O que os investidores não veem, o mercado não sente: reflexões sobre a divulgação voluntária de informações prospectivas

Vagner Alves Arantes, Daniela Pirolo Dias, Rodrigo Oliveira Soares

Resumo


O estudo objetiva sintetizar os efeitos da divulgação voluntária das informações prospectivas, guidance, no comportamento das empresas. Para tanto, realiza-se a revisão narrativa da literatura afim de estabelecer proposições teóricas testáveis, identifica-se os setores e os grupos empresariais que adotaram essa forma de divulgação. Entre as proposições, sugere-se que o guidance conduz à efeitos mistos na assimetria informacional; incentiva positivamente o comportamento míope; e pondera-se que a narrativa contábil na construção das informações prospectivas pode influenciar stakeholders e impactar no desempenho empresarial. Nota-se que 128 empresas, dentre 331 analisadas, optaram pela divulgação do guidance (39%), sendo predominante em setores regulados, como em comunicação e energia elétrica. No entanto, setores de tecnologia e industriais apresentam menor aderência à prática contábil, o que pode estar associado ao nível de incerteza desses ambientes. O estudo contribui ao apontar os potenciais efeitos do guidance e ao indicar caminhos para investigação. De forma prática, o estudo contribui aos gestores para atentarem-se ao tipo e a forma das divulgações adotadas no guidance, pois podem influenciar na interpretação e nas decisões dos investidores.


Palavras-chave


Divulgação voluntária. Guidance. Informação contábil

Texto completo:

PDF

Referências


ANHALT, A. A. Guidance: entre o risco e a segurança. Revista Relações com Investidores – RI, v.4, p. 31-33, 2007.

ABEYSEKERA, I.; GUTHRIE, J. An empirical investigation of annual reporting trends of intellectual capital in Sri Lanka. Critical Perspectives on Accounting, v. 16, n. 3, p. 151–163, 2005.

ABHAYAWANSA, S.; AZIM, M. Corporate reporting of intellectual capital: Evidence from the Bangladeshi pharmaceutical sector. Asian Review of Accounting, v. 22, n. 2, p. 98–127, 2014.

ARANTES, V. A.; GUSMÃO, I. B.; COSTA, M. C. Análise do relatório de guidance em empresas investigadas pela Polícia Federal: exame sob a perspectiva do gerenciamento de impressões. Revista de Contabilidade e Organizações, v. 13, p. e148176, 2019.

BILLINGS, M. B.; JENNINGS, R.; LEV, B. On guidance and volatility. Journal of Accounting and Economics, v. 60, n. 2–3, p. 161–180, 2015.

BRANDÃO, I. DE F. et al. Fatores determinantes do disclosure de guidance das companhias listadas na BM&FBOVESPA. Revista Contemporânea de Contabilidade, v. 10, n. 21, p. 87–114, 2013.

BRANDÃO, I. DE F.; DE LUCA, M. M. M.; VASCONCELOS, A. C. DE. Características do guidance nas maiores companhias de capital aberto do Brasil. Revista Universo Contábil, v. 10, n. 4, p. 106–127, 2014.

BRENNAN, N.; MERKL-DAVIES, D. M. Accounting Narratives and Impression Management. Londres: Routledge, 2013.

CHEN, S.; MATSUMOTO, D.; RAJGOPAL, S. Is silence golden? An empirical analysis of firms that stop giving quarterly earnings guidance. Journal of Accounting and Economics, v. 51, n. 1–2, p. 134–150, 2011.

CODIM. CODIM, 2008.

CONSONI, S.; COLAUTO, R. D.; LIMA, G. A. S. F. DE. Voluntary disclosure and earnings management: evidence from the Brazilian capital market. Revista Contabilidade & Finanças, v. 28, n. 74, p. 249–263, 2017.

CRUZ, N. V. . et al. Disclosure de guidance e desempenho das firmas listadas na BM&FBovespa. Contabililometria- Brazilian Journal of Quantitative Methods Applied to Accounting, v. 2, n. 2, p. 47–64, 2015.

CVM. Comissão de Valores Mobiliários2009, 2009. Disponível em:

DAVIES, R. et al. Measuring the costs of short-termism. Journal of Financial Stability, v. 12, n. 1, p. 16–25, 2014.

DIAMOND, D. W. Optimal Release of Information By Firms. Source: The Journal of Finance, v. 40, n. 4, p. 1071–1094, 1985.

DIAMOND, D. W.; VERRECCHIA, R. E. Disclosure, Liquidity, and the Cost of CapitalThe Journal of Finance, 1991.

DYE. An evaluation of essays on disclosure and the disclosure literature in accounting. Journal of Accounting and Economics, v. 32, p. 181–235, 2001.

DYE, R. A. Disclosure of Nonproprietary Information. Journal of Accounting Research, v. 23, n. 1, p. 123–145, 1985.

DYE, R. A. Investor Sophistication and Voluntary Disclosures. Review of Accounting Studies, v. 3, n. 3, p. 261–287, 1998.

ENGEL, P. J. et al. Voluntary disclosure of individual supervisory board compensation in public family firms. Journal of Business Research, v. 101, n. May, p. 362–374, 2019.

ERASMUS. Investor short-termism and managerial myopia: irrational behaviour or human nature?, 2015.

FENG, M.; LI, C.; MCVAY, S. Internal control and management guidance. Journal of Accounting and Economics, v. 48, n. 2–3, p. 190–209, 2009.

GRAHAM, J. R.; HARVEY, C. R.; RAJGOPAL, S. The economic implications of corporate financial reporting. Journal of Accounting and Economics, v. 40, n. 1, p. 3–73, 2005.

HEALY, P. M.; PALEPU, K. G. Information asymmetry, corporate disclosure, and the capital markets: A review of the empirical disclosure literature. Journal of Accounting and Economics, v. 31, n. 1–3, p. 405–440, 2001.

KLEINKNECHT, R. et al. An attention-based view of short-termism: The effects of organizational structureEuropean Management Journal, 2019.

LANZANA, A. P. Relação entre disclosure e governança corporativa das empresas brasileiras. [s.l.] Universidade de São Paulo, 2004.

MACEDO NETO, H. et al. Fatores Incentivadores da Publicação de Guidance pelas Empresas do Ibovespa e sua Conformidade com o Pronunciamento de Orientação N° 04/2008 do CODIM. Revista Sociedade, Contabilidade e Gestão, v. 9, n. 1, p. 105–123, 2014.

MACHADO, F. et al. Divulgação voluntária do guidance: informação incremental ou gerenciamento de impressões? João Pessoa: [s.n.].

MEEK, G. K.; ROBERTS, C. B.; GRAY, S. J. Factors influencing voluntary annual report disclosures by U.S., U.K. and continental european multinational corporations. Journal of International Business Studies, v. 26, n. 3, p. 14–15, 1995.

MENDES-DA-SILVA, W. Contribuições e Limitações de Revisões Narrativas e Revisões Sistemáticas na Área de Negócios. Revista de Administração Contemporânea, v. 23, n. 2, 2019.

PORTER, M. E. “Capital Choices: The Causes and Cures of Business Myopia.” Research Report to the U.S. Government’s Council on Competitiveness, Washington D.C., 1992.

RILEY, T. J.; YEN, A. C. Accounting Narratives. Oxford Research Encyclopedia of Business and Management, 2019.

ROGERS, J. L.; SKINNER, D.; BUSKIRK, A. V. Earnings guidance and market uncertainty. Quarterly Review of Economics and Finance, v. 61, p. 97–111, 2009.

SALOTTI, B. M.; YAMAMOTO, M. M. Divulgação voluntária da demonstração dos fluxos de caixa no mercado de capitais Brasileiro. Revista Contabilidade & Finanças, v. 19, n. 48, p. 37–49, 2008.

SHLEIFER, A.; VISHNY, R. W. A Survey of Corporate Governance. The Journal of Finance, v. 52, n. 2, p. 737–783, 1997.

SKINNER, D. J.; SLOAN, R. Earnings Surprises , Growth Expectations , and Stock Returns or Don’t Let an Earnings Torpedo Sink your prtfolio. Review of Accounting Studies, n. 7, p. 289–312, 2002.

VERRECCHIA, R. E. Discretionary Disclosure. Journal of Accouting and Economics, v. 5, p. 179–194, 1983.

VERRECCHIA, R. E. Essays on disclosure. Journal of Accounting and Economics, v. 32, p. 97–180, 2001.

XIN, J. The determinants of forward-looking risk disclosure and its impacts on rms ’ risk and analyst forecast accuracy : Evidence from the UK. [s.l.] Durham University, 2015.




DOI: https://doi.org/10.12979/rcmccuerj.v25i3.53140



ISSN da versão on-line (atual): 1984-3291
Periodicidade: Quadrimestral
Classificação CAPES: A3

DOAJ