Ser Mulher Negra: Existência e Resistência nos Contos de Conceição Evaristo

Sheryl Andreatta da Costa, Betina Hillesheim

Resumo


O presente artigo pretende discutir, a partir do livro Insubmissas Lágrimas de Mulheres, de Conceição Evaristo (2016), os modos de existência e as brechas de resistência que se mostram possíveis na vida das personagens protagonistas dos contos: Isaltina Campo Belo, Shirley Paixão, Lia Gabriel e Maria do Rosário Imaculada dos Santos. A escolha desses contos pautou-se na identificação das encenações em que as vozes narrativas das mulheres protagonistas relatam as experiências e os enfrentamentos de diversas formas de violências em contextos de vulnerabilidade. Percorrendo os exercícios de escrevivência realizados por Evaristo, que nos permitem acesso a experiências reais ficcionalizadas das mulheres pobres, negras e periféricas silenciadas no cotidiano brasileiro, discute-se os modos de ser dessas mulheres diante das condições de vulnerabilidade e exposição à violência. Além disso, compreende-se que tais modos de subjetivação não se referem somente à sujeição e ao silenciamento, mas também dizem respeito a práticas de liberdade e movimentos de resistência. Sendo assim, as narrativas, ao mesmo tempo em que denunciam a vulnerabilidade dessas mulheres, também as distanciam da estigmatização dessas existências, afirmando a singularidade da vida e os enfrentamentos diante das situações de violência.

Palavras-chave


vulnerabilidade; violência; resistência; mulheres negras

Texto completo:

HTML PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/epp.2022.68633

Licença Creative Commons
A revista Estudos e Pesquisas em Psicologia esta licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 3.0 Não Adaptada.

 

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Psicologia
© Estudos e Pesquisas em Psicologia
Rua São Francisco Xavier, 524, bloco F, sala 10.005, 10° andar, CEP 20550-013, Rio de Janeiro-RJ, Brasil
Telefone: (21) 2334-0651

E-mail: revispsi@gmail.com