A importância do acompanhamento psicológico no processo de aceitação de morte

Adriana Fernandes Vieira de Melo, Luciana Lima Zeni, Célia Lídia da Costa, Antônio Sérgio Fava

Resumo


Poucos eventos na vida são capazes de isolar alguém como a progressão de uma doença potencialmente fatal. O sofrimento causado pela proximidade da morte pode ser diminuído ou aumentado por fatores psicológicos, sociológicos, culturais e espirituais. Adquirir a consciência e aceitação que a morte está próxima poderá tornar tal processo mais humano. Sendo assim, o presente trabalho tem como objetivo discutir a morte e o morrer, seus significados e diferenças culturais, a atuação do profissional de psicologia junto aos pacientes e seus familiares no processo de aceitação de morte. Para ilustrar as dificuldades vividas neste processo e todas as angústias suscitadas neste período, são apresentados dois casos clínicos. As observações, reflexões, intervenções e o acolhimento oferecidos no processo terapêutico podem ajudar significativamente e, de alguma forma, as pessoas podem entender, aceitar e adaptar-se à nova realidade, mas isso exige tempo.

Texto completo:

HTML PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/epp.2013.7929

Licença Creative Commons
A revista Estudos e Pesquisas em Psicologia esta licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 3.0 Não Adaptada.

 

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Psicologia
© Estudos e Pesquisas em Psicologia
Rua São Francisco Xavier, 524, bloco F, sala 10.005, 10° andar, CEP 20550-013, Rio de Janeiro-RJ, Brasil
Telefone: (21) 2334-0651

E-mail: revispsi@gmail.com