A clínica psicanalítica em um ambulatório para adolescentes em conflito com a lei

Maria Beatriz Barra

Resumo


Este trabalho surgiu a partir da investigação, na via da Psicanálise postulada por Freud e Lacan, de o que leva um sujeito à passagem ao ato delituoso, particularmente os crimes ditos edipianos, por Lacan, a partir do próprio discurso produzido pelo sujeito na singularidade do seu ato. A escolha desse tipo de crime deve-se ao fato de termos escutado, em grande número de sujeitos, a presença de um opressivo sentimento de culpa, tomado no eixo clínico, como determinando o ato, visando à punição como forma de alívio. O sujeito pode pagar com sua “pena” o que deve à justiça e à sociedade, entretanto há algo que permanece impagável. O dispositivo psicanalítico oferece condições para que o sujeito possa responder por aquilo que lhe escapa.
Como esse estudo foi pensado e articulado a partir da escuta da analista a adolescentes num ambulatório público, a questão do lugar do analista é evidentemente abordada.

Palavras-chave


Psicanálise; Adolescentes infratores; Sentimento inconsciente de culpa

Texto completo:

PDF HTML


Licença Creative Commons
A revista Estudos e Pesquisas em Psicologia esta licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 3.0 Não Adaptada.

 

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Psicologia
© Estudos e Pesquisas em Psicologia
Rua São Francisco Xavier, 524, bloco F, sala 10.005, 10° andar, CEP 20550-013, Rio de Janeiro-RJ, Brasil
Telefone: (21) 2334-0651

E-mail: revispsi@gmail.com