TÁTICAS DAS JUVENTUDES

Nivea Maria da Silva Andrade, João Guerreiro

Resumo


O presente artigo apresenta, inicialmente, uma discussão sobre as práticas de defesa dos Direitos Humanos que vêm sendo realizadas pela juventude periférica através de uma pesquisa em andamento junto ao Instituto Enraizados, que congrega jovens do movimento Hip Hop que atuam em um bairro do município de Nova Iguaçu/RJ, situado na região denominada Baixada Fluminense/RJ. A metodologia da pesquisa utiliza como dispositivo inicial roda de conversas sobre os conhecimentos e processos de significações das produções imagéticas realizadas pelos próprios jovens a partir de palavras-temas desencadeadoras eleitas por ela(e)s. O artigo apresenta, a partir dessa pesquisa, algumas indicações sobre as táticas empregadas por esses jovens nas suas ações cotidianas visando dar concretude ou dar outros significados à visão hegemônica de que na periferia de um centro urbano como o município do Rio de Janeiro não existe direitos humanos, produção cultural ou mesmo potencias de produção.


Palavras-chave


juvenetude;periferia;Baixada Fluminense

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/periferia.2019.43064

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil  

Revista Periferia, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas – PPGECC/UERJ - ISSN: 1984-9540