orgs.). A Invenção da Escola a cada dia. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

ARENDT, Hannah. A condição humana. 10 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

BENJAMIN, Walter. A Tarefa do Tradutor. Belo Horizonte: Fale/UFMG, 2008.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 1998.

CARREIRO, Heloisa Josiele Santos Carreiro. Rotinas arquitetadas e cotidianos vividos: tensões e possibilidades na Educação Infantil. Tese de Doutorado – Universidade Federal Fluminense, Faculdade de Educação, 2013.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. Petrópolis – Rio de Janeiro: Vozes, 1994.

CORSARO, William. Sociologia da Infância. 2ª Edição. Porto Alegre: Artmed, 2011.

ESTEBAN, Maria Teresa. Avaliação: uma prática em busca de novos sentidos. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

FERREIRA, Manuela. A gente gosta é de brincar com os outros meninos! Relações sociais entre crianças num Jardim de Infância. Porto: Afrontamento, 2004.

GARCIA, Regina Leite. A professora investigadora e o processo de produção de novos conhecimentos sobre a prática pedagógica. In.: Anais do 9º ENDIPE. Águas de Lindóia, SP: 1998.

GINZBURG, C. Mitos, emblemas e sinais. São Paulo: Cia das Letras, 1989.

LEITE, Maria Isabel. Espaços de narrativa – onde o eu o outro marcam encontro. In.: CRUZ, Silvia Helena Vieira. A criança fala – a escuta de crianças em pesquisas São Paulo: Cortez, 2008. p. 118-140.

QVORTRUP, Jens. Apresentação – Nove teses sobre a infância como um fenômeno social. Revista Pro-Posições, Campinas, v. 22, n. 1 (64), p. 199-211, jan./abr. 2011.

SARMENTO, Manoel Jacinto. Estudos da Infância - Educação e Práticas Sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2016.24885

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: