De l’herméneutique à la phénoménologie de l’œuvre littéraire

Alain Flajoliet

Resumo


Com os consideráveis trabalhos de P. Ricouer consagrados à obra literária – em particular La métaphore vive (1975) e os três volumes de Temps et récit (1982-1986), mas também os numerosos artigos e comunicações breves -, à elucidação da obra sob o horizonte hemenêutico parece ter sido imposta em detrimento de uma aproximação mias estritamente fenomenológica. De fato, a filosofia de Ricoeur dá uma guinada, no meado dos anos setenta, de uma fenomenologia pós-husserliana (representada por Le volontaire et l’involuntaire bem como por numerosos artigos sobre Husserl) para uma hermenêutica da existência humana finita e fática que iria interrogar de maneira constante a literatura. Este redirecionamento é anterior aos trabalhos sobre a obra literária – que se esboça no ensaio sobre Freud de 1969 -, mas permitiu abrir uma interpretação de textos que assumem o ponto de vista hermenêutico. Queremos mostrar aqui que uma elucidação mais puramente fenomenológica foi – e ainda é – possível. Este ponto de vista foi aberto por R. Ingarden desde 1931 em seu livro capital : L'œuvre d'art littéraire e esta obra servirá de fio condutor à este esboço de uma possível fenomenologia da obra.

Palavras-chave


Fenomenologia; Hermenêutica; Literatura; Paul Ricoeur

Texto completo:

PDF HTML


Licença Creative Commons
A revista Estudos e Pesquisas em Psicologia esta licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 3.0 Não Adaptada.

 

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Psicologia
© Estudos e Pesquisas em Psicologia
Rua São Francisco Xavier, 524, bloco F, sala 10.005, 10° andar, CEP 20550-013, Rio de Janeiro-RJ, Brasil
Telefone: (21) 2334-0651

E-mail: revispsi@gmail.com