História das Psicoterapias e da Psicanálise no Brasil: o caso do Rio de Janeiro

Cristiana Facchinetti

Resumo


O presente artigo se propõe a apresentar as práticas psicoterapêuticas utilizadas pela psiquiatria brasileira no Hospício Nacional de Alienados, instituição psiquiátrica situada no Rio de Janeiro e fundada no ano de 1852. A pesquisa se debruçou sobre artigos, livros autorais e manuais médicos do Hospital Nacional de Alienados e professores da cátedra de Psiquiatria e Moléstias Mentais da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. Como referencial teórico, o artigo se apoia em Chartier (1990) para indicar que, ao circular no Brasil do início do século XX, as diferentes psicoterapias tiveram que se acomodar ao contexto para poderem circular. Em especial, demonstra-se como a psicanálise foi apropriada e negociada de acordo com os repertórios disponíveis no contexto psiquiátrico local, bem como frente aos diversos interesses individuais e profissionais presentes, tendo que se adaptar para ganhar credibilidade e aceitação no ambiente da medicina mental brasileira da primeira metade do século XX. Apenas no final da década de 1950 é que se constituiria como uma disciplina independente e autônoma frente aos outros saberes psi com os quais teve que se mesclar ao longo do século.

Palavras-chave


História; Psicoterapias; Praxiterapia; Psicanálise; Brasil

Texto completo:

HTML PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/epp.2018.42225

Licença Creative Commons
A revista Estudos e Pesquisas em Psicologia esta licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 3.0 Não Adaptada.

 

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Psicologia
© Estudos e Pesquisas em Psicologia
Rua São Francisco Xavier, 524, bloco F, sala 10.005, 10° andar, CEP 20550-013, Rio de Janeiro-RJ, Brasil
Telefone: (21) 2334-0651

E-mail: revispsi@gmail.com