Um olhar fenomenológico sobre a questão da saúde e da doença: a cura do ponto de vista da Gestalt-terapia

Loeci Maria Pagano Galli

Resumo


O comportamento de uma pessoa não pode ser compreendido como um fenômeno isolado do mundo exterior. É preciso entender um sintoma como um estilo de ser-no-mundo. Para Heidegger o homem não “é” primeiramente, ele é homem na exata medida de seu ser-em-relação.
Qualquer diagnóstico pressupõe uma teoria a priori sobre a pessoa. Diagnosticar para um gestalt-terapeuta significa conhecer e respeitar o ser humano ao longo de sua existência. Um sintoma exige atenção, pois é um transmissor de informações, todo evento mental tem repercussões no organismo.
O conceito de “cura” para Gestalt-terapia só pode ser compreendido a partir de uma concepção fenomenológica-existencial do ser humano.

Palavras-chave


Gestalt-terapia; Psicopatologia; Fenomenologia

Texto completo:

PDF HTML


DOI: https://doi.org/10.12957/epp.2009.9135

Licença Creative Commons
A revista Estudos e Pesquisas em Psicologia esta licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 3.0 Não Adaptada.

 

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Psicologia
© Estudos e Pesquisas em Psicologia
Rua São Francisco Xavier, 524, bloco F, sala 10.005, 10° andar, CEP 20550-013, Rio de Janeiro-RJ, Brasil
Telefone: (21) 2334-0651

E-mail: revispsi@gmail.com