NOTAS SOBRE O CONCEITO DE ANGÚSTIA

Betty Bernardo Fuks

Resumo


O artigo propõe examinar de que modo Freud chegou a construir, ao longo de sua obra, duas teorias sobre o eixo fundamental da clínica psicanalítica: a angústia. Um dos objetivos foi o de demonstrar que embora essas diferentes modalidades de apreensão do afeto pareçam absolutamente excludentes, na verdade estabelecem um jogo de mútua interferência. A partir das contribuições de Lacan, em seu O seminário, livro 10: A angústia, foram investigadas as relações entre o conceito de angústia e os conceitos de inquietante estranheza (Unheimlich) e de desamparo (Hilflosigskeit), tendo como meta apreender de que modo Freud chega a inverter a primeira proposição sobre a angústia e apontar duas origens distintas para esse afeto: angústia automática e sinal de angústia. A autora estende suas reflexões à tarefa do analista de, em seu ofício, oferecer uma garantia real à escuta da angústia.

Texto completo:

PDF HTML


Licença Creative Commons
A revista Estudos e Pesquisas em Psicologia esta licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 3.0 Não Adaptada.

 

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Psicologia
© Estudos e Pesquisas em Psicologia
Rua São Francisco Xavier, 524, bloco F, sala 10.005, 10° andar, CEP 20550-013, Rio de Janeiro-RJ, Brasil
Telefone: (21) 2334-0651

E-mail: revispsi@gmail.com