A lógica da diferença irredutível: a formação do psicanalista não é tarefa da universidade

Luciano da Fonseca Elia

Resumo


O autor discute as relações da psicanálise com a universidade, partindo da dissolução do tabu que consiste em sustentar o temor da aproximação entre ambas, do que resultou historicamente a aparente aversão das sociedades psicanalíticas à universidade, seu enquistamento em guetos iniciáticos que só produziram a mais despudorada academização dessas sociedades. Opõe esta movimento-tabu às novas relações que o ensino de Lacan introduziram, por distinguir os campos psicanalítico e universitário em termos de sua estrutura discursiva, permitindo que a aproximação entre esses campos deixe de ser temida, produzindo profícuas incidências da psicanálise na universidade, cujos eventuais efeitos de formação psicanalítica indefectivelmente esbarram na dimensão do impossível de fazer advir o psicanalista e sua autorização - função essencial da Escola de psicanálise - no âmbito da universidade.

Palavras-chave


lógica; psicanalista; universidade; psicanálise

Texto completo:

HTML PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/epp.2016.33441

Licença Creative Commons
A revista Estudos e Pesquisas em Psicologia esta licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 3.0 Não Adaptada.

 

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Psicologia
© Estudos e Pesquisas em Psicologia
Rua São Francisco Xavier, 524, bloco F, sala 10.005, 10° andar, CEP 20550-013, Rio de Janeiro-RJ, Brasil
Telefone: (21) 2334-0651

E-mail: revispsi@gmail.com