O apego desenvolvido na infância e o relacionamento conjugal e parental: Uma revisão da literatura

Ana Paula Sesti Becker, Maria Aparecida Crepaldi

Resumo


As relações afetivas na infância repercutem no estilo de apego do indivíduo no decorrer do seu ciclo vital. Assim, o objetivo deste artigo é analisar o perfil de estudos nacionais e internacionais acerca da relação entre o apego dos membros do casal desenvolvido na infância e o relacionamento conjugal e parental. Para tanto, foi realizada uma revisão de literatura integrativa nas bases de dados PsycInfo, Scielo e CAPES, por meio de descritores preestabelecidos, em português, inglês e espanhol, entre 2013 a 2017. Foram selecionados 32 artigos completos indexados, os quais foram submetidos a análises metodológicas e semânticas, derivando-se três categorias temáticas. Identificou-se a predominância de estudos longitudinais e quantitativos, cujas publicações concentram-se, em grande parte, na América do Norte. Constatou-se também, que pessoas com características de apego inseguro apresentam maior tendência de desenvolver conflito conjugal e baixa qualidade do relacionamento amoroso.  Não foi encontrada nenhuma pesquisa que integrasse em um único estudo, a relação estabelecida entre o apego dos membros do casal na infância e suas repercussões sobre os vínculos conjugal e parental. Verifica-se a lacuna de estudos que discutam a teoria do apego em uma perspectiva transgeracional e seus efeitos sobre a vida adulta.

Palavras-chave


apego; relação conjugal; parentalidade

Texto completo:

HTML PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/epp.2019.43016

Licença Creative Commons
A revista Estudos e Pesquisas em Psicologia esta licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 3.0 Não Adaptada.

 

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Psicologia
© Estudos e Pesquisas em Psicologia
Rua São Francisco Xavier, 524, bloco F, sala 10.005, 10° andar, CEP 20550-013, Rio de Janeiro-RJ, Brasil
Telefone: (21) 2334-0651

E-mail: revispsi@gmail.com