Cartas do hospício: Memória e esquecimento - rastros e insurgências

Tiago Marcelo Trevizani, Rosane Azevedo Neves da Silva

Resumo


Este artigo discute sobre o uso de cartas como fontes de pesquisa e sua articulação com os conceitos de memória e esquecimento, no âmbito da história da loucura. Os autores partem do encontro ao acaso com algumas correspondências escritas no início do século XX, por pacientes do antigo Hospício São Pedro, localizado em Porto Alegre (Rio Grande do Sul/Brasil), as quais ficaram guardadas nos seus prontuários e que, aparentemente, não foram enviadas aos seus destinatários. Os procedimentos de exclusão e a regulação dos discursos daqueles que eram tidos como loucos operou um silenciamento desses sujeitos, tomando seus escritos, exclusivamente, como referentes da sua suposta loucura; entende-se que a dinâmica das relações de poder é capaz de produzir "vidas memoráveis" e "vidas pouco dignas de serem lembradas". Destaca-se o compromisso ético-político de uma perspectiva histórica que se compromete com a "memória dos oprimidos". Este estudo examina alguns "rastros do passado", entendendo-os como possibilidade de insurgência daqueles que foram relegados ao esquecimento, neste caso, lembrar do passado é intervir no presente.

Palavras-chave


cartas do hospício; loucura; memória e esquecimento

Texto completo:

HTML PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/epp.2019.43022

Licença Creative Commons
A revista Estudos e Pesquisas em Psicologia esta licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 3.0 Não Adaptada.

 

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Psicologia
© Estudos e Pesquisas em Psicologia
Rua São Francisco Xavier, 524, bloco F, sala 10.005, 10° andar, CEP 20550-013, Rio de Janeiro-RJ, Brasil
Telefone: (21) 2334-0651

E-mail: revispsi@gmail.com