Representação de apego materna, relação mãe-criança e apego inseguro do filho: um estudo qualitativo

Marcela Bortolini, Cesar Augusto Piccinini

Resumo


O padrão de apego materno com os seus próprios cuidadores tende a influenciar suas relações posteriores, em especial a relação mãe-filho. Esta expectativa, baseada na literatura, norteou o presente estudo que teve o objetivo de investigar as experiências, o apego da mãe com seus cuidadores e o apego inseguro do filho. Participaram duas díades mãe-filho em que a criança apresentava comportamentos de apego inseguro [selecionadas em uma amostra de 63 participantes]As mães responderam instrumentos que avaliavam os cuidados recebidos; suas representações de apego; sua relação atual mãe-filho e os comportamentos de apego da criança. Os resultados revelaram consistências entre os cuidados recebidos pouco sensíveis, não incentivadores da autonomia, mães com representações de apego sem base segura e comportamentos de apego inseguro do filho. Estes resultados apoiam a literatura e apontam para a importância de avaliações e intervenções precoces, visando evitar a transmissão intergeracional do padrão de apego inseguro.

Palavras-chave


apego inseguro; representação; relações; mãe-filho

Texto completo:

PDF HTML


DOI: https://doi.org/10.12957/epp.2017.37704

Licença Creative Commons
A revista Estudos e Pesquisas em Psicologia esta licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 3.0 Não Adaptada.

 

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Psicologia
© Estudos e Pesquisas em Psicologia
Rua São Francisco Xavier, 524, bloco F, sala 10.005, 10° andar, CEP 20550-013, Rio de Janeiro-RJ, Brasil
Telefone: (21) 2334-0651

E-mail: revispsi@gmail.com