Zenon Bańkowski, leitor de Luhmann?

Marco Antonio Loschiavo Leme de Barros

Resumo


O texto discute a influência e o impacto da teoria social de Niklas Luhmann na teoria do direito de Zenon Bańkowski, em especial a partir da sua obra Vivendo Plenamente a Lei que defende uma eticidade do direito. Tal como a visão sistêmica, Bańkowski trabalha com a racionalidade dos paradoxos, ou com a racionalidade parabólica, que permite observar o direito a partir da diferença. Tal como na visão luhmanniana em que o sistema jurídico se diferencia do ambiente para fixar sua identidade, a parábola permite compreender a tensão entre o amor e a lei, sobretudo a partir da argumentação jurídica e que possibilita transcender o legalismo ao mesmo tempo em que se aceita a legalidade. Subjacente à racionalidade das parábolas, é sustentado que Bańkowski, em alguma medida, incorpora a ideia da autofundação do direito, bem como a teoria da complexidade pressuposta por Luhmann. O teórico polonês, radicado na Escócia, concordaria na caracterização de um sistema aberto e fechado, além de compartilhar que o direito convive com a dúvida a respeito das diferentes possibilidades de decisão e que permanecem disponíveis para futuras seleções. O principal exemplo nesta caracterização é o tema da contingência, que aparece com frequência na obra de Bańkowski e se desdobra como o momento da ansiedade na tomada de decisão, fato que indica que nunca a autoridade saberá se a decisão é a efetivamente correta. Ainda que o direito possua o desejo de controlar a contingência da vida – eliminar o risco –, ele mesmo é algo criativamente arriscado. Além disso, é possível notar uma extensa referência à mobilização do instrumental sistêmico para compreender as operações de reciprocidade entre o direito comunitário e os sistemas nacionais da União Europeia, bem como a ideia de integração entre sistema e ambiente para discutir os casos do tribunal do júri e do sistema de justiça leiga (lay justice) na Escócia. No final, o texto sustenta que Bańkowski possui mais semelhanças com visão sistêmica do que propriamente divergências, e indica como a teoria social de Luhmann pode ser incorporada e desenvolvida no plano teórico do direito – um produto da autodescrição do sistema jurídico –, permitindo, inclusive, conjecturar se não é o caso de um acoplamento estrutural entre teoria do direito e teoria social.


Palavras-chave


Bańkowski; Teoria dos Sistemas; Teoria do Direito; Contingência; Ansiedade

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/rqi.2019.38204


Esta licença permite que outros distribuam, remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho, mesmo para fins comerciais, desde que lhe atribuam o devido crédito pela criação original: (https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

 

Indexada em | Indexed by:

Library of Congresshttp://www.journaltocs.ac.uk/API/blog/images/journaltocslogo.jpgResultado de imagem para road open access

SHERPA/RoMEO LogoResultado de imagem para "ebsco"Resultado de imagem para "American Association for the Advancement of Science"

 

Resultado de imagem para scilitResultado de imagem para erih plus3d rendered picture of high peaks and cloud, with typographic logo for JURN

Resultado de imagem para lexis nexisResultado de imagem para suncatLA Referencia

Resultado de imagem para "Current Research Information System In Norway"

 

Resultado de imagem para google scholarhttp://www.lib.uct.ac.za/sites/default/files/image_tool/images/14/web-science_1_cus.png

Ver outras indexações da Revista

Periódico associado | Associated journal:

Associação Brasileira de Editores Científicos – ABEC